Guia Gessulli
Peste Suína Africana AveSui Inside Cooperativas Agroindústrias Bem - Estar Animal América Latina Comentário Suíno Economia Empresas Exportação Eventos e Cursos Genética Geral Insumos Manejo Meio Ambiente Mercado Externo Mercado Interno Nutrição Piscicultura Pesquisa e Desenvolvimento Processamento de Carne Sanidade Sustentabilidade Saúde Animal Tecnologia Revista Todos os Vídeos TV Gessulli no YouTube Edições Revista Digital Anuncie
Argentina

São relembradas medidas para prevenir e controlar a triquinose

É uma doença zoonótica parasitária endêmica transmitida de suínos para humanos pela ingestão de carne e salsichas em más condições

Redação com informações de Argentina.gob
20-Abr-2021 17:04

O Serviço Nacional de Saúde e Qualidade Agroalimentar (Senasa) lembra aos consumidores de produtos e derivados suínos, as medidas que eles devem levar em conta para prevenir a disseminação da triquinose.

A triquinose é uma zoonose parasitária endêmica na Argentina. As pessoas adoecem por consumir carne crua mal passada ou produtos feitos de carne de porco ou de caça (principalmente javalis e pumas), que contêm larvas de parasitas do gênero Trichinella em seus músculos. Por esse motivo, também é considerada uma doença transmitida por alimentos (ETA).

“O abate de suínos e o abate caseiro no campo promovem a distribuição e comercialização de produtos suínos feitos de forma artesanal e como a carne crua é utilizada nesse processo, essas linguiças e salames, que não têm controle sanitário rigoroso, podem contêm larvas do parasita causador da doença ”, explica Nestor Osacar, coordenador de Saúde Animal do Centro Regional de Buenos Aires Norte.

“Assim que as pessoas ingerem os produtos infectados, as larvas são liberadas no estômago, continuam seu ciclo no intestino até se reproduzirem e as larvas eclodidas migram pela corrente sanguínea para os músculos, onde se alojam. Todo esse processo pode causar sintomas como: febre, diarreia, edema palpebral, vômitos, coceira na pele, dores e dificuldades motoras, e se não for diagnosticado e tratado a tempo, até causar a morte ”, explicou o profissional.

Dessa forma, essa doença tem forte impacto na saúde humana, uma vez que o quadro clínico é muito variável, podendo ir desde uma condição assintomática até uma doença fatal, dependendo do número de larvas ingeridas e do estado imunológico do hospedeiro.

Por isso, o Senasa recomenda aos consumidores que não comprem produtos suínos que não tenham o selo de identificação correspondente. Este rótulo informa quem fez o alimento, condição determinante para demonstrar a segurança e rastreabilidade do produto adquirido e assim saber se foi submetido ao teste de digestão artificial em laboratório.

Por fim, Osacar destacou que “este teste diagnóstico é obrigatório e deve ser realizado por todo produtor que faz frios e consiste na análise de uma amostra de carne (vísceras) de cada porco abatido, única condição para detectar larvas de Triquinela. Spp” e evitar que a doença passe de porcos para humanos ”.

Também é importante observar que a carne de porco deve ser cozida corretamente até que seu interior perca a cor rosada. Cozinhar mata as larvas que transmitem a doença.

A conscientização da importância da prevenção da triquinose contribui para modificar certas práticas culturais na produção e consumo de embutidos, promovendo uma alimentação responsável, evitando riscos e consumindo alimentos seguros.

Utilizamos cookies para que você tenha a melhor experiência de navegação, para medir o tráfego, e para fins de marketing. Para mais informações, por favor visite nossa política de privacidade. Política de Privacidade