Guia Gessulli
Peste Suína Africana AveSui Inside Cooperativas Agroindústrias Bem - Estar Animal América Latina Comentário Suíno Economia Empresas Exportação Eventos e Cursos Genética Geral Insumos Manejo Meio Ambiente Mercado Externo Mercado Interno Nutrição Piscicultura Pesquisa e Desenvolvimento Processamento de Carne Sanidade Sustentabilidade Saúde Animal Tecnologia Revista Todos os Vídeos TV Gessulli no YouTube Edições Revista Digital Anuncie
Sanidade

Peste Suína Africana ameaça China novamente

Argentina não poderia apenas exportar mais carne suína, mas todos os tipos de carne animal.

Redação com informações de Página 12
26-Abr-2021 08:43 - Atualizado em 26/04/2021 08:56

A peste suína africana (PSA) que reduziu em 50% o estoque de suínos na China nos últimos anos, ameaçando um surto naquele país por meio de novas variantes do vírus. Como se não bastasse uma pandemia, a PSA, que é preciso esclarecer, não atinge os seres humanos e que parecia um problema superado pela China, o primeiro consumidor mundial de carne suína, espreita novamente. Nas últimas semanas, vozes de alerta foram levantadas. 

Dificuldades de produção na China alimentam oportunidades em outros países, como a Argentina. Isso não implica apenas em maior potencial de vendas de carne suína, mas de todos os tipos de carne animal, incluindo a carne bovina, o que é positivo para o país em termos de câmbio, mas também pressiona a inflação local, observada nos últimos meses.

A produção global de carne suína é estimada em cerca de 100 milhões de toneladas, abaixo da produção de carne de frango (136 milhões de toneladas) e acima da carne bovina (72 milhões de toneladas). O mercado é dominado pela China, principal produtor, com quase 40% do total, cerca de 40 milhões de toneladas por ano. É seguido pelos Estados Unidos, Alemanha, Espanha, Brasil, Rússia, Vietnã e Canadá. 

O nível de produção mundial vem sofrendo um retrocesso nos últimos dois anos. Essa queda é explicada pelo impacto da peste suína africana (PSA) na China. A PSA não afeta humanos, mas é muito prejudicial para o gado. Nos últimos anos, reduziu drasticamente a produção na China e também complicou o setor de suínos na Europa.

Apesar de o problema da PSA parecer resolvido, o atraso lógico na recomposição do suíno e a convicção por parte da China da necessidade de diversificar o risco com a realocação da produção impulsionam as importações. As novas dificuldades que surgem com o PSA estão montadas nesse processo.

A informação que vem do gigante asiático indica que o preço interno da carne suína naquele país tem o menor valor em um ano e meio, embora ainda esteja bem acima dos valores anteriores a 2019. Nas últimas semanas houve relatos em áreas do norte da China onde os produtores tiveram que abater 20 por cento da prole de suínos devido ao surto de PSA, informou a Reuters. Entre as causas do recrescimento, é feita menção a "um inverno excepcionalmente frio, uma alta densidade de porcos após um ano de recomposição de estoques e novas cepas de febre africana". A agência Moody's também alertou sobre o surto.

Os graves problemas de abastecimento da carne suína, que é a carne mais consumida no mercado interno chinês de 1,4 bilhão de pessoas, pressionaram as importações de carnes de todos os destinos possíveis. No caso da Argentina, as exportações de carne bovina melhoraram notavelmente: 29 por cento da produção nacional de carnes foi exportada em 2020, um recorde de cerca de 917 mil toneladas, das quais metade foi para a China, cujas compras aumentaram dez vezes em relação a 2015. Em fevereiro passado foram exportadas 45 mil toneladas de peso do produto, ” o melhor fevereiro em décadas ", dizem no setor, dos quais 75% foram para a China. Ao mesmo tempo, a pressão das exportações sobre a produção local elevou os preços domésticos da carne bovina. Na verdade, o governo considera que é um dos eixos de alta da inflação nos últimos tempos. 

Na carne suína, a produção local dobrou nos últimos dez anos e cerca de 700 mil toneladas são produzidas anualmente. Assim, a Argentina está bem abaixo da Alemanha (4,9 milhões de toneladas), Espanha (4,2), França (2,0) e Dinamarca (1,5 milhão) com maior área e disponibilidade de grãos. É por isso que a China busca investir na produção por meio do famoso acordo que veremos por enquanto. Desse acordo, cerca de 900 mil toneladas de produção por ano poderiam ser incorporadas em grandes fazendas destinadas ao mercado externo.

Assuntos do Momento

11 de Maio de 2021
Mercado

Produção de suínos na China deve crescer 19% em 2021

Segundo Ministério da Agricultura e Assuntos Rurais da China (MARA), a expansão agressiva da capacidade de fazendas de grande escala em 2020 gerou um aumento estimado no abate de suínos para a China

Novos recursos na economia beneficiam o consumo de suínos
10 de Maio de 2021
Economia

Novos recursos na economia beneficiam o consumo de suínos

No momento, restam ainda mais de R$ 9 bilhões em recursos para serem contratados no Plano Safra 2020/2021

Análise de Mercado - Frango em alta e preço do suíno cai em três estados
10 de Maio de 2021
Mercado

Análise de Mercado - Frango em alta e preço do suíno cai em três estados

Entre os dias 03 e 07 de maio, o preço do frango vivo eleva sua cotação, com exceção de MG que mantém o valor estável. Suíno vivo teve queda de 1,11% em SC, 2,54% no PR e 2,12% no RS

Disponible en español Disponible en español
Na Colômbia carne de porco começa a faltar nos lares
11 de Maio de 2021
América Latina

Na Colômbia carne de porco começa a faltar nos lares

A produção diária na Colômbia é de 1.300 toneladas de carne suína e devido aos efeitos da greve nacional, 720 toneladas / dia deixaram de ser produzidas e comercializadas

Preços do suíno vivo e da carne se enfraquecem, aponta Cepea
13 de Maio de 2021
Mercado

Preços do suíno vivo e da carne se enfraquecem, aponta Cepea

Segundo estudos, a venda de carne no mercado doméstico está enfraquecida

Disponible en español Disponible en español
Greve Nacional na Colômbia com risco de desnutrição em fazendas de suínos
13 de Maio de 2021
Sanidade

Greve Nacional na Colômbia com risco de desnutrição em fazendas de suínos

O presidente da PorkColombia afirmou que em algumas fazendas do país estão contando as horas para iniciar o abate em massa porque não há comida para os porcos

Mais assuntos do momento
Utilizamos cookies para que você tenha a melhor experiência de navegação, para medir o tráfego, e para fins de marketing. Para mais informações, por favor visite nossa política de privacidade. Política de Privacidade