Agroceres Multimix
Peste Suína Africana AveSui Inside Cooperativas Agroindústrias Bem - Estar Animal América Latina Comentário Suíno Economia Empresas Exportação Eventos e Cursos Genética Geral Insumos Manejo Meio Ambiente Mercado Externo Mercado Interno Nutrição Piscicultura Pesquisa e Desenvolvimento Processamento de Carne Sanidade Sustentabilidade Saúde Animal Tecnologia Revista Todos os Vídeos TV Gessulli no YouTube Edições Revista Digital Anuncie
Comentário

Produtividade do trabalho cresce mais no agronegócio que no Brasil e impulsiona PIB do setor

Por Nicole Rennó Castro Pesquisadora da área de Macroeconomia do Cepea

Cepea
27-Jun-2019 09:55

O agronegócio brasileiro representa uma parcela relevante do PIB nacional, em média, 24% de 1996 a 2018. Embora essa parcela oscile anualmente – resultado das dinâmicas comparadas dos preços, produtividade e volumes de capital e trabalho empregados entre o setor e o resto da economia –, esta apresentou tendência de redução consistente de 2004 em diante (até 2014). Segundo dados do Cepea, a relação PIB agronegócio/PIB brasileiro recuou 8,3 p.p. entre 2004 e 2014, passando de 27,36% para 19,06%.

O agronegócio teve um papel fundamental para a economia nas últimas duas décadas, produzindo volume crescente de alimentos, fibras e energias a preços relativos decrescentes e, então, dando sustentação às metas do governo de reduzir a pobreza, mas ampliando a geração de divisas (Barros, 2016¹). Pela perspectiva do setor, mesmo com a expansão da produção, o sucesso do agronegócio não se refletiu no seu PIB relativo (frente ao PIB nacional) – situação que, segundo Barros (2016), só teria sido possível diante de importantes avanços em produtividade e na demanda internacional, contexto que limitaria quedas ainda maiores nos preços. 

Tendo em vista o papel fundamental do avanço da produtividade do agronegócio, esse texto trata do comportamento dessa variável entre 2004 a 2015. Especificamente, foi calculada a produtividade do trabalho² do agronegócio e seus segmentos. A evolução da produtividade do trabalho reflete as diferenças entre a evolução real do PIB e do total de horas trabalhadas pelas pessoas ocupadas em cada setor de análise. 

No tocante ao PIB, segundo dados do Cepea, o agronegócio acumulou crescimento real (em volume) de 21,4% entre 2004 e 2015 (1,8% a.a em média.). O aumento foi impulsionado pelo PIB “dentro da porteira”, que evoluiu a taxa anual de 3,7%. Para insumos, agrosserviços e agroindústria, as taxas foram mais modestas, de 2%, 1,4% e 0,8% ao ano, respectivamente – crescimentos inferiores ao médio nacional, de 3,1% a.a. no período, segundo dados do IBGE. 

AveSui2021_dentro

Já o total de horas trabalhadas no agronegócio, no mesmo período, teve importante redução. O número de pessoas ocupadas (PO) diminuiu 13,3% para o agronegócio (-1,3% a.a.); para os segmentos, houve relativa estabilidade no de insumos, expansão nos agrosserviços (17,4% ou 1,5% a.a.), redução na agroindústria (-3,5% ou -0,3% a.a.) e queda relevante dentro da porteira (-26,4% ou -2,8% a.a.). No mesmo período, para o Brasil, a PO aumentou 1,1% a.a. Paralelamente à redução da PO, a jornada média de trabalho no agronegócio também caiu, 4,8% no acumulado do período, intensificando a queda no número de horas trabalhadas no agronegócio – variável utilizada para cálculo da produtividade do trabalho. 

Como resultado, a produtividade do trabalho no agronegócio cresceu a taxas anuais superiores à brasileira em praticamente todos os anos entre 2004 e 2015 (exceto 2012 e 2014), com alta acumulada superando em 16 p.p. a da produtividade da economia como um todo. Para o agronegócio, a expansão da produtividade foi de 46,9% (3,5% a.a.), enquanto para o Brasil, de 31% (2,5% a.a.). Entre os segmentos do agronegócio, no primário, a produtividade do trabalho cresceu 122%, equivalente a um aumento anual de 7,2%. A produtividade dos agrosserviços, seguindo o comportamento do segmento de serviços do Brasil, oscilou ao longo do período, se elevando apenas 4% entre 2004 e 2015. Na agroindústria, o avanço no período foi de 21% (inferior à média nacional), tendo a variável ficado estagnada entre 2004 e 2009.  

A partir desses resultados, é possível decompor o crescimento médio anual do PIB dos setores analisados em variações da produtividade do trabalho da população ocupada (produtividade PO) e a própria variação da PO; e então, decompor a variação da produtividade da PO em produtividade das horas trabalhadas (produtividade horas) e jornada média de trabalho (adaptado de Barbosa Filho e Pessôa (2014)³). O resultado dessa decomposição está na Tabela 1.

AveSui2021_dentro

Entre 2004 e 2015, a elevação do PIB do agronegócio foi atribuída ao avanço na produtividade por hora trabalhada no setor, que mais que compensou as reduções na jornada de trabalho e na PO. Como esperado, esse mesmo comportamento é observado na agropecuária, mas de forma ainda mais intensa. Cenário similar também foi verificado no segmento de insumos e na agroindústria, mas com efeito mais modesto da produtividade. Em contraste, para os agrosserviços, o crescimento do PIB seguiu o aumento da PO. No Brasil como um todo, o aumento de produtividade também explica parte relevante do avanço do PIB no período analisado. 

Portanto, o avanço da produtividade do trabalho foi elemento determinante para o crescimento do PIB do agronegócio, resultado influenciado sobretudo pela dinâmica da agropecuária. Em outras palavras, o PIB cresceu de forma expressiva ao mesmo tempo em que reduziu, também significativamente, o contingente de pessoas ocupadas no setor. 

Por um lado, esse resultado evidencia o sucesso produtivo de um modelo de produção agropecuária baseado nas inovações, com investimentos em tecnologia e capital humano e uso intensivo de insumos cada vez mais modernos. Esse processo coloca o agronegócio em posição de destaque na economia brasileira, com contribuições relevantes para o PIB e o comércio exterior, e também coloca o Brasil em posição de destaque no cenário mundial. Por outro, deve-se enfatizar as implicações sociais negativas desse processo, que acaba implicando em intensificação e concentração da produção, com exclusão e inviabilidade de diversos estabelecimentos menores, e substituição rápida de trabalho por capital – com efeitos sobre o mercado de trabalho que devem ser considerados pelos formuladores de política, sobretudo, por afetarem grupos vulneráveis da sociedade.

AveSui2021_dentro

outros, fotos atualizadas ,
Outros

 

 

 1 Ver: http://www.ipea.gov.br/portal/index.php?option=com_content&view=article&id=28219

² Para as séries de horas trabalhadas, foram utilizados dados da PNAD/IBGE e da RAIS/MTE e procedimentos do Cepea. O PIB Brasileiro foi obtido no SCN/IBGE e o do agronegócio no Cepea/CNA. Complementarmente, foram utilizadas informações das matrizes de insumo-produto divulgadas por Guilhoto e Sesso Filho (2005) e Guilhoto e Sesso Filho (2010), ver: https://guilhotojjmg.files.wordpress.com/2011/05/metodologia-guilhoto-sesso-ea-20051.pdf https://revistas.ufpr.br/ret/article/view/26912

³  Ver: http://www.scielo.br/pdf/rbe/v68n2/v68n2a01.pdf

 

Assuntos do Momento

Conheça a trajetória de Deborah de Geus, finalista na categoria Mulheres Cooperadas
05 de Março de 2021
Prêmio Quem é Quem

Conheça a trajetória de Deborah de Geus, finalista na categoria Mulheres Cooperadas

Formada em Medicina Veterinária, possui forte participação em entidades de classe e comitês internos da cooperativa Frísia, colaborando com a melhoria da produção de outros associados

Conheça Celsi Sandmann, uma das finalistas da categoria Mulheres Cooperadas
02 de Março de 2021
Prêmio Quem é Quem

Conheça Celsi Sandmann, uma das finalistas da categoria Mulheres Cooperadas

Com uma vida dedicada ao cooperativismo, Celsi sempre batalhou no campo e se tornou associada da Lar em 1982, se tornando inspiração para outras mulheres empreendedoras

AveSui2021_dentro
Dirce Zanatta é finalista na categoria Mulher Cooperada, conheça sua trajetória no cooperativismo
03 de Março de 2021
Prêmio Quem é Quem

Dirce Zanatta é finalista na categoria Mulher Cooperada, conheça sua trajetória no cooperativismo

Associada há dez anos na Coopavel, Dirce agrega um perfil focado em inovar sempre, se adequando às necessidades e regulamentações de sanidade e gestão de sua propriedade

Solcera KGF irá apresentar soluções cerâmicas para o agro e bicos para pulverização e nebulização na AveSui Online 24H/7D
01 de Março de 2021
Tecnologia

Solcera KGF irá apresentar soluções cerâmicas para o agro e bicos para pulverização e nebulização na AveSui Online 24H/7D

A empresa adquiriu a KFG, uma das mais tradicionais no campo de bicos, a qual também dispõe de tecnologias em cabines para nebulização. A Solcera é mais uma empresa confirmada para feira digital da Gessulli Agribusiness

Frimesa é finalista na categoria Varejo com a campanha '1 ano de Mercado Grátis'; conheça o plano de marketing
04 de Março de 2021
Prêmio Quem é Quem

Frimesa é finalista na categoria Varejo com a campanha '1 ano de Mercado Grátis'; conheça o plano de marketing

O projeto de comunicação voltado ao varejo contemplou uma série de ações, contando com a participação da dupla sertaneja Fernando & Sorocaba, além da apresentadora Ana Hickmann

MecFlux irá apresentar seu portfólio de lubrificantes de grau alimentício na AveSui Online 24H/7D
04 de Março de 2021
Evento Digital

MecFlux irá apresentar seu portfólio de lubrificantes de grau alimentício na AveSui Online 24H/7D

Importadora dos produtos Anderol no Brasil, a empresa dispõe de lubrificantes com certificação ISO 21.469, NSF 3H e NSF H1, além das religiosas Kosher e Halal

Mais assuntos do momento