Guia Gessulli
29-Ago-2016 09:30
Santa Catarina

Para reduzir custos, suinocultores apostam em enzimas

Suinocultores catarinenses encontraram nas enzimas uma forma de tentar superar a crise do milho. Com isso, é reduzida a quantidade de ração que os animais precisam comer. Atualmente, produzir um quilo de suíno está mais caro do que o preço pago ao suinocultor, como mostrou o Bom Dia Santa Catarina desta sexta-feira (26/08).

A alimentação representa 70% dos custos de produção na suinocultura. Por isso, produtores e cooperativas têm investido em tecnologia para tentar reduzir os custos. Uma das alternativas encontradas é o uso de enzimas, que são suplementos que passaram a fazer parte da dieta dos animais.

Em uma propriedade de Campos Novos, no Oeste, com 2,2 mil suínos, a primeira tentativa para diminuir a dependência do milho e da soja foi usar o trigo na alimentação. Porém, os resultados não agradaram. Então, a cooperativa adotou a suplementação da dieta com as enzimas. A quantidade de ração diminuiu, o que reduziu os custos sem perder qualidade.

"A enzima entra justamente para melhorar a digestibilidade, melhorar a absorção", explicou o médico-veterinário Marcelo Bresola.

Alto custo

Na semana passada, as agroindústrias reajustaram em R$ 0,10 o preço pago pelo quilo do suíno. Mas isso praticamente não fez diferença para o produtor. Isso porque o valor pago pelo quilo está em R$ 3,30 e o custo para produzir chega a R$ 3,80.

"Faz mais de um ano que está desse jeito. Está cada vez piorando mais", lamentou o suinocultor Alecir Toigo.

G1/SC
Deixe seu Recado