Agroceres Multimix SI
Peste Suína Africana AveSui Inside Cooperativas Agroindústrias Bem - Estar Animal América Latina Comentário Suíno Economia Empresas Exportação Eventos e Cursos Genética Geral Insumos Manejo Meio Ambiente Mercado Externo Mercado Interno Nutrição Piscicultura Pesquisa e Desenvolvimento Processamento de Carne Sanidade Sustentabilidade Saúde Animal Tecnologia Revista Todos os Vídeos TV Gessulli no YouTube Edições Revista Digital Anuncie
Oferta e demanda

Poder de compra em fertilizantes caiu em dezembro, diz Mosaic

Movimento deveu-se ao desajuste entre oferta e demanda e a uma ligeira queda, em dólar, dos preços de commodities agrícolas no período

Redação com informações de Valor Econômico
11-Jan-2022 15:21

O Índice de Poder de Compra de Fertilizantes, divulgado mensalmente pela Mosaic Fertilizantes, operação latinoamericana de uma das maiores companhias do segmento no mundo, foi de 1,69 em dezembro, depois de marcar 1,67 no mês anterior (novembro). Quanto menor o índice, maior é o poder de compra do agricultor brasileiro, explica a empresa. Em dezembro de 2020, o índice estava em 0,68.

A piora do poder de compra resulta de desajuste entre oferta e demanda, além de ligeira queda, em dólar, dos preços de commodities agrícolas no período. Em nota, a Mosaic informou que a demanda doméstica retraída e a proximidade da entrada de nova safra de grãos afetaram as cotações de soja, milho, açúcar e cana.

Do lado da oferta de adubos, os desafios são diferentes em cada segmento. “Os nitrogenados ainda têm maior volatilidade, mas a tendência de alta foi revertida devido ao recuo nos preços de gás natural [matéria-prima da ureia] alinhado ao excesso de oferta na última licitação indiana”, diz a companhia.

Já para o potássio, há grande preocupação sobre a oferta de Belarus, um dos maiores produtores do nutriente no mundo. No caso de fósforo, o mercado segue firme em virtude da ausência dos chineses, que são os maiores produtores.

“Vale salientar que a rentabilidade das principais lavouras no Brasil em 2021/22 deve ser positiva, impulsionada principalmente pelo real desvalorizado e pelos bons preços internacionais das principais commodities”, afirma a empresa.

Assuntos do Momento

Mais assuntos do momento
Utilizamos cookies para que você tenha a melhor experiência de navegação, para medir o tráfego, e para fins de marketing. Para mais informações, por favor visite nossa política de privacidade. Política de Privacidade