Alltech
Peste Suína Africana AveSui Inside Cooperativas Agroindústrias Bem - Estar Animal América Latina Comentário Suíno Economia Empresas Exportação Eventos e Cursos Genética Geral Insumos Manejo Meio Ambiente Mercado Externo Mercado Interno Nutrição Piscicultura Pesquisa e Desenvolvimento Processamento de Carne Sanidade Sustentabilidade Saúde Animal Tecnologia Revista Todos os Vídeos TV Gessulli no YouTube Edições Revista Digital Anuncie
Argentina

Recomendações para reforçar a biossegurança em fazendas de suínos

O Senasa busca auxiliar na prevenção de doenças, evitar perdas produtivas e resguardar o estado sanitário alcançado

Redação com informações de Argentina.gob
20-Abr-2021 16:51

Atualmente a República Argentina é reconhecida como um país livre de peste suína clássica (PSC) , peste suína africana (FSA) e síndrome respiratória reprodutiva suína (PRRS) , doenças de grande impacto na produção e com ampla distribuição a nível .internacional.

Para manter este estado sanitário, o Serviço Nacional de Saúde e Qualidade Agroalimentar (Senasa) lembra aos suinocultores a importância de reforçar as medidas de biossegurança nas explorações, para evitar a entrada de agentes infecciosos.

A biossegurança inclui normas ou procedimentos que devem ser incorporados para preservar a saúde dos animais em uma fazenda, independentemente de seu tamanho e nível de tecnologia.

As doenças podem ser trazidas para a fazenda e transmitidas diretamente, por exemplo, por meio de reposição de animais, repovoamento e também de mãe para filho. Outra via de entrada é a transmissão indireta, devido ao vento, veículos, pessoas, equipamentos, água, comida e / ou contato com animais fora do estabelecimento.

A aplicação de uma boa estratégia de gestão e biossegurança permite reduzir o risco de introdução de doenças, de forma a salvaguardar o estado sanitário da exploração, bem como realizar uma produção sustentada e rentável, que cumpra os requisitos estabelecidos a nível nacional. e internacional para comercializar animais e seus derivados.

Boas práticas na produção de suínos também incluem o bem-estar animal e o uso responsável de antimicrobianos, para evitar a resistência antimicrobiana (AMR) .

Recomenda-se aos produtores que tomem medidas de prevenção extremas em seus estabelecimentos, seguindo as recomendações de organizações internacionais, como a Organização Mundial da Saúde Animal (OIE): Forneça aos animais comida e água seguras.

Caso recebam restos de alimentos de origem animal, devem ser previamente aquecidos para garantir a eliminação de eventuais patógenos exóticos, como o  vírus da peste suína clássica, por duas vias possíveis:

até 90 ° C por pelo menos 60 minutos com agitação contínua;

até 121 ° C por pelo menos 10 minutos, a uma pressão absoluta de 3 bar

  • Controle de pragas e insetos.
  • Garantir a boa saúde dos animais que entram na fazenda.
  • Não troque máquinas e equipamentos com outros estabelecimentos.
  • Mantenha as cercas perimetrais e as portas de acesso em boas condições.
  • Restrinja as visitas tanto quanto possível.
  • Efetuar um tratamento adequado de efluentes e cadáveres.
  • Limpe e desinfete os veículos que entram e saem da fazenda.

A aplicação de estritas medidas de biossegurança permite cuidar da saúde dos animais, dos rendimentos produtivos esperados, do estado sanitário alcançado pela Argentina e dos mercados de exportação de animais vivos, produtos e subprodutos de origem suína.

Utilizamos cookies para que você tenha a melhor experiência de navegação, para medir o tráfego, e para fins de marketing. Para mais informações, por favor visite nossa política de privacidade. Política de Privacidade