Rainha da Paz
Peste Suína Africana AveSui Inside Cooperativas Agroindústrias Bem - Estar Animal América Latina Comentário Suíno Economia Empresas Exportação Eventos e Cursos Genética Geral Insumos Manejo Meio Ambiente Mercado Externo Mercado Interno Nutrição Piscicultura Pesquisa e Desenvolvimento Processamento de Carne Sanidade Sustentabilidade Saúde Animal Tecnologia Revista Todos os Vídeos TV Gessulli no YouTube Edições Revista Digital Anuncie
Mercado

Paraná poderá ter acesso irrestrito ao mercado mundial de carnes

A abertura do mercado mundial vai ser o impulso que o Paraná precisava para assumir a liderança na suinocultura

Redação com informações de Gazeta do Povo
28-Abr-2021 09:10 - Atualizado em 28/04/2021 09:22

O Paraná poderá ter acesso irrestrito ao mercado mundial de carnes a partir dos próximos meses. No dia 27 de maio, a Organização Mundial de Saúde Animal (OIE) deve formalizar o reconhecimento do estado como território livre de febre aftosa sem vacinação. Tão logo a decisão seja anunciada, abre-se a possibilidade de exportação para importantes destinos, como Japão, Coreia do Sul e México, países que hoje o Paraná não acessa por causa da restrição sanitária.

O impacto comercial de curto prazo será sobre o mercado de carne suína, no qual o Paraná é mais expressivo. Mas, no médio e longo prazo pode repercutir também em carne bovina e lácteos. A febre aftosa é uma doença infecciosa e uma das mais graves e contagiosas que atinge bovinos, ovinos, caprinos, suínos e ruminantes selvagens, causando grandes prejuízos à pecuária. A doença não é transmitida pelo consumo de carne e lácteos e não representa risco para a saúde humana.

“O reconhecimento internacional significa que mudamos de patamar sanitário no mundo e serve como um passaporte. Se não temos esse passaporte, não conseguimos nem conversar com Japão e Coreia do Sul, por exemplo”, afirma Norberto Ortigara, secretário da Agricultura e do Abastecimento do Paraná. “Superamos a questão sanitária, agora é preciso trabalhar na estratégia comercial para conquistar esses mercados”, pontua.

Outra decisão da OIE, esperada para a mesma conferência, é o reconhecimento do Paraná como um bloco independente no que se refere à peste suína clássica. A doença já está superada, porém, pela classificação do organismo internacional, o Paraná integra um bloco de 14 estados brasileiros. “Isso significa que se qualquer outro estado tem um foco da doença, o Paraná acaba sendo prejudicado podendo ter restrições de acesso ao mercado mundial”, observa o secretário. "Por isso, pleiteamos essa independência do território paranaense em relação aos demais estados", explica.

 

Setor investe em novos frigoríficos

De olho na expansão do mercado que virá com o novo status sanitário, a Frimesa Cooperativa Central já está investindo em mais um frigorífico. A nova planta, prevista para ser concluída em dezembro de 2022, vai dobrar a capacidade atual de abate, chegando a 15 mil suínos por dia.

“Hoje, 20% da nossa produção é destinada ao mercado externo. A partir do reconhecimento da OIE, vamos destinar 30% do que produzimos para o exterior”, informa Elias Zydek, diretor presidente da Frimesa, maior empresa paranaense de abate e processamento de suínos, com plantas industriais em Medianeira e Marechal Cândido Rondon, no oeste paranaense.

Segundo Zydek, o Paraná já exporta carne suína, mas para mercados menores como Singapura, Hong Kong, Vietnã, África do Sul, Uruguai e Argentina. “O mercado mundial é de 10 milhões de toneladas por ano, mas temos acesso a apenas 40% desse total”, informa.

“A abertura do mercado mundial vai ser o impulso que o Paraná precisava para assumir a liderança na suinocultura”, acredita Robson Mafioletti, superintendente da Organização das Cooperativas do Paraná (Ocepar). Segundo ele, além da Frimesa, outras cooperativas também já estão investindo em novas plantas. O Paraná hoje é o segundo produtor nacional de suínos, ficando atrás de Santa Catarina.

Assuntos do Momento

11 de Maio de 2021
Mercado

Produção de suínos na China deve crescer 19% em 2021

Segundo Ministério da Agricultura e Assuntos Rurais da China (MARA), a expansão agressiva da capacidade de fazendas de grande escala em 2020 gerou um aumento estimado no abate de suínos para a China

Novos recursos na economia beneficiam o consumo de suínos
10 de Maio de 2021
Economia

Novos recursos na economia beneficiam o consumo de suínos

No momento, restam ainda mais de R$ 9 bilhões em recursos para serem contratados no Plano Safra 2020/2021

Análise de Mercado - Frango em alta e preço do suíno cai em três estados
10 de Maio de 2021
Mercado

Análise de Mercado - Frango em alta e preço do suíno cai em três estados

Entre os dias 03 e 07 de maio, o preço do frango vivo eleva sua cotação, com exceção de MG que mantém o valor estável. Suíno vivo teve queda de 1,11% em SC, 2,54% no PR e 2,12% no RS

Disponible en español Disponible en español
Na Colômbia carne de porco começa a faltar nos lares
11 de Maio de 2021
América Latina

Na Colômbia carne de porco começa a faltar nos lares

A produção diária na Colômbia é de 1.300 toneladas de carne suína e devido aos efeitos da greve nacional, 720 toneladas / dia deixaram de ser produzidas e comercializadas

Preços do suíno vivo e da carne se enfraquecem, aponta Cepea
13 de Maio de 2021
Mercado

Preços do suíno vivo e da carne se enfraquecem, aponta Cepea

Segundo estudos, a venda de carne no mercado doméstico está enfraquecida

Disponible en español Disponible en español
Greve Nacional na Colômbia com risco de desnutrição em fazendas de suínos
13 de Maio de 2021
Sanidade

Greve Nacional na Colômbia com risco de desnutrição em fazendas de suínos

O presidente da PorkColombia afirmou que em algumas fazendas do país estão contando as horas para iniciar o abate em massa porque não há comida para os porcos

Mais assuntos do momento
Utilizamos cookies para que você tenha a melhor experiência de navegação, para medir o tráfego, e para fins de marketing. Para mais informações, por favor visite nossa política de privacidade. Política de Privacidade