Peste Suína Africana AveSui Inside Cooperativas Agroindústrias Bem - Estar Animal América Latina Comentário Suíno Economia Empresas Exportação Eventos e Cursos Genética Geral Insumos Manejo Meio Ambiente Mercado Externo Mercado Interno Nutrição Piscicultura Pesquisa e Desenvolvimento Processamento de Carne Sanidade Sustentabilidade Saúde Animal Tecnologia Revista Todos os Vídeos TV Gessulli no YouTube Edições Revista Digital Anuncie
Comentário

Os impactos da guerra Rússia x Ucrânia para os produtores brasileiros

A agricultura nacional possui uma grande dependência da importação de fertilizantes, cerca de 80% dos fertilizantes utilizados em nosso país são de origem estrangeira

Bruno Fonseca

Analista Sênior de Pesquisa e Análise Setorial para o mercado de insumos do Rabobank Brasil

29-Mar-2022 17:18 - Atualizado em 29/03/2022 17:30

O agronegócio brasileiro tem enfrentado cenários desafiadores desde o ano passado. Agora, no início de 2022, o conflito no leste europeu, com a invasão da Rússia na Ucrânia trouxe, no primeiro momento, um impacto em relação aos preços dos fertilizantes. Com os custos de produção mais altos, os produtores já estão em busca de alternativas para atender os consumidores, que já começam a sentir nas refeições diárias.

Para se ter uma ideia de volume, apenas em 2021, o Brasil importou 9,3 milhões de toneladas de fertilizantes da Rússia para a produção agrícola nacional, sendo o nosso maior fornecedor do insumo com 23% do total das 41 milhões de toneladas. A agricultura nacional possui uma grande dependência da importação de fertilizantes, cerca de 80% dos fertilizantes utilizados em nosso país são de origem estrangeira.

O principal fator que explica o país  ter uma alta taxa de importação e, na situação atual obriga as entidades agrícolas a buscarem alternativas, é a carência em nutrientes dos solos brasileiros, elementos essenciais para o cultivo dos fertilizantes, como o potássio, que o volume importado representa 98% do consumo nacional, além do nitrato de amônio, que é um nutriente igualmente essencial e fornecido em sua quase totalidade apenas pela Rússia.

O real impacto deve ser sentido no segundo semestre deste ano pelos produtores, que estarão em fase de compras para a próxima safra. Esse grupo terá que lidar com um maior custo de produção, caso as cotações se estendam para o mercado físico e dependendo do tempo de duração da guerra, sentindo diretamente os riscos de abastecimento e efeitos negativos nos preços.

Commodities como soja e milho dependem em grande parte do fornecimento de matérias-primas para fertilizantes utilizados nas lavouras. Em 2022, a soja deve render US$ 47,5 bilhões em exportações, segundo a Associação Brasileira das Indústrias de Óleos Vegetais. ??Com isso, espera-se  que a guerra impacte ainda mais no valor dos alimentos ao redor do mundo.

Alternativas para os produtores

O cenário de crise oferece também oportunidades para o produtor brasileiro buscar alternativas aos fertilizantes tradicionais. Há, hoje, algumas opções disponíveis que podem substituir parcialmente os fertilizantes utilizados, como

  • Inoculantes, com microrganismos capazes de desempenhar atividades benéficas para o desenvolvimento das safras. No Brasil,  já é bastante comum na cultura da soja e a aplicação pode suprir as necessidades de nitrogênio das culturas.
  • Organominerais, que apresentam maior concentração de nutrientes por se tratar de um produto mais estável e uniforme.
  • O pó de rocha pode trazer benefícios como aumento da  fertilidade, tornando o solo mais produtivo e reduzindo custos de produção.
  • Por um período mais curto, também é possível analisar o solo e utilizar somente os nutrientes necessários, colocando menos fertilizantes para as próximas safras.

O contexto atual é extremamente desafiador e, por isso, o planejamento é ainda mais importante para que os produtores possam encontrar as melhores soluções para suas culturas.  Ao mesmo tempo, o momento abre novas possibilidades e olhares para o setor de fertilizantes brasileiro e para os formatos atuais, que tendem a sofrer uma transformação nos próximos meses.

Assuntos do Momento

Colheita de soja na Argentina alcança 64,9% da área apta; de milho atinge 25,8%
13 de Maio de 2022
América Latina

Colheita de soja na Argentina alcança 64,9% da área apta; de milho atinge 25,8%

O rendimento médio nacional está em 3.010 quilos por hectare, e a estimativa de produção foi mantida em 42 milhões de toneladas. 

Com a chegada da frente fria, valor do milho sobe e deixa produtores em alerta no Brasil
16 de Maio de 2022
Insumos

Com a chegada da frente fria, valor do milho sobe e deixa produtores em alerta no Brasil

Os valores do milho voltaram a subir na semana passada, interrompendo, portanto, o movimento de queda diária consecutiva que vinha sendo verificado desde o encerramento de abril

Estimativa da Anec para exportação de soja em maio aumenta para 11,4 mi de toneladas e de milho para 1,2 mi de toneladas
18 de Maio de 2022
Insumos

Estimativa da Anec para exportação de soja em maio aumenta para 11,4 mi de toneladas e de milho para 1,2 mi de toneladas

A previsão é de que sejam enviados 11,483 milhões de toneladas de soja em grãos, ante as 10,615 milhões de toneladas projetadas na semana passada. 

Exportação da soja paraense cresce 124%; alimentação de suínos na China é principal destino
17 de Maio de 2022
Exportações

Exportação da soja paraense cresce 124%; alimentação de suínos na China é principal destino

Percentual de crescimento é um comparativo do período de janeiro abril de 2022 ao mesmo quadrimestre do ano passado

Valorização do dólar aumenta preço da soja no Brasil
16 de Maio de 2022
Insumos

Valorização do dólar aumenta preço da soja no Brasil

Segundo pesquisadores do Cepea, a valorização do dólar frente ao Real atraiu importadores para o Brasil, resultando em aumentos no prêmio de exportação e nos preços domésticos da soja

BRF lança projeto piloto para reaproveitamento de resíduos em filiais de grãos
12 de Maio de 2022
ESG

BRF lança projeto piloto para reaproveitamento de resíduos em filiais de grãos

Iniciativa está em sintonia com a agenda ESG da Companhia e com seu compromisso de gestão sustentável da cadeia

Mais assuntos do momento
Utilizamos cookies para que você tenha a melhor experiência de navegação, para medir o tráfego, e para fins de marketing. Para mais informações, por favor visite nossa política de privacidade. Política de Privacidade