Guia Gessulli
Peste Suína Africana AveSui Inside Cooperativas Agroindústrias Bem - Estar Animal América Latina Comentário Suíno Economia Empresas Exportação Eventos e Cursos Genética Geral Insumos Manejo Meio Ambiente Mercado Externo Mercado Interno Nutrição Piscicultura Pesquisa e Desenvolvimento Processamento de Carne Sanidade Sustentabilidade Saúde Animal Tecnologia Revista Todos os Vídeos TV Gessulli no YouTube Edições Revista Digital Anuncie
Sanidade

Reconhecimento da OIE anima segmento da suinocultura do Rio Grande do Sul e do Paraná

Os dois Estados devem receber em maio o status dado pela Organização Mundial de Saúde Animal (OIE) de “território livre de febre aftosa sem vacinação”, o que gerará a oportunidade de entrarem em mercados internacionais mais restritos

Redação SI
30-Abr-2021 09:43

Os segmentos de suinocultura dos Estados do Rio Grande do Sul e do Paraná receberam com animação a notícia do provável reconhecimento da OIE como zona livre de febre aftosa que ocorrerá agora em maio. O mesmo status que Santa Catarina já possui. Mais do que uma simples classificação, a decisão irá impactar positivamente a nas vendas de suínos tanto para o mercado externo quando para o interno.

Segundo o presidente da Associação de Criadores de Suínos do Rio Grande do Sul (ACSURS), Valdecir Luis Folador, a mudança trará para a suinocultura gaúcha uma situação diferenciada, com a possibilidade de acessar mercados que hoje não consegue, devido a barreiras sanitárias. “A mudança nos coloca em um patamar de evidência, vamos para prateleira de cima e aos olhos dos nossos compradores e importadores, ganhamos pontos e nos consolidamos. Atualmente, somos o segundo maior exportador de carne suína do Brasil e o terceiro produtor. Isso nos manterá muito atuantes no mercado externo com mais credibilidade e portas abertas dependendo só de negociações comerciais e da necessidade de quem precisa comprar”, ressalta o presidente da ACSURS.

No Paraná, a expectativa é que com a mudança de status fornecida pela OIE haja um impacto positivo, seja a curto prazo, e o Estado consiga exportar carne suína para países como Japão, Coreia do Sul e México, destinos que hoje não são acessados exatamente pela barreira sanitária.

O presidente da ACSURS ressalta que a conquista foi fruto de muito trabalho. “O segmento realizou investimentos, o setor público fez sua parte seguindo as recomendações do Ministério da Agricultura, implementamos todas as ações necessárias para garantir que atendêssemos as exigências da OIE”.

No Paraná, produtores de suínos e associações ligadas ao segmento têm planos ambiciosos e esperam que com essa mudança de status, o Estado não só exporte, mas também assuma a liderança na produção brasileira, que atualmente pertence à Santa Catarina.

No Rio Grande do Sul, o otimismo também é grande com a nova demanda que deverá surgir. “Estamos crescendo anualmente, 2%, 3%, 4%; possuímos um parque industrial fantástico, temos oito plantas frigoríficas habilitadas a exportar para Ásia e outras tantas habilitadas para outros países. Temos que continuar com a mesma responsabilidade na questão da sanidade, cuidados devem ser redobrados tanto na suinocultura como na bovinocultura, trabalhando intensamente junto ao setor público, que é o responsável pelo controle e fiscalização para que tudo seja feito dentro das normas da legalidade e dos protocolos determinados para mantermos esse status conquistado”, afirma Folador.

Utilizamos cookies para que você tenha a melhor experiência de navegação, para medir o tráfego, e para fins de marketing. Para mais informações, por favor visite nossa política de privacidade. Política de Privacidade