AveSui
Peste Suína Africana AveSui Inside Cooperativas Agroindústrias Bem - Estar Animal América Latina Comentário Suíno Economia Empresas Exportação Eventos e Cursos Genética Geral Insumos Manejo Meio Ambiente Mercado Externo Mercado Interno Nutrição Piscicultura Pesquisa e Desenvolvimento Processamento de Carne Sanidade Sustentabilidade Saúde Animal Tecnologia Revista Todos os Vídeos TV Gessulli no YouTube Edições Revista Digital Anuncie
Revista Online

Protocolos de indução ao parto em fêmeas suínas: existe um ideal?

Os cuidados com o parto se tornam ainda mais relevantes quando se observa a vigorosa seleção genética da matriz suína ao longo das últimas décadas visando o aumento da taxa de ovulação, originando as chamadas matrizes hiperprolíficas

Revista Suinocultura Industrial
07-Dez-2021 15:00

A importância da assistência ao parto para a melhoria da produtividade na suinocultura vem sendo discutida no meio científico por muitos anos e, em decorrência disso, um grande número de excelentes trabalhos está disponível na literatura, auxiliando na tomada de decisão.

Apesar disso, não é incomum observar na rotina de granjas comerciais o não atendimento dos quesitos básicos das boas práticas na maternidade como, por exemplo, o uso incorreto de ocitócitos, intervenção manual ao parto de forma excessiva e sem levar em consideração os princípios de higiene, e mesmo relutância na aplicação de protocolos de sincronização de partos por meio do uso da prostaglandina F2α ou de seus análogos, demonstrando que apesar do tema não ser novo ainda permanece bastante pertinente.

Os cuidados com o parto se tornam ainda mais relevantes quando se observa a vigorosa seleção genética da matriz suína ao longo das últimas décadas visando o aumento da taxa de ovulação, originando as chamadas matrizes hiperprolíficas, as quais se caracterizam por uma extraordinária capacidade produtiva.

Contudo, a intensa pressão de seleção que levou ao aumento no número de leitões nascidos por parto, também resultou na diminuição do peso ao nascimento e menor homogeneidade no peso da leitegada (Fonseca, 2016), bem como no aumento da duração do parto, características que estão associadas ao aumento no número de natimortos, diminuição da vitalidade dos leitões ao nascimento e ingestão insuficiente de colostro (Oliviero et al., 2010; Amdi et al., 2013). 

Leia o artigo completo na edição 298 da Revista Suinocultura Industrial

Assuntos do Momento

Mais assuntos do momento
Utilizamos cookies para que você tenha a melhor experiência de navegação, para medir o tráfego, e para fins de marketing. Para mais informações, por favor visite nossa política de privacidade. Política de Privacidade