Alltech
Peste Suína Africana AveSui Inside Cooperativas Agroindústrias Bem - Estar Animal América Latina Comentário Suíno Economia Empresas Exportação Eventos e Cursos Genética Geral Insumos Manejo Meio Ambiente Mercado Externo Mercado Interno Nutrição Piscicultura Pesquisa e Desenvolvimento Processamento de Carne Sanidade Sustentabilidade Saúde Animal Tecnologia Revista Todos os Vídeos TV Gessulli no YouTube Edições Revista Digital Anuncie
MAIS ACESSADA DA SEMANA

Ração caseira alimenta plantel de suínos

O Estado de São Paulo - Agrícola (04/12/2002)
01-Jul-2016 16:00 - Atualizado em 27/01/2020 10:06
suinocultura, fotos atualizadas ,
Suinocultura
O criador José Carlos Santos, do Sítio Três Irmãos, em Itapeva (SP), encontrou uma alternativa para tratar os suínos durante a escassez de milho. Ele está dando uma ração caseira para os animais, feita de triticale (70%), soja (20%) e núcleo (5%) - aminoácidos e sal mineral. "O ganho de peso é 10% menor comparado ao milho", diz. "Mas não tenho opção."

"O grão sumiu do mercado", reclama Santos, que possui 55 matrizes large white e landrace. Em sua propriedade de oito alqueires (três de mata) ele utiliza cinco alqueires para cultivar napiê, triticale, cana, pastos para o gado, além de área arrendada, para cultivar milho para suínos. Mas, conforme explica, a produção acabou. Logo cedo, trata os animais - a partir dos 70 dias de idade -, com ração caseira, além de deixar no cocho, à disposição, cana e napiê picados. "A gente tem um napiê novo, muito bem formado, só não pode pôr muito, cerca de 1 a 1,5 quilos por porco." A soja ele compra no mercado.

Santos diz que o custo de produção é elevado. "A gente está perdendo", confessa. A sorte, observa, é a venda da carne embalada, na Feira do Produtor, quarta e sábado. "Isso está nos salvando."

Não bastasse o problema para alimentar os suínos, ainda resta a Santos alimentar 2.500 frangos de corte e de 600 de postura. "Para o frango, tem de ser o milho mesmo. Apenas na fase final de criação dou triticale", diz.

Para enfrentar a crise da suinocultura, que se repete em ciclos de dois anos, em média, com preços em baixa e insumos em alta, o pesquisador da Embrapa Aves e Suínos, Claudio Belover, sugere algumas alternativas. A primeira delas, observa, é reduzir o plantel de matrizes. Esta solução, segundo o especialista em nutrição de suínos, ajuda a diminuir a oferta e aumentar os preços. Belover diz que a alimentação representa 60% a 80% do custo de produção e suínos. "Em épocas de crise, chega a 80%."

Alternativas - Há outras alternativas, que valem somente para os animais em terminação. "Uma deles é economizar alimento para não perder tanto", diz sugerindo redução de cerca de 8% na alimentação. "A restrição alimentar ajuda a melhorar a eficiência e reduzir custos, mas aumenta o tempo de abate", explica. "O ganho de peso diário é menor."

Para mudar a alimentação, Belaver diz que é preciso alterar o sistema de comedouros, que devem ser substituídos por comedouros lineares (tipo cochos) que permitam que todos os animais sejam alimentados ao mesmo tempo. "Porém, não pode haver desperdícios."

Como o milho e a soja estão em alta, ele sugere o uso de alternativas mais baratas, mas que garantam a qualidade da alimentação. Entre os substitutos do milho Belaver indica triticale, sorgo, trigo, cevada, centeio e milheto.

Na parte protéica, a sugestão é a mandioca processada - para eliminar o ácido cianídrico - ou a parte aérea. Outra opção é a soja, desde que seja produzida na propriedade, tostada, extrusada, desativada. Há ainda as farinhas de origem animal (de carnes, ossos e vísceras). No caso de suínos, pode ser a farinha de aves, e no caso de frangos a farinha de suínos. "A introdução de 5% de farinha animal reduz de 6% a 12% o custo da ração e entre 5% e 10% o custo de produção."

De acordo com Belaver, só vale a pena substituir o milho se o custo compensar. "Os cereais devem custar 5% a 20% do preço do milho." Já a mandioca, ele considera uma alternativa barata, interessante. "É uma excelente fonte de energia, mas não tem disponibilidade comercial", ressalta. "Pode ser fornecida à vontade, como raiz picada ou triturada, e como silagem só da raiz, mais concentrado com 12% de proteína."

Quer acompanhar o que acontece na avicultura e na suinocultura?

Siga-nos no Facebook:

https://www,facebook.com/aviculturaindustrial

https://www.facebook.com/suinoculturaindustrial

Acompanhe nosso Linkedin:

https://www.linkedin.com/company/gessulliagribusiness

Precisa de algum serviço ou produto?

Pesquise no Guia Gessulli:

https://www.guiagessulli.com.br/

 

Assuntos do Momento

Preço do suíno vivo sobe em vários estados
20 de Setembro de 2021
Análise de Mercado

Preço do suíno vivo sobe em vários estados

Após um começo de mês nada animador para o segmento, a última semana registrou novos aumentos em várias praças. Valor poderia ser maior, mas baixo poder aquisitivo da população segue impedindo.

Situação é preocupante na suinocultura com custos superando preço do animal vivo
16 de Setembro de 2021
Custos

Situação é preocupante na suinocultura com custos superando preço do animal vivo

Quadro afeta especialmente os produtores independentes, que têm menos poder de fogo nas negociações de grãos para ração

Disponible en español Disponible en español
O endividamento e as oscilações de preços fazem com que muitos suinocultores na China abandonem a esperança de retorno
14 de Setembro de 2021
Mercado Externo

O endividamento e as oscilações de preços fazem com que muitos suinocultores na China abandonem a esperança de retorno

Para capitalizar a duplicação dos preços em 2019, os cinco maiores produtores de carne suína procuraram  se expandir rapidamente e aumentaram sua dívida bruta em quase três vezes em dois anos e meio

Preços do milho seguem tendências distintas entre regiões, mas recuos prevalecem
20 de Setembro de 2021
Insumos

Preços do milho seguem tendências distintas entre regiões, mas recuos prevalecem

De acordo com colaboradores do Cepea, a liquidez segue baixa, com muitos compradores ausentes do mercado – esses agentes sinalizam ter estoques, pelo menos para curto prazo, e estão à espera de novas desvalorizações

16 de Setembro de 2021
Bloqueios nos embarques

Mais quatro países suspendem compras de carne do Brasil após caso de vaca louca

Além de China e Arábia Saudita, Egito, Irã, Indonésia e Rússia adotaram a medida após a confirmação da doença em Minas Gerais e Mato Grosso

China compra até 6 cargas de soja do Brasil para outubro/novembro, dizem traders
16 de Setembro de 2021
Exportação

China compra até 6 cargas de soja do Brasil para outubro/novembro, dizem traders

Os acordos foram assinados em momento em que terminais de exportação ao longo da Costa do Golfo dos Estados Unidos, na Louisiana, o polo de transporte de grãos mais movimentado do país, têm buscado se recuperar de danos

Mais assuntos do momento
Utilizamos cookies para que você tenha a melhor experiência de navegação, para medir o tráfego, e para fins de marketing. Para mais informações, por favor visite nossa política de privacidade. Política de Privacidade