Guia Gessulli
29-Nov-2018 09:47
Rabobank

Peste Suina Africana e seu impacto no mercado global de carnes

O Rabobank apresentou três cenários para considerar possíveis impactos futuros da doença na produção de carne suína chinesa.

A Peste Suína Africana (PSA) continua a se espalhar pela China. A maioria dos casos ocorre em fazendas de pequeno porte, mas  tem atingido também  fazendas de maior escala. Dado o tamanho da produção e a estrutura fragmentada, será um grande desafio para a China controlar a disseminação da doença no próximo ano.

Embora o abate de suínos em consequência de uma infecção não seja significativo no contexto da população total de suínos, a proibição no transporte de suínos vivos é a maior causa da volatilidade do mercado. Em 12 de setembro, as autoridades chinesas proibiram o transporte de suínos vivos em províncias com surtos de PSA e nas províncias vizinhas. Como consequência, grandes diferenças regionais de preços se abriram entre as regiões com excesso de suínos e deficitárias. Além disso, a demanda de carne suína está diminuindo. Acredita-se que mercados específicos, como restaurantes para grupos, tenham diminuído o consumo de carne suína em consequencia das preocupações com a segurança alimentar.

O Rabobank apresenta três cenários para considerar possíveis impactos futuros da PSA na produção de carne suína chinesa. Incluem quedas na produção de 2% -4% (1m-2,1m toneladas), 6% -8% (3.1m-4.2m toneladas) e 10% -15% (5.3m-7.9m toneladas), dependendo como a política da China evoluir. O consumo de carne suína também deve cair em cada cenário, mas não tanto quanto a produção. O menor consumo reflete a alta nos preços, escassez de oferta e considerações de segurança alimentar dos consumidores. Em cada cenário, espera-se que os exportadores existentes - UE, Canadá e Brasil - forneçam mais carne suína à China em 2019. Mas quanto mais depende da respectiva oferta doméstica e competitividade de preços no mercado global?

Em 2019, a União Europeia poderia mobilizar mais de dois milhões de toneladas, incluindo miudezas de porco, para abastecer a China. Mas isso ocorrerá em detrimento das exportações para outros mercados, desde que os preços dos embarques para a China sejam atraentes.

As exportações brasileiras de carne suína para a China aumentaram em 247% nos primeiros dez meses de 2018, para 132.900 toneladas, devido à ampla oferta após o fechamento do comércio com a Rússia. A produção suína no Brasil pode subir entre 4% e 5% em 2019, o que significa que o Brasil poderia aumentar as exportações para China em mais de 60% passando para 256.000 toneladas. A China também deve recorrer aos EUA para mais importações de suínos, se o preço em outras regiões aumenta para superar as  diferenças de preços e tarifas. Desde o primeiro surto relatado da PSA na China, os mercados dos EUA se ajustaram gradualmente para refletir o potencial comercial positivo, apesar da grande incerteza.

Europa – Impacto limitado

Na Europa, a PSA continua difundida no leste. As fronteiras "abertas" com Ucrânia e a Bielorrússia tornam extremamente difícil erradicar esta região. O surto belga foi controlado, com todos os casos contidos na zona restrita. Até agora, o impacto permanece limitado para a Europa, pois os países infectados não são produtores-chave ou exportadores-chave.

Oportunidades para outras carnes

Uma queda no consumo de carne suína dará origem a aumentos em outras proteínas animais, incluindo ovo, aves, carne bovina, carne de carneiro e frutos do mar. Aves de capoeira provavelmente se beneficiarão mais. Isso porque as aves de capoeira já são o principal substituto da carne suína, particularmente no processamento e restauração de carne, e também porque a carne de aves é amplamente inserida em todos os grupos de consumidores na China.

Embora a carne bovina não seja um substituto importante para a carne suína, a escassez de oferta de carne suína na China provavelmente também aumentará o consumo de carne bovina. Em particular, o consumo de carne fresca nos mercados de varejo, onde os consumidores tendem a mudar mais prontamente para a carne bovina, tanto do ponto de vista da negociação quanto da segurança alimentar. Com a produção de carne bovina na China estagnada por anos, o aumento do consumo de carne bovina exigirá que a participação das importações de carne bovina suba ano a ano. Nos primeiros nove meses de 2018, as importações oficiais de carne bovina da China aumentaram 40% ao ano. O Rabobank espera ver isso forte crescimento continua em 2019. Todos os principais exportadores, incluindo países da América do Sul, Austrália, Nova Zelândia e alguns países europeus, se beneficiarão da demanda mais forte da China em 2019.

Redação
Deixe seu Recado