Guia Gessulli
Peste Suína Africana AveSui Inside Cooperativas Agroindústrias Bem - Estar Animal América Latina Comentário Suíno Economia Empresas Exportação Eventos e Cursos Genética Geral Insumos Manejo Meio Ambiente Mercado Externo Mercado Interno Nutrição Piscicultura Pesquisa e Desenvolvimento Processamento de Carne Sanidade Sustentabilidade Saúde Animal Tecnologia Revista Todos os Vídeos TV Gessulli no YouTube Edições Assine a Revista Revista Digital Anuncie
Novas Tecnologias

Reconhecimento facial de suínos revoluciona granjas na China

A criação automatizada tem o potencial de ser mais segura e barata e de melhorar os resultados de bem-estar animal

The Guardian, traduzido por redação SI
15-Dez-2020 09:10 - Atualizado em 15/12/2020 09:25

Um focinho delgado. Orelhas bem torneadas e eretas. Assim como os humanos, os suínos têm faces idiossincráticas, e novos participantes no mercado de suínos chinês estão percebendo, experimentando versões cada vez mais sofisticadas de software de reconhecimento facial para porcos.

A China é o maior importador mundial de carne suína e deve aumentar a produção em 9% no próximo ano. À medida que as granjas de suínos do país crescem em escala, mais suinocultores estão recorrendo a sistemas de IA, como a tecnologia de reconhecimento facial - conhecida como FRT - para monitorar, identificar e até alimentar continuamente seus rebanhos.

Este estilo automatizado de criação tem o potencial de ser mais seguro, barato e geralmente mais eficaz: em 2018, os criadores de suínos na província chinesa de Guangxi testando FRT descobriram que isso reduzia os custos, o tempo de reprodução e melhorava os resultados de bem-estar para os próprios animais.

Mas também tem o potencial de deixar para trás produtores independentes de pequena escala, que não podem se dar ao luxo de introduzir esse tipo de tecnologia em suas operações.

Como disse um produtor de Guangxi ao Guardian, o FRT simplesmente não é uma opção para muitos agricultores.

“Granjas com menos de cem porcos não podem se dar ao luxo de rastrear os rostos [dos porcos]”, diz ele.

O FRT é capaz de diferenciar os suínos analisando seus focinhos, orelhas e olhos. O sistema usado nas granjas de Guangxi rastreia constantemente os pulsos de suínos e as taxas de suor; ao mesmo tempo, o software de reconhecimento de voz monitora as taxas de tosse de cada animal.

Desta forma, ele é capaz de detectar sinais de alerta antes que um porco fique doente ou com fome. Por ser um animal “altamente expressivo”, as câmeras são até capazes de reconhecer o sofrimento no rosto dos animais.

AveSui2021_dentro

“Se eles não estão felizes e não estão comendo bem, em alguns casos, você pode prever se o porco está doente”, disse Jackson He, CEO da Yingzi Technologies, que desenvolveu o software.

Yingzi é uma das poucas startups que estão revolucionando a indústria de suínos de US$ 70 bilhões (£ 52 bilhões) do país. Isso acontece depois de dois anos turbulentos em que a indústria suína da China foi devastada por surtos da peste suína africana, levando à morte de 40% dos porcos do país.

Uma indústria de suínos de alta tecnologia, com um número menor de empresas muito maiores, está no centro da resposta do Estado ao desastre.

Em uma fazenda Yingzi, câmeras de vigilância são conectadas a distribuidores de ração - permitindo que o sistema administre planos de alimentação individualizados.

Os produtores também recebem notificações personalizadas por meio de um aplicativo, permitindo que eles ajustem as rações manualmente, se assim desejarem. Tudo isso contribui para uma relação mais direta entre o produtor e o animal - mas a tecnologia também permite que os suinocultores sejam mais eficientes.

Ao rastrear suínos do nascimento ao abate, empresas como a Yingzi podem construir um banco de dados de informações sobre a taxa de crescimento de cada animal. Isso permite que os suinocultores reduzam o desperdício de comida em até 20%, com o sistema FRT otimizando a quantidade de comida servida a cada animal.

A pecuária de precisão (PLF), como esse tipo de sistema autocalibrado é amplamente conhecido, está ajudando a fortalecer os resultados financeiros em granjas em todo o país - e não simplesmente por limitar o desperdício. Com o tempo, dados coletados de milhares de porcos permitiram que a Yingzi e seus concorrentes refinassem constantemente esses algoritmos.

AveSui2021_dentro

O equilíbrio certo de nutrientes, no estágio certo do crescimento ou do ciclo estral, pode reduzir o ciclo reprodutivo em até duas semanas, de acordo com uma fonte da empresa, e pode até melhorar a qualidade e o sabor da carne suína.

Em um país onde vivem mais da metade dos suínos do mundo, não é surpreendente que o advento da agricultura FRT tenha se mostrado um grande gerador de dinheiro. No ano passado, a Yingzi implementou seu sistema Future Pig Farm para centenas de granjas no sudeste da China, o que permitiu que os agricultores individuais cortassem os custos de criação de 30% a 50%, de acordo com os agricultores que falaram com o Guardian.

Um dos maiores concorrentes da Yingzhi - a JingQiShen Organic Agriculture - instalou sua versão do FRT em mais de 200 barracões, que juntos são capazes de produzir 200.000 animais por ano. Nos próximos três anos, ela espera ter 3 milhões de suínos cobertos pela FRT - em grande parte em faixas do nordeste nevado da China.

O especialista britânico em aprendizado de máquina, Prof Mark Hansen, diz que esse novo tipo de agricultura é “certamente mais humano” do que os métodos tradicionais. Ele menciona que o FRT substitui a necessidade de marcar as orelhas dos porcos com clipes RFID de ferro fundido; também marca uma mudança de cuidados de saúde reativos para proativos. Hansen descreve o sucesso de empresas como a Yingzi como um “ganha-ganha” tanto para suínos quanto para suinocultores.

Mas os benefícios da FRT provavelmente não alcançarão todos os agricultores. Chen Haokai, um dos cofundadores da startup de agricultura inteligente SmartAHC, estima que o custo de mão de obra para monitorar o rosto dos suínos gira em torno de US$ 7 por cabeça - ao contrário da marcação tradicional, que ele diz custar cerca de US$ 0,30 por animal. Além disso, os custos fixos de instalação, como um banco de dados central e infraestrutura em nuvem, podem custar centenas de milhares de dólares.

AveSui2021_dentro

Se esses desenvolvimentos se mostrarem muito caros para os pequenos agricultores, provavelmente concentrarão ainda mais o capital agrícola nas mãos de apenas alguns. Nas décadas de 1980 e 90, cerca de 80% da carne suína chegava aos pratos chineses em pequenas granjas de quintal - em 2018, esse saldo havia mudado, com 80% vindo de granjas com 500 ou mais animais.

Na verdade, o FRT atraiu o interesse de algumas das maiores empresas do país. Alibaba, Tencent, JD.com e Netease abriram subsidiárias e se mudaram para o setor agrícola pela primeira vez.

As granjas em grande escala, apoiadas por corporações de investimento interessadas em se expandir no setor agrícola, provavelmente continuarão a colher os frutos dessas novas tecnologias, deixando os pequenos agricultores lutando para competir.

Muitos dos maiores produtores industriais de carne suína registraram lucros recordes durante o surto de PSA.

Embora possa estar tornando a suinocultura mais humana e lucrativa, não está claro se o avanço da China neste novo estilo remoto e de alta tecnologia beneficiará sua população rural.

Durante a pandemia Covid-19, as empresas FRT se concentraram em melhorar sua tecnologia de agricultura inteligente, em vez de optar por torná-la mais acessível; em maio, a Yingzi atualizou seu aplicativo 3D Pig Farming, uma plataforma de RV de controle remoto que, de acordo com o CEO Jackson He, torna o gerenciamento de granjas de suínos mais semelhante a “jogos”.