Rainha da Paz
Peste Suína Africana AveSui Inside Cooperativas Agroindústrias Bem - Estar Animal América Latina Comentário Suíno Economia Empresas Exportação Eventos e Cursos Genética Geral Insumos Manejo Meio Ambiente Mercado Externo Mercado Interno Nutrição Piscicultura Pesquisa e Desenvolvimento Processamento de Carne Sanidade Sustentabilidade Saúde Animal Tecnologia Revista Todos os Vídeos TV Gessulli no YouTube Edições Revista Digital Anuncie
Bolsa de Suínos

Preços do suíno vivo despencam até 20% nos estados; veja os números

Houve quedas acentuadas em todos os estados produtores. Nos três principais produtores e exportadores, foram menores

Anderson Oliveira | Redação SI
27-Jan-2021 11:31

Os preços do suíno vivo no mercado independente despencaram até 20% na segunda quinzena de janeiro, de acordo com dados das bolsas regionais. As maiores baixas ocorreram em Minas Gerais e Goiás, que adotam a mesma cotação, onde o suíno chegou a R$ 6 o quilo. No dia 11 de janeiro, quando a Suinocultura Industrial fez o último levantamento, o preço era R$ 7,50. 

Houve quedas acentuadas em todos os estados produtores. Nos três principais produtores e exportadores, no entanto, os percentuais foram menores. É o caso do Rio Grande do Sul, onde o animal vivo custava R$ 7,74 em 11 de janeiro e que agora tem a cotação de R$ 7,29 – portanto, retração de 5,8%.

Em Santa Catarina, maior produtor brasileiro, a queda no preço do suíno vivo foi de 8,04%. A cotação era R$ 8,08 e agora passou a R$ 7,43. No Paraná, houve retração de 11,2%, com o quilo do animal vivo a R$ 6,50, ante o valor de R$ 7,32 da primeira quinzena. Quanto isso, no Mato Grosso, o  suíno passou de R$ 6,10 para R$ 5,44 – redução de 10,8%.

No Distrito Federal, cotação pela bolsa de suínos era de R$ 7,35 e agora é R$ 6,10, o que representa queda de 17%. No estado de São Paulo, a cotação do animal vivo passou de R$ 8,53 a R$ 7,20, uma retração de 15,6%. Confira aqui todos os valores nos últimos meses

 

ENFRAQUECIMENTO DOS MERCADOS

A forte retração no mercado suinícola se deve ao enfraquecimento dos mercados interno e externo, avalia o presidente da Associação Paulista dos Criadores de Suínos (APCS), Valdomiro Ferreira Júnior. “No interno poder aquisitivo do brasileiro, no externo a queda nas exportações da China. Os dois fundamentos são os responsáveis diretos pela queda acentuada”, diz.

O representante dos suinocultores paulistas aponta que 2021 começa com grandes perdas ao suinocultor. O milho, responsável pelo maior percentual no custo de produção, atingiu valores no mês de janeiro “jamais vistos”.

Na região de Campinas/SP, o produtor pagou até R$ 89,00/saca de 60 quilos. “Isso comprometeu a relação de troca, entre arroba suína e saca de milho. O ideal para o suinocultor a cada arroba vendida ele possa comprar 2,5 sacas de milho. Nesse momento, ele adquire apenas 1,12, uma das piores relações na história do setor”, calcula.

Iniciamos o ano de 2.020 praticando preços condições bolsa na região de Campinas em média de R$ 120,00/@ = R$ 6,40/Kg vivo. Fechamos o ano praticando preços em R$ 135,00/@ = R$ 7,20/Kg vivo. Ocorreu no meio do mês de novembro o ápice de preço chegando a R$ 185,00/@ = R$ 9,87/Kg vivo”, lembra Ferreira Jr.

Ele recomenda diante das atuais circunstâncias que os suinocultores paulistas e brasileiros atuem com cautela. “Foco no custo de produção e acompanhar muito de perto as questões externas, em especial, o comportamento da China e dos Estados Unidos”, avalia. Segundo ele, o momento exige, mais do que nunca, atenção especial às questões sanitárias do rebanho. “Protegê-lo significa manter ativo o maior patrimônio de uma granja, ou seja, seu plantel genético”, conclui.

Utilizamos cookies para que você tenha a melhor experiência de navegação, para medir o tráfego, e para fins de marketing. Para mais informações, por favor visite nossa política de privacidade. Política de Privacidade