Peste Suína Africana AveSui Inside Cooperativas Agroindústrias Bem - Estar Animal América Latina Comentário Suíno Economia Empresas Exportação Eventos e Cursos Genética Geral Insumos Manejo Meio Ambiente Mercado Externo Mercado Interno Nutrição Piscicultura Pesquisa e Desenvolvimento Processamento de Carne Sanidade Sustentabilidade Saúde Animal Tecnologia Revista Todos os Vídeos TV Gessulli no YouTube Edições Revista Digital Anuncie
Relatório

Novo ranking avalia status dos compromissos de gigantes do agronegócio com o bem-estar animal

BRF, JBS e Cargill estão entre 52 empresas analisadas na 2ª edição do Monitor de Iniciativas Corporativas pelos Animais (MICA) lançado pela Mercy For Animals

Redação, com informações MFA
03-Mai-2022 13:52

Os compromissos com o bem-estar animal da BRF, JBS e Cargill, gigantes da indústria de alimentos, foram avaliados pela primeira vez no Monitor de Iniciativas Corporativas pelos Animais (MICA), promovido pela Mercy For Animals (MFA). O novo ranking, que inclui 52 empresas da América Latina, foi lançado no dia 19 de abril. 

A BRF estreou no relatório alcançando a até então inédita posição na categoria Ouro, em que estão as companhias que alcançaram 100% dos ovos utilizados em suas cadeias de fornecimento provenientes de galinhas livres de gaiolas. Desde 2020, a empresa eliminou de sua cadeia produtiva na América Latina os ovos de galinhas confinadas em gaiolas. 

Já a JBS, que assumiu em 2017 o compromisso de banir o confinamento de galinhas em sua cadeia de suprimentos de ovos, foi classificada na edição 2022 do MICA na categoria Bronze, em que as companhias reportam mais de 30% do fornecimento vindo de galinhas livres de gaiolas.

A Cargill, uma das maiores indústrias de alimentos do mundo, foi classificada ao lado de 17 companhias na categoria Laranja, que contempla tanto empresas que se comprometeram a eliminar os ovos de galinhas confinadas em gaiolas de sua cadeia de suprimentos, mas não informam seu progresso nessa transição, ou empresas que sequer anunciaram uma política nesse sentido, porém, demonstraram alguma transparência ao responder o formulário do MICA. A Cargill, anunciou um compromisso em 2018, entretanto, não tem sido clara em informar como está avançando na transição.  

Lançado em 2021, o MICA ampliou nesta 2ª edição o número total de empresas monitoradas de 34 para 52. O foco do monitor é o anúncio e o cumprimento de compromissos pelas empresas alimentícias e hoteleiras mais influentes da América Latina para reduzir o sofrimento de animais explorados para consumo. 

Maioria das empresas ainda precisa avançar

Pela primeira vez no MICA, duas empresas figuram na categoria Ouro, quando 100% do fornecimento de ovos provém de galinhas livres de gaiolas: BRF e Danone. Outro destaque é que cinco companhias subiram de posição no ranking em relação ao ano anterior: Subway, Accor, Barceló, Bimbo e Cencosud.

Por outro lado, a maioria das empresas - 44, que corresponde a 84,6% das analisadas - ainda tem passos a avançar. O MICA registra 15 companhias na categoria Amarela (assumiram compromisso, mas têm pouco ou nenhum progresso), 18 na Laranja (não fizeram progresso ou demonstram certa transparência mesmo sem compromisso público) e 11 na Vermelha (não têm compromisso público nem relataram avanços publicamente).

"É importante que as empresas façam avanços significativos para alcançar suas metas e relatem publicamente seu progresso, a fim de demonstrar transparência na gestão de suas operações e seu interesse em manter o público consumidor informado", destaca Cecilia Valenza, gerente de Relações Corporativas da MFA no Brasil.

Falta de equidade também desafia

Outro ponto de atenção trazido pelo novo relatório do MICA é a falta de equidade nas políticas de bem-estar animal de certas empresas. Muitas delas têm tratado o tema de forma desigual ao comprometer-se ou avançar somente em determinadas regiões onde operam. 

É o caso, por exemplo, do grupo Mars, responsável por marcas como M&M, Snickers e Twix, que não tem compromisso para a América Latina enquanto já se comprometeu em ter uma cadeia de fornecimento com 100% das galinhas livres de gaiolas na Europa e em países como Austrália, Estados Unidos e Canadá. “As preocupações com o bem-estar animal e a segurança dos alimentos não terminam nas fronteiras dos países do Norte global. Excluir consumidores e animais do Sul global das questões de responsabilidade social corporativa não parece justo. É urgente que as empresas olhem para esse tema de forma global”, ressalta Cecilia.

PRINCIPAIS RESULTADOS DO MICA 2022

Categoria Ouro (100% do fornecimento de ovos provém de galinhas livres de gaiolas)

BRF e Danone

Categoria Prata (mais de 90%)

Costco

Categoria Bronze (mais de 30%)

Arcos Dorados, GPA, JBS e Subway 

Categoria Verde (mais de 15%)

Carrefour

SOBRE O MICA

O MICA é uma ação do Departamento de Políticas Corporativas da MFA, que direciona seus esforços para mobilizar empresas a anunciarem e executarem prontamente políticas que visem reduzir o sofrimento dos animais na indústria. Só no Brasil, mais de 160 companhias já anunciaram compromissos para banir integralmente de suas cadeias de suprimentos o confinamento de galinhas em gaiolas, a maioria até 2025. 

A MFA entra em contato com as empresas avaliadas no MICA e encoraja que reportem publicamente o avanço que fizeram em suas transições. Como o levantamento é realizado anualmente, outros negócios poderão ser monitorados e os atuais terão a oportunidade de melhorar suas posições no ranking.

SOBRE A MERCY FOR ANIMALS

A MFA é uma das maiores organizações sem fins lucrativos do mundo dedicada ao fim da exploração animal em fazendas industriais e na indústria da pesca. Fundada há 21 anos nos EUA e presente no Brasil desde 2016, a Mercy For Animals atua em outros países da América Latina, no Canadá, na Índia e está expandindo operações no leste e sudeste asiático, para construir um sistema alimentar mais justo e sustentável.

Assuntos do Momento

23 de Junho de 2022
Mercado Interno

Mesmo com entrada de 2ª quinzena, preços no mercado de suínos sobem

Segundo pesquisadores do Cepea, no caso do animal vivo, esse movimento de reação é influenciado pela baixa disponibilidade de suíno em peso ideal para abate, pelo clima ameno e por eventos festivos que favorecem o consumo

CNA pede mais R$ 710 milhões em 2022 para subvenção de apólices da safra verão
23 de Junho de 2022
Seguro Rural

CNA pede mais R$ 710 milhões em 2022 para subvenção de apólices da safra verão

Segundo nota da entidade, o crédito extra é necessário para garantir a cobertura do plantio da próxima safra de verão 2022/23 

21 de Junho de 2022
Exportações

Exportações de carne suína diminuem, mas mercado interno dá sinais de ajuste de oferta

Veja o panorama completo do mercado interno e externo de suínos durante o mês de junho

Aumento da margem de carne suína na China pode beneficiar grandes indústrias, como JBS e BRF
23 de Junho de 2022
Mercado

Aumento da margem de carne suína na China pode beneficiar grandes indústrias, como JBS e BRF

Após a redução no rebanho que vinha ocorrendo em função da diminuição da margem de carne suína na China, maio foi o primeiro mês de aumento do rebanho em 2022

Produção global de carne suína em 2022
22 de Junho de 2022
Comentário Suíno

Produção global de carne suína em 2022

Por Osler Desouzart, CEO da ODConsulting

Cresce a demanda por carne de frango e suína em Posadas, na Argentina
23 de Junho de 2022
Argentina

Cresce a demanda por carne de frango e suína em Posadas, na Argentina

“No total mais ou menos nós argentinos consumimos 110 kg de carne por ano e agora caiu para 47 kg, segundo os últimos dados que são de 2021”, disse Mariela Bernardi, administradora do Mercado Concentrado Posadas.

Mais assuntos do momento
Utilizamos cookies para que você tenha a melhor experiência de navegação, para medir o tráfego, e para fins de marketing. Para mais informações, por favor visite nossa política de privacidade. Política de Privacidade