Mayekawa SI
29-Ago-2019 09:59 - Atualizado em 30/08/2019 09:07
Pesta Suína Africana

Rebanho chinês deve cair 50% e vietnamita entre 15% e 20%, diz Rabobank

A doença que acomete suínos continua a se espalhar pelos países da Ásia e da Europa

De acordo com o relatório do Rabobank, a china deve perder 50% do seu plantel suíno em 2019. A escala de declínio esperado na China em 2019 é sem precedentes e segundo o banco levará a uma produção de carne suína ainda mais baixa em 2020, e isso continuará a ter efeitos nos próximos anos.

Devido à grande liquidação no primeiro semestre, o declínio na produção de carne suína é mais lento que a perda de rebanho. O relatório estima uma queda de 25% na produção de carne suína para 2019. Dado o declínio do rebanho de matrizes, a oferta de suínos em 2020 será menor que 2019. Esperamos uma queda adicional de 10% a 15% na produção de suínos em 2020

O reabastecimento da produção foi experimentado em pequena escala em 2019, mas poucos tiveram sucesso. O Rabobank espera um reabastecimento em larga escala somente em 2020.

Preços da carne batem recorde em agosto

Devido à queda nos níveis de produção e à escassez geral de oferta, os preços da carne suína em agosto excederam o recorde anterior estabelecido em 2016 - e deve aumentar ainda mais segundo o banco.

Frente a isso, e também a preocupação dos consumidores, o consumo de carne suína deve cair e em contrapartida todas as outras proteínas terão aumento de preço.

A carne de frango como o principal substituto da carne suína, provavelmente terá um forte crescimento da produção e esse impulso continuará em 2020.

Vietnã

Segundo o relatório a produção de carne suína do Vietnã deve diminuir de 15% a 20% em 2019, com base na atual perda de rebanho de 14%. Prevê-se que a população de matrizes em declínio reduza a produção de suínos em 5% adicionais em 2020.

O déficit de oferta / demanda será parcialmente preenchido com o aumento das importações. Dado o aumento dos preços, o consumo per capita deverá cair 12% em 2019.

PSA continua a se espalhar pela Europa

Novos surtos na Eslováquia e na Sérvia, um produto contaminado com o vírus da PSA interceptado no Reino Unido, e a disseminação contínua de doença na Europa Central e Oriental ameaçam a Europa.

O surto na Bélgica continua grave, apesar dos progressos realizados no controle da propagação. Em julho de 2019, apenas dois novos casos foram relatados, bem menos dos mais de 200 casos em fevereiro de 2019.

A PSA continua a se espalhar na Europa Central e Oriental. A Romênia, em particular, foi desafiada pela doença em animais domésticos, devido à natureza generalizada das operações agrícolas no quintal.

Em toda a Europa, a maioria dos produtores continua cautelosa quanto à expansão, apesar dos preços mais altos sugerirem boas margens disponíveis.

Os preços do suíno subiram nas últimas semanas, atingindo novos níveis. Na Holanda, Alemanha e Espanha, por exemplo, os preços atingiram seus níveis mais altos dos últimos cinco anos. Isso reflete uma lenta redução no rebanho suíno em um momento de forte demanda de exportação, e, como resultado, o banco acredita que os preços continuem elevados.

Caroline Mendes/Redação SI
Deixe seu Recado