Basf SI
Peste Suína Africana AveSui Inside Cooperativas Agroindústrias Bem - Estar Animal América Latina Comentário Suíno Economia Empresas Exportação Eventos e Cursos Genética Geral Insumos Manejo Meio Ambiente Mercado Externo Mercado Interno Nutrição Piscicultura Pesquisa e Desenvolvimento Processamento de Carne Sanidade Sustentabilidade Saúde Animal Tecnologia Revista Todos os Vídeos TV Gessulli no YouTube Edições Revista Digital Anuncie
Relatório

Rabobank prevê melhoras para a suinocultura no segundo semestre

Segundo o banco, cenário ainda não é totalmente favorável, mas será melhor do que no primeiro semestre

Redação com informações folha
01-Ago-2022 08:40

De acordo com relatório do banco Rabobank, osegundo semestre deste ano deverá ser melhor do que o primeiro em preços e em demanda para os suinocultores.

Segundo o banco, as importações chinesas, que recuaram 54% nos cinco primeiros meses, deverão cair de 25% a 30% durante o ano todo, o que mostra uma melhora no segundo semestre.

Além dos chineses, outros importadores, como Japão, também deverão elevar as compras externas. Na avaliação dos analistas do Rabobank, o consumo de carne suína se mantém resiliente.

Por não ser uma carne tão cara, mas também não muito barata, tem um movimento de alteração de consumo bastante lento.

No Brasil, a renda do produtor está aumentando, mas ainda traz desafios. As exportações, que acumularam queda de 10% no primeiro semestre, deverão fechar o ano com redução de 4% a 6%, em volume, segundo o banco.

Embora as exportações para a China, o principal mercado do país, tenham caído, o Brasil conseguiu exportar a proteína para outros mercados.

A demanda por carne suína cresce também na América do Norte e na União Europeia. Em alguns países asiáticos, porém, devido aos efeitos da peste suína africana, o consumo cai.

Um alívio para os produtores é que os custos de energia e dos grãos tiveram redução nos últimos meses, melhorando as margens.

Traçar cenários para o segundo semestre, no entanto, não está fácil. Os analistas do Rabobank alertam que os produtores devem ficar atentos às condições macroeconômicas mundiais.

Nesta quarta-feira (27), o Fed (Banco Central dos EUA) voltou a elevar a taxa de juros, trazendo mais para perto das economias uma possível recessão.

A suinocultura vai depender também dos resultados da safra de grãos nos Estados Unidos, onde o clima, por ora, não tem auxiliado as lavouras.

As restrições impostas pela Covid e novos focos de peste suína africana em importantes países produtores também são motivos de preocupação, segundo os analistas.

Diante desses desafios, o produtor precisa ficar atento, ainda, ao comportamento do consumidor perante preços elevados e inflação crescente.

No Brasil, a arroba teve como referência R$ 140 nesta quarta-feira (27) na Bolsa de Suínos. Há um mês, estava em R$ 115, segundo a Associação Paulista de Criadores de Suínos.

Utilizamos cookies para que você tenha a melhor experiência de navegação, para medir o tráfego, e para fins de marketing. Para mais informações, por favor visite nossa política de privacidade. Política de Privacidade