Alltech SI
Peste Suína Africana AveSui Inside Cooperativas Agroindústrias Bem - Estar Animal América Latina Comentário Suíno Economia Empresas Exportação Eventos e Cursos Genética Geral Insumos Manejo Meio Ambiente Mercado Externo Mercado Interno Nutrição Piscicultura Pesquisa e Desenvolvimento Processamento de Carne Sanidade Sustentabilidade Saúde Animal Tecnologia Revista Todos os Vídeos TV Gessulli no YouTube Edições Revista Digital Anuncie
Comentário

O Agro em Fevereiro: Alguns Efeitos do Coronavírus Podem Ajudar Exportações

Boletim Agro30: resumo do agro de fevereiro e os cinco pontos selecionados para março

 

Marcos Fava Neves

Marcos Fava Neves é Professor Titular da Faculdade de Administração da USP, Campus de Ribeirão Preto. Especialista em planejamento estratégico do agronegócio ([email protected]).

10-Mar-2020 16:06

Nossa análise deste mês fica mais focada no assunto do momento, a crise do Coronavírus, fato dominante na economia e no agro. A OCDE tem visão bem pessimista para a crise do Coronavírus. Acredita que o crescimento mundial deve cair para 2,4%, o menor desde 2009. Em 2021, voltaria a crescer 3,3%, desde que a epidemia seja controlada. Caso o vírus se espalhe mais rapidamente e aumente seus danos, o número pode recuar para 1,5%. A queda é puxada principalmente pela China, que veria seu crescimento em apenas 4,9%. Voltaria a crescer 6,4% em 2021. Para o Brasil a OCDE estima o crescimento em 1,7%.

Em fevereiro, segundo pesquisa da Caixin/Markit o índice de atividade industrial na China caiu 25% principalmente com as restrições de viagens e de produção, devido à queda de encomendas e fechamento de fábricas.

Além deste menor crescimento e provável menor consumo, o efeito disso para o agro foi que o Coronavírus impactou negativamente nos preços internacionais de algumas commodities. De acordo com o Valor Data, em fevereiro, a soja caiu 3,6%, o milho 2,5% e o algodão 4,5%.

Mas tem alguns aspectos que podem trazer até impacto positivo nas exportações em breve, que gostaria também de levantar. As limitações impostas à circulação de mercadorias na China devido ao Coronavírus prejudicaram as produções locais de frangos e de suínos. Ainda não se tem mais informações sobre a magnitude do problema, mas somado à crise de peste suína africana, esse fato pode ter afetado a oferta chinesa negativamente, tendo consumido estoques e acendendo o sinal para voltar a importar mais.

Do lado da demanda (comportamental), duas questões que havia levantado aqui no artigo de janeiro se verificaram. A primeira percebemos com a pesquisa feita em mil lares pela multinacional Kantar, na China, mostra os impactos no comportamento com a crise do Coronavírus. Foram submetidas 24 categorias de produtos e serviços e os respondentes tinham de dizer se aumentaram, reduziram ou mantiveram os gastos e o que pretendem fazer quando voltarem à rotina. Como era de se esperar, o setor de serviços, principalmente o de entretenimento e de turismo, sofreu queda de mais de 75%, bem como cosméticos e vestuário (ao redor de 60%). Os gastos com alimentos e bebidas cresceram em 40%.  As plataformas de comércio eletrônico foram as mais usadas nesse período para as entregas. Outro dado relevante ao agro é que, em 28% dos lares, tempo adicional foi usado para cozinhar mais.

Oitenta e quatro por cento dos lares compraram produtos on-line de forma inédita. Ao retomarem à vida normal, todos os setores devem ter crescimento, praticamente para os níveis anteriores à crise. Em 65% dos lares, os restaurantes serão o primeiro alvo pós “liberdade”. Ou seja, o alimento não foi cortado, e em alguns casos até houve aumento de consumo, o que pode estimular um quadro de aumento de importações.

Outro ponto que levantei em janeiro como hipótese de comportamento que se verificou foi a mudança de hábito de consumo de produtos exóticos (morcegos, cobras e outros) para carnes tradicionais e mais seguras. Aparentemente, isso pode ocorrer, inclusive, via exigência governamental na China, descolando demanda e abrindo espaço para mais importações. Temos que verificar essa hipótese com mais calma, mas acredito que ocorrerá.

E também não desprezar a força dos governos mundiais reduzindo juros (inclusive no Brasil deve cair mais) e estimulando a retomada da economia.

Do lado do Sul do planeta, o Governo Argentino aumentará as tarifas de exportação sobre a soja de 30 para 33%. A Argentina tem 6% das exportações mundiais. Volta-se à uma medida que se mostrou inadequada no passado.

No Brasil, o mais recente Boletim Focus traz o IPCA em 3,19% neste final de ano e 3,75% no final de 2021. O PIB fica em 2,17% (2020) e 2,5% (2021), o câmbio em R$/US$ 4,20 (2020) e R$/US$ 4,15 (2021) e a taxa Selic fecha 2020 em 4,25% e 2021 com 5,75%.

Sobre a nossa safra, o clima está ajudando e de acordo com o boletim de fevereiro da CONAB, a produção esperada de grãos para o período 2019/20 será de 251,1 milhões de toneladas, incremento de 3,8% em relação à anterior, totalizando 9,1 milhões de toneladas a mais. Para a área cultivada, a estimativa é de 64,8 milhões de hectares, 2,5% superior ao ciclo passado. Área com algodão deve crescer 5,3%, e com soja 2,6%. O milho primeira safra deve aumentar sua área em 3,4% (4,25 milhões de hectares) devido as boas cotações, produzindo 26,1 milhões de toneladas, enquanto que, na segunda safra, são esperados 73,2 milhões de toneladas e na terceira safra 1,16 milhões de toneladas, totalizando 100,5 milhões de toneladas, 0,4% superior à safra 2018/19.

As exportações do agro brasileiro somaram US$ 5,83 bilhões em janeiro de 2020, caindo 9,4% com relação ao período anterior (US$ 6,43 bilhões), segundo dados do MAPA. As vendas de carnes se mantiveram em níveis elevados, atingindo US$ 1,35 bilhão, crescimento de 30,9%; carne bovina vendeu US$ 631,5 milhões (+38,1%); carne de frango, US$ 522,0 milhões (+17,0%); e carne suína US$ 163,30 milhões (+79,9%). Produtos florestais tiveram redução de 33,8% chegando a US$ 947,38 milhões; o complexo soja caiu 30,9% com valor de US$ 878,46 milhões; o complexo sucroalcooleiro cresceu em 44,1% atingindo US$ 514,49 milhões.

Vale destacar as vendas de algodão que cresceram 144,2%, chegando à cifra de US$ 484,80 milhões. As importações do agro totalizaram US$ 1,24 bilhões, o que equivale a uma redução de 1,6%, deixando o Brasil com saldo positivo de US$ 4,61 bilhões na balança. Em janeiro, a China comprou US$ 1,510, praticamente 26% do total exportado pelo Brasil. Vamos aguardar fevereiro, que deve também registrar queda. Penso que teremos queda do primeiro trimestre do ano e forte recuperação no segundo.

Boas notícias com os preços do frete caíram de R$ 250 a R$ 300 por tonelada de grãos para cerca de R$ 200 com a pavimentação da BR 163. Segundo a ANT, em 2019, o fluxo médio foi de 2.500 caminhões por dia.

Para fechar, é importante monitorar de perto as PECs que caminham no Senado e na Câmara de se tributar com ICMS as exportações de produtos primários e semielaborados. As perdas com essas medidas seriam grandes no médio e longo prazo, diminuindo as exportações do Brasil. Fora as inseguranças jurídicas e, consequentemente, de investimentos que as mesmas geram. Precisam sair de pauta rapidamente e nos preocuparmos com o que interessa neste momento: reforma administrativa e reforma tributária. Ambas na direção de um Estado menor e um indivíduo mais empreendedor.

Os cinco fatos do agro para acompanhar agora diariamente em março são:

  • Os impactos do Coronavírus na economia mundial, na economia brasileira, no câmbio (a meu ver excessivamente desvalorizado) e nas exportações do agronegócio e os preços das commodities. Os impactos no consumo dos chineses principalmente, que este fato ocasionará ao substituir o consumo destas carnes exóticas pelas tradicionais que o Brasil exporta, e quais os efeitos de interrupção produtiva nas cadeias de frango e suínos da China. Penso que vem notícia boa aqui.
  • O comportamento do clima na segunda safra de milho. Acompanhar também o clima na Argentina. Não podemos ter qualquer problema com o milho.
  • China e Ásia: seguir as notícias dos impactos da peste suína africana na produção da Ásia nos preços e quantidades de carnes importadas do Brasil. Assunto que ficou meio esquecido com a crise do Coronavírus, mas segue sendo um problema.
  • Anúncios de avanços no acordo comercial China e EUA e pressão nos preços dos nossos produtos.
  • O andamento da agenda de reformas no Brasil, com a retomada o crescimento e seus impactos ao agro e ao câmbio e as crises criadas pelas comunicações desnecessárias em parte de nossos gestores. E cuidados com tributos adicionais.
     

Bom mês a todos!  

Assuntos do Momento

População da Coreia do sul paga 20% a mais pela carne suína em meio ao aumento dos custos dos grãos
23 de Maio de 2022
Mercado Externo

População da Coreia do sul paga 20% a mais pela carne suína em meio ao aumento dos custos dos grãos

A inflação ao consumidor da Coreia do Sul acelerou muito mais do que o previsto e atingiu uma alta de mais de 13 anos em abril

Exportações de carne suína somam US$ 78,4 mil na parcial de maio
20 de Maio de 2022
Balança Comercial

Exportações de carne suína somam US$ 78,4 mil na parcial de maio

Em comparação com o mesmo período de 2021 valor por média diária é 30,8% menor. Valor pago por tonelada embarcada também apresenta queda

Em Honduras, importação de carne suína aumenta mais de 50%
25 de Maio de 2022
Mercado Externo

Em Honduras, importação de carne suína aumenta mais de 50%

A indústria de transformação e os fabricantes de embutidos preveem alta de preços para o segundo semestre devido ao aumento dos custos de produção

Média de preço da carne suína na parcial de maio está acima da de abril
26 de Maio de 2022
Mercado Interno

Média de preço da carne suína na parcial de maio está acima da de abril

Segundo pesquisadores do Cepea, no geral, os valores do produto negociado no atacado da Grande São Paulo iniciaram este mês em forte elevação, influenciados pelas aquecidas demandas interna e externa

Bacon e frango não ficarão mais baratos tão cedo
23 de Maio de 2022
Mercado Global

Bacon e frango não ficarão mais baratos tão cedo

Produtores em todo o mundo com mais de 40 bilhões de porcos, vacas, búfalos, ovelhas, cabras e aves enfrentam preços quase recordes para ração animal

25 de Maio de 2022
Mercado Externo

Produção de carne suína da União Europeia cai no início de 2022

Nos dois primeiros meses do ano, o bloco produziu 3,8 milhões de toneladas de carne suína, 3% menos do que no ano anterior, com 40,5 milhões de suínos abatidos, uma queda de 2%

Mais assuntos do momento
Utilizamos cookies para que você tenha a melhor experiência de navegação, para medir o tráfego, e para fins de marketing. Para mais informações, por favor visite nossa política de privacidade. Política de Privacidade