AveSui2021
Peste Suína Africana AveSui Inside Cooperativas Agroindústrias Bem - Estar Animal América Latina Comentário Suíno Economia Empresas Exportação Eventos e Cursos Genética Geral Insumos Manejo Meio Ambiente Mercado Externo Mercado Interno Nutrição Piscicultura Pesquisa e Desenvolvimento Processamento de Carne Sanidade Sustentabilidade Saúde Animal Tecnologia Revista Todos os Vídeos TV Gessulli no YouTube Edições Revista Digital Anuncie
Impasse

Processadores de carne suína dos EUA enfrentam custos mais altos e lentidão, após decisão judicial

Departamento de Agricultura dos EUA foi pressionado a apelar a decisão de um tribunal federal que cancelou uma regra que permite que as fábricas abatam suínos mais rapidamente.

Redação com informações de Reuters
05-Abr-2021 08:38

Um grupo da indústria que representa os maiores frigoríficos da América pressionou na quinta-feira o Departamento de Agricultura dos Estados Unidos a apelar de uma decisão de um tribunal federal que cancelou uma regra da agência que permite que as fábricas de suínos abatam suínos mais rapidamente.

A decisão emitida na quarta-feira no Tribunal Distrital dos Estados Unidos em Minnesota pode aumentar os custos para frigoríficos como Seaboard Foods e Clemens Food Group e diminuir a produção de carne após surtos de COVID-19 em frigoríficos limitaram a produção no ano passado.

Uma ação judicial movida contra o USDA pela United Food and Commercial Workers Union desafiou a regra de 2019, argumentando que a maior velocidade de abate prejudicava a segurança do trabalhador.

Um juiz federal disse que não havia evidências de que a regra da era Trump avaliasse a segurança do trabalhador. O USDA afirma que está avaliando a decisão.

O North American Meat Institute, que representa as empresas de carne, disse que ficou desapontado com o veredicto. O instituto argumentou que o aumento da velocidade da linha não se correlacionou com o aumento das taxas de lesões.

“Gostaríamos de ver a agência apelar e pedir uma suspensão”, disse o instituto.

A Seaboard Foods, a segunda maior produtora de suínos dos EUA depois da Smithfield Foods, acelerou sua fábrica de suínos em Guymon, Oklahoma, no ano passado, tornando-se a primeira empresa a operar sob a nova regra. Os trabalhadores disseram à Reuters que as velocidades mais rápidas da linha aumentaram os ferimentos na fábrica.

A Seaboard não respondeu imediatamente aos pedidos de comentário na quinta-feira.

A mudança na regra permitiu que os suínos abatessem o mais rápido que quisessem, desde que evitassem a contaminação fecal e minimizassem as bactérias. O tribunal norte-americano suspendeu a decisão de revogar a regra por 90 dias, dando às empresas e ao governo Biden tempo para se adaptarem.

A eliminação das velocidades de linha fazia parte do Novo Sistema de Inspeção de Suínos, que também permite que as suinoculturas usem alguns inspetores da empresa em vez dos do USDA.

A Tyson Foods Inc seguirá adiante com os planos de implementar o sistema nos próximos meses nas fábricas em Madison, Nebraska e Perry, Iowa, disse a porta-voz Liz Croston. A empresa está focada na modernização das inspeções e segurança alimentar, não na velocidade das linhas, disse ela.

Utilizamos cookies para que você tenha a melhor experiência de navegação, para medir o tráfego, e para fins de marketing. Para mais informações, por favor visite nossa política de privacidade. Política de Privacidade