AveSui
Peste Suína Africana AveSui Inside Cooperativas Agroindústrias Bem - Estar Animal América Latina Comentário Suíno Economia Empresas Exportação Eventos e Cursos Genética Geral Insumos Manejo Meio Ambiente Mercado Externo Mercado Interno Nutrição Piscicultura Pesquisa e Desenvolvimento Processamento de Carne Sanidade Sustentabilidade Saúde Animal Tecnologia Revista Todos os Vídeos TV Gessulli no YouTube Edições Revista Digital Anuncie
São Paulo

Preços agrícolas fecham o mês de julho com queda de 0,04%

No acumulado do ano as carnes suína e de frango, e também os ovos, registram variação positiva

Redação AI/SI
14-Ago-2019 08:32

Após um ciclo de cinco semanas de alta, o índice que mede a variação dos preços recebidos pelos agricultores paulistas (IqPR) fechou o mês de julho com pequena baixa de 0,04%, informa a Secretaria de Agricultura e Abastecimento do Estado de São Paulo, por meio do Instituto de Economia Agrícola (IEA/Apta).

Dos 19 produtos que compõem o índice, apenas 7 apresentaram alta de preços no período: amendoim (4,81%), laranja para indústria (4,52%) e café (2,29%), cana-de-açúcar (1,78%), carne bovina (1,69%), trigo (1,02%) e milho (0,32%).

A carne suína registrou recuo no preço de 2,81% enquanto a de frango recuou 4,58%. No caso dos ovos o índice registrou variação negativa de 3,81%.

 No período de agosto de 2018 a julho de2019, o IqPR ficou em 15,78%, sendo que os produtos de origem vegetal subiram 17,48% enquanto os de origem animal tiveram variação um pouco menor: 11,59%.  Comparando o IqPR com o Índice de Preços Pagos (IPP), também calculado pelo IEA, e que apresenta um termômetro dos custos de produção agropecuários no Estado de São Paulo, observamos uma variação positiva de 8,55% no período. 

Contudo, individualmente, 11 culturas, ao terem acúmulos de preços positivos abaixo do IPP ou negativos, dão indicativos de que obtiveram retornos contraproducentes. São elas: algodão (-23,44%), laranja para mesa (-23,07%), trigo (-15,10%), soja (-6,18%), banana nanica (-4,9%), arroz (-4,18%), laranja para indústria (-4,09%), café (-3,98%), leite cru refrigerado (+0,01%), milho (+1,89%) e cana-de-açúcar (+7,78%). Acima do índice de custos, subiram nos últimos 12 meses: batata (+203,77%), tomate para mesa (98,94%), carne suína (+61,28%), feijão (40,64%), amendoim (28,11%), carne de frango (+10%), carne bovina (9,71%) e ovos (8,65%).

Assuntos do Momento

19 de Outubro de 2021
Diversidade Cultural

Mais de 120 colaboradores da BRF carimbam o passaporte e atuam em diferentes países

Com experiência no exterior e apoio da Companhia, profissionais enriquecem currículo, compartilham conhecimentos e promovem a diversidade cultural

BRF anuncia mais habilitações de Cingapura para exportação de produtos suínos
22 de Outubro de 2021
Expansão

BRF anuncia mais habilitações de Cingapura para exportação de produtos suínos

Já a unidade de Lucas do Rio Verde (MT) obteve autorização para a venda de suínos e seus miúdos

BRF investe R$ 5,5 milhões em modernização do laboratório industrial em Lucas do Rio Verde
20 de Outubro de 2021
Investimento

BRF investe R$ 5,5 milhões em modernização do laboratório industrial em Lucas do Rio Verde

Estrutura foi ampliada e conta com os mais modernos equipamentos para garantir a qualidade da análise de produtos da Companhia 

22 de Outubro de 2021
Evento

BRF marca presença na Expo Dubai 2020

Companhia mantém importante atuação no mercado Halal com indústrias na região e exportação de produtos a partir de diversas unidades pelo Brasil

Veto da China à carne bovina brasileira já dura mais de um mês e assusta governo
19 de Outubro de 2021
Suspensão

Veto da China à carne bovina brasileira já dura mais de um mês e assusta governo

No início de setembro, o Brasil suspendeu os embarques da proteína ao país asiático depois da confirmação de casos da vaca louca

Brasil conclama China a avançar no comércio de carne
20 de Outubro de 2021
Negociação

Brasil conclama China a avançar no comércio de carne

Embaixador brasileiro diz que o governo acredita em progresso no reconhecimento pela China do status do Brasil como livre de febre aftosa e como um país de ‘risco insignificante’ para a doença da vaca louca

Mais assuntos do momento
Utilizamos cookies para que você tenha a melhor experiência de navegação, para medir o tráfego, e para fins de marketing. Para mais informações, por favor visite nossa política de privacidade. Política de Privacidade