Guia Gessulli
Peste Suína Africana AveSui Inside Cooperativas Agroindústrias Bem - Estar Animal América Latina Comentário Suíno Economia Empresas Exportação Eventos e Cursos Genética Geral Insumos Manejo Meio Ambiente Mercado Externo Mercado Interno Nutrição Piscicultura Pesquisa e Desenvolvimento Processamento de Carne Sanidade Sustentabilidade Saúde Animal Tecnologia Revista Todos os Vídeos TV Gessulli no YouTube Edições Revista Digital Anuncie
Exportação

Pecuária Brasil mira bem-estar animal e carne baixo carbono em 2021

Serviço Brasileiro de Certificações (SBC) aposta em novos protocolos, apoia novo momento do Sisbov e analisa a produção e exportação de carne bovina

Redação
20-Abr-2021 15:19 - Atualizado em 20/04/2021 15:43

Qualidade da carne, boas práticas agropecuárias e sustentabilidade produtiva e ambiental das fazendas. Estes são os três grandes desafios da cadeia produtiva da carne bovina brasileira em 2021. As exportações da proteína fecharam o primeiro trimestre do ano com bons resultados. Foram embarcadas 384 mil toneladas, que renderam quase US$ 1,8 bilhão. Números próximos aos obtidos no mesmo período do ano passado. Em 2020, o País embarcou por volta de dois milhões de toneladas. Mais da metade para China e Hong Kong. E faturou US$ 8,5 bilhões. “As exportações em 2021 podem ser semelhantes ao ano passado, porém o volume talvez não seja tão expressivo. Vai depender bastante do tamanho da venda para a China, em razão de uma esperada distensão nas relações comerciais entre aquele país e os Estados Unidos. E dos reflexos que ainda são sentidos na produção das granjas chinesas por causa da Peste Suína Africana (PSA)”, analisa Sérgio Ribas Moreira, Diretor do Serviço Brasileiro de Certificações (SBC), empresa líder no protocolo do Sistema Brasileiro de Identificação de Bovinos e Bubalinos (Sisbov), que atua com 40% do mercado brasileiro de propriedades certificadas, incluindo grandes projetos pecuários e renomadas empresas do setor. Já o mercado europeu, um dos mais exigentes do planeta, que vinha comprando aproximadamente 120 mil toneladas, esfriou suas aquisições desde o início da pandemia. Nos primeiros três meses de 2021, importou a quantia de aproximadamente 20 mil toneladas. “O problema do mercado europeu é que ele está obstruído momentaneamente pelo lockdown na maioria dos países desse bloco, mas, quando o food service voltar à normalidade, provavelmente uma boa demanda por nossa carne voltará a aparecer. E o Brasil terá condições de atender na plenitude”, aponta Sérgio Ribas, reforçando a importância de mostrar ao pecuarista o prêmio direto oferecido pelo mercado europeu e os benefícios para a gestão do negócio. “Quem sair do Sisbov, vai demorar pelo menos seis meses para poder retornar. E vai perder muitas oportunidades. É mais prudente aguardar a retomada”, alerta.

E o Sisbov vive um novo momento exatamente agora, com a Confederação Nacional de Agricultura e Pecuária (CNA) assumindo novas ações na gestão do Sistema, que é considerado o maior banco de identificação individual de bovinos do mundo. Valorizando os negócios em toda a cadeia e ganhando mais confiança dos consumidores nacionais e do exterior. “Participamos ativamente dessa nova e importante etapa do processo de informações do sistema porque acreditamos no Sisbov. E vamos aproveitar a boa demanda que normalmente ocorre agora neste semestre, durante o primeiro giro dos confinamentos, para atender os nossos clientes, conseguir novas adesões e ajudar a cadeia a profissionalizar cada vez mais a atividade no sentido de garantir produção de valor, com origem e sempre buscando a abertura de novos mercados”, reforça Sérgio Ribas.

Pois é justamente a preocupação com a qualidade da produção, dos rebanhos e do meio ambiente que está norteando os desafios do SBC em 2021. A empresa prepara o lançamento da certificação do Bem-Estar Animal, depois de se tornar a primeira certificadora brasileira a integrar o ‘Welfare Quality Network’, grupo composto por professores e pesquisadores de universidades e institutos de pesquisa da Europa que criou uma metodologia de avaliação de BEA nos sistemas de produção comercial, focada na observação dos animais e nos sinais que eles apresentam de conforto ou estresse. O SBC espera conseguir realizar o treinamento dos auditores nos próximos meses. E também vai reforçar as ações na área de inventários de rebanhos e estudar um mergulho profundo no selo envolvendo o mercado de baixo carbono na Pecuária. “Acredito bastante nessas certificações, elas vão abrir muitas portas, inclusive no mercado interno. Os consumidores estão cada vez mais preocupados com esses temas. A certificação desse novo selo de bem-estar está na dependência de alguns trâmites envolvendo viagens ao exterior, o que deve ocorrer assim que a situação da pandemia melhorar. Quanto ao carbono, a Embrapa está em processo final do protocolo ‘Carne Baixo Carbono (CBC)’ para dar seguimento à certificação de terceira parte. O mundo está de olho na pegada de carbono”, reflete o Diretor do SBC Certificações.

De volta ao front interno, Sérgio acredita que 2021 ainda vai ter os altos e baixos de uma pecuária que passa pela escassez na oferta de animais terminados e a valorização crescente da cria. “A oferta de animais para a indústria no Brasil vai permanecer baixa. Houve forte abate de fêmeas e vacas nos últimos anos. O mercado é reflexo da oferta de bovinos aos frigoríficos. Está certo que diminuiu o consumo de carne bovina por habitante no Brasil, mas, por outro lado, as vendas externas aumentaram. Um dos motivos pelo qual a produção total de carne bovina teve uma vazão. Enquanto isso, outros parâmetros ganham destaque, como controles sanitários na produção, melhorias na qualidade da carne, origem e rastreabilidade do alimento e avaliação de fornecedores de fazendas, entre outros. O SBC trabalha nesse sentido, sempre com o objetivo de atender os clientes da cadeia e ajudar o consumidor brasileiro e estrangeiro”, conclui o executivo do Serviço Brasileiro de Certificações.

Assuntos do Momento

11 de Maio de 2021
Mercado

Produção de suínos na China deve crescer 19% em 2021

Segundo Ministério da Agricultura e Assuntos Rurais da China (MARA), a expansão agressiva da capacidade de fazendas de grande escala em 2020 gerou um aumento estimado no abate de suínos para a China

Novos recursos na economia beneficiam o consumo de suínos
10 de Maio de 2021
Economia

Novos recursos na economia beneficiam o consumo de suínos

No momento, restam ainda mais de R$ 9 bilhões em recursos para serem contratados no Plano Safra 2020/2021

Análise de Mercado - Frango em alta e preço do suíno cai em três estados
10 de Maio de 2021
Mercado

Análise de Mercado - Frango em alta e preço do suíno cai em três estados

Entre os dias 03 e 07 de maio, o preço do frango vivo eleva sua cotação, com exceção de MG que mantém o valor estável. Suíno vivo teve queda de 1,11% em SC, 2,54% no PR e 2,12% no RS

Disponible en español Disponible en español
Na Colômbia carne de porco começa a faltar nos lares
11 de Maio de 2021
América Latina

Na Colômbia carne de porco começa a faltar nos lares

A produção diária na Colômbia é de 1.300 toneladas de carne suína e devido aos efeitos da greve nacional, 720 toneladas / dia deixaram de ser produzidas e comercializadas

Preços do suíno vivo e da carne se enfraquecem, aponta Cepea
13 de Maio de 2021
Mercado

Preços do suíno vivo e da carne se enfraquecem, aponta Cepea

Segundo estudos, a venda de carne no mercado doméstico está enfraquecida

Disponible en español Disponible en español
Greve Nacional na Colômbia com risco de desnutrição em fazendas de suínos
13 de Maio de 2021
Sanidade

Greve Nacional na Colômbia com risco de desnutrição em fazendas de suínos

O presidente da PorkColombia afirmou que em algumas fazendas do país estão contando as horas para iniciar o abate em massa porque não há comida para os porcos

Mais assuntos do momento
Utilizamos cookies para que você tenha a melhor experiência de navegação, para medir o tráfego, e para fins de marketing. Para mais informações, por favor visite nossa política de privacidade. Política de Privacidade