AveSui
Peste Suína Africana AveSui Inside Cooperativas Agroindústrias Bem - Estar Animal América Latina Comentário Suíno Economia Empresas Exportação Eventos e Cursos Genética Geral Insumos Manejo Meio Ambiente Mercado Externo Mercado Interno Nutrição Piscicultura Pesquisa e Desenvolvimento Processamento de Carne Sanidade Sustentabilidade Saúde Animal Tecnologia Revista Todos os Vídeos TV Gessulli no YouTube Edições Revista Digital Anuncie
Comentário

Relação entre o nível aminoacídico da dieta e o efeito da ractopamina

A maior deposição muscular nos animais suplementados com ractopamina, pode aumentar a demanda principalmente por aminoácidos, alterando as exigências nutricionais dos suínos

Marcos H. Soares

Assessor Técnico, Vaccinar

31-Ago-2021 13:51 - Atualizado em 31/08/2021 15:51

A ractopamina é frequentemente utilizada na suinocultura brasileira, principalmente para suínos em fase final de acabamento. Sua utilização tem por objetivo  alterar a dinâmica de deposição tecidual, aumentando a deposição muscular em detrimento ao tecido adiposo (Gunawan et al., 2007). 

A maior deposição muscular nos animais suplementados com ractopamina, pode  aumentar a demanda principalmente por aminoácidos, alterando as exigências  nutricionais dos suínos (Webster et al., 2007; Andretta et al., 2011). 

Segundo Apple et al. (2004) a ação da ractopamina é influenciada por diversos  fatores dietéticos, como concentração de lisina e energia metabolizável. Entretanto,  diversos trabalhos demostraram que a o aumento da energia metabolizável acima do  requerimento parece ter efeito pouco evidente sobre o desempenho e características de  carcaça de suínos consumindo ractopamina (Williams et al., 1994; Dunshea et al., 1998;  Apple et al., 2004). Já o aumento da deposição muscular pode estar relacionado com  maior necessidade aminoacídica na dieta, principalmente da lisina, devido à relação direta  entre a mesma e a deposição muscular (Apple et al., 2004). 

Suínos consumindo ractopamina alteram o perfil aminoacídico depositado no  músculo esquelético. A concentração de lisina depositada no músculo de suínos  suplementados aumenta de 6,80 para 7,15% (Schinckel et al., 2003). Sendo este um  indicio de que a concentração de lisina dietética deva ser aumentada para que a  ractopamina alcance seu máximo efeito.  

Em estudo meta-analítico, Andretta et al. (2012) relataram que em suínos  consumindo ractopamina, o aumento da área de olho de lombo está positivamente  correlacionado com o aumento da concentração de lisina dietética. Além disso, suínos  suplementados com ractopamina consumindo quantidade superior de lisina e correção da  relação aminoacídica, apresentam 14% a mais de ganho de peso, 17% a mais de carne na  carcaça e 34% a menos de gordura, quando comparado a animais suplementados, mas, com conteúdo de lisina normal.  

Webster et al. (2007) realizaram um estudo avaliando níveis de ractopamina (0, 5  e 10 ppm) e níveis de lisina (0,6; 0,8; 1,0; 1,2; 1,4%) para suínos em terminação. Os 

pesquisadores relataram que quando os animais consomem 5 ppm de ractopamina o nível  de lisina que promove melhor resultado é 1,0%. E quando os animais são suplementados  com 10 ppm, o melhor nível de lisina a se utilizar é 1,2%.  

No Brasil, o principal manual de referências nutricionais, elaborado por Rostagno  et al., (2017) sugere aumento na exigência de lisina de acordo com a concentração de  ractopamina utilizada e o tempo suplementado. Segundo os autores, em um período de  suplementação de 28 dias, com as concentrações de 5, 10, 15, e 20 ppm de ractopamina 

deve haver aumento no fornecimento de lisina digestível de 0,123, 0,146, 0,167, 0,187%  respectivamente. Considerando a exigência de suínos machos castrados, isso refletiria em um aumento de 18,9% na contração de lisina da dieta sem suplementação para a dieta  com 20 ppm de ractopamina.  

Todavia, Souza et al., (2019) avaliaram níveis de lisina digestível em dietas sem  e com 10 ppm de ractopamina, e relataram que 0,73% de lisina em dietas foi adequado  para suínos castrados sem suplementação, já para os animais suplementados a  concentração de 1,03% de lisina nas dietas promoveu melhor desempenho e  características de carcaça. Desta forma, para o máximo efeito da adição de 10 ppm de  ractopamina foi necessário um incremento de 29% de lisina digestível. 

Há coerência de que a ractopamina aumenta o requerimento nutricional de lisina,  mas a concentração ideal ainda necessita ser estabelecida. Além disso, os resultados de  pesquisa referentes ao requerimento de lisina de acordo com a suplementação de  ractopamina são variados devido à divergência de tempo de suplementação, genótipo  utilizado e concentração de ractopamina.  

De maneira geral, o aumento entre 19 a 20% de lisina digestível em dietas  suplementadas com ractopamina, apresenta bons resultados de desempenho e  características de carcaça (Marcolla et al., 2017; Brustolini et al., 2019), sendo este  aumento aconselhado até a novos trabalhos determinarem a real variação da exigência 

aminoacídica com o uso da ractopamina. Ademais, é importante ressaltar que com o  aumento do fornecimento de lisina é necessário ajustar os demais aminoácidos mantendo  a relação adequada com a lisina digestível, como preconizada por Rostagno et al., (2017). 

Referências Bibliográficas 

Andretta, I. et al. Meta-analysis of the relationship between ractopamine and  dietary lysine levels on carcass characteristics in pigs. Livestock Science, v. 143, n. 1, p.  91-96, 2012. 

Andretta, I. et al. Relação da ractopamina com componentes nutricionais e desempenho  em suínos: um estudo meta-analítico. Ciência Rural, v. 41, n. 1, p. 186-191, 2011. 

Apple, J. K. et al. Effects of dietary lysine and energy density on performance and carcass  characteristics of finishing pigs fed ractopamine. Journal of Animal Science, v. 82, n.  11, p. 3277-3287, 2004. 

Brustolini, A. P. L. et al. Interactive effects of feed allowance and ractopamine  supplementation on growth performance and carcass traits of physically and  immunologically castrated heavy weight pigs. Livestock Science, v. 228, p. 120-126,  2019. 

Dunshea, F. R. et al. Interrelationships between dietary ractopamine, energy intake, and  sex in pigs. Australian Journal of Agricultural Research, v. 49, n. 4, p. 565-574, 1998. 

Gunawan, A. M. et al. Ractopamine induces differential gene expression in porcine  skeletal muscles. Journal of Animal Science, v. 85, n. 9, p. 2115-2124, 2007. 

Marcolla, C. S. et al. Chromium, CLA, and ractopamine for finishing pigs. Journal of  Animal Science, v. 95, n. 10, p. 4472-4480, 2017. 

Rostagno, H. S. et al. Tabelas brasileiras para aves e suínos. Composição de alimentos  e exigências nutricionais, v. 2, p. 186, 2011. 

Schinckel, A. P. et al. Development of a model to describe the compositional growth and  dietary lysine requirements of pigs fed ractopamine. Journal of Animal Science, v. 81,  n. 5, p. 1106-1119, 2003. 

Souza, M. F. et al. Effect of ractopamine on digestible-lysine requirement for finishing  barrows under thermoneutral conditions. Animal Production Science, v. 59, n. 3, p. 531- 542, 2019. 

Webster, M. J. et al. Interactive effects between ractopamine hydrochloride and dietary  lysine on finishing pig growth performance, carcass characteristics, pork quality, and  tissue accretion. The Professional Animal Scientist, v. 23, n. 6, p. 597-611, 2007. 

Williams, N. H. et al. The impact of ractopamine, energy intake, and dietary fat on finisher  pig growth performance and carcass merit. Journal of Animal Science, v. 72, n. 12, p.  3152-3162, 1994.

Assuntos do Momento

19 de Outubro de 2021
Diversidade Cultural

Mais de 120 colaboradores da BRF carimbam o passaporte e atuam em diferentes países

Com experiência no exterior e apoio da Companhia, profissionais enriquecem currículo, compartilham conhecimentos e promovem a diversidade cultural

BRF anuncia mais habilitações de Cingapura para exportação de produtos suínos
22 de Outubro de 2021
Expansão

BRF anuncia mais habilitações de Cingapura para exportação de produtos suínos

Já a unidade de Lucas do Rio Verde (MT) obteve autorização para a venda de suínos e seus miúdos

BRF investe R$ 5,5 milhões em modernização do laboratório industrial em Lucas do Rio Verde
20 de Outubro de 2021
Investimento

BRF investe R$ 5,5 milhões em modernização do laboratório industrial em Lucas do Rio Verde

Estrutura foi ampliada e conta com os mais modernos equipamentos para garantir a qualidade da análise de produtos da Companhia 

22 de Outubro de 2021
Evento

BRF marca presença na Expo Dubai 2020

Companhia mantém importante atuação no mercado Halal com indústrias na região e exportação de produtos a partir de diversas unidades pelo Brasil

Veto da China à carne bovina brasileira já dura mais de um mês e assusta governo
19 de Outubro de 2021
Suspensão

Veto da China à carne bovina brasileira já dura mais de um mês e assusta governo

No início de setembro, o Brasil suspendeu os embarques da proteína ao país asiático depois da confirmação de casos da vaca louca

Brasil conclama China a avançar no comércio de carne
20 de Outubro de 2021
Negociação

Brasil conclama China a avançar no comércio de carne

Embaixador brasileiro diz que o governo acredita em progresso no reconhecimento pela China do status do Brasil como livre de febre aftosa e como um país de ‘risco insignificante’ para a doença da vaca louca

Mais assuntos do momento
Utilizamos cookies para que você tenha a melhor experiência de navegação, para medir o tráfego, e para fins de marketing. Para mais informações, por favor visite nossa política de privacidade. Política de Privacidade