Guia Gessulli
11-Set-2018 09:04
Sanidade

Qual a facilidade das pestes suínas entrarem nos EUA?

A bagagem de passageiros aérea pode ser uma ameaça em relação à importação de peste suína clássica ou africana para os Estados Unidos? Pesquisadores dos EUA fizeram uma estimativa.

O artigo científico apareceu on-line no jornal peer-reviewed Transboundary and Emerging Diseases . A peste suína clássica é mais conhecida nos Estados Unidos como cólera de porco.

Os cientistas escreveram em seu artigo que, em média, 8.000 produtos derivados de carne suína são confiscados anualmente pela Alfândega e Proteção de Fronteiras nos portos de entrada dos EUA, como aeroportos internacionais, portos ou escritórios de correio. Estes produtos suínos com status sanitário desconhecido podem representar um risco para a introdução de doenças animais estrangeiras nos EUA.

Este estudo teve como objetivo analisar o risco do vírus da Peste Suína Africana (PSA) e do vírus da Peste Suína Clássica (PSC) ser introduzido nos EUA através de produtos suínos proibidos transportados por passageiros aéreos. Ambos os vírus ocupam um lugar central nos dias de hoje, devido aos surtos atuais na China e na Europa Oriental (PSA) e uma recorrência no Japão (PSC).

Além disso, o estudo teve como objetivo identificar locais e períodos de tempo com maior risco onde e quando medidas preventivas e de mitigação devem ser implementadas.

Os resultados estimaram que o risco de entrada da PSC é 7 vezes maior e mais disseminado entre os aeroportos dos EUA do que para a PSA. Para ambas as doenças, eles continuaram, julho e maio foram os meses com maior risco de entrada.

Além disso, para a PSA, os países de origem dos passageiros que representaram o maior risco (acima de 70% do risco total) foram Gana, Cabo Verde, Etiópia e Rússia. Para o PSC, mais de 90% do risco na origem estava concentrado na República Dominicana e em Cuba, seguido pela Índia, Colômbia, Peru, Equador e China.

Os cientistas concluíram que esses resultados poderiam ser usados ??para implementar e alimentar sistemas de vigilância em tempo real, o que poderia ajudar as alfândegas a aumentar a taxa de detecção de produtos contrabandeados, indicando quando e onde procurá-los.

Da mesma forma esses sistemas poderiam ser adaptados e implementados para outras doenças, melhorando a relação custo-eficácia dos recursos investidos na prevenção da entrada de doenças através da bagagem dos passageiros aéreos.

Pig Progress traduzido por Redação
Deixe seu Recado