Guia Gessulli
Peste Suína Africana AveSui Inside Cooperativas Agroindústrias Bem - Estar Animal América Latina Comentário Suíno Economia Empresas Exportação Eventos e Cursos Genética Geral Insumos Manejo Meio Ambiente Mercado Externo Mercado Interno Nutrição Piscicultura Pesquisa e Desenvolvimento Processamento de Carne Sanidade Sustentabilidade Saúde Animal Tecnologia Revista Todos os Vídeos TV Gessulli no YouTube Edições Assine a Revista Revista Digital Anuncie
Saúde animal

Saúde Animal fecha com resultado positivo, mas empresas devem "enxugar" portfólios em 2021

O principal motivo é o aumento nos custos durante a pandemia. Por outro lado, levantamento do Sindan indica quase 50% das empresas atingiram seus objetivos traçados para o ano e quase 10% indicaram que obtiveram resultados ainda melhores do que o esperado

Redação SI
04-Jan-2021 10:00

O setor de Saúde Animal irá fechar 2020 com um faturamento próximo dos US$ 7 bilhões, o que representa um crescimento em torno de 7% no comparativo com o ano passado. O número é uma estimativa preliminar do Sindicato das Indústrias de Produtos para Saúde Animal (Sindan). O avanço se deu em um ano de extremos desafios, causados principalmente pela pandemia de Covid-19, que dificultou a aquisição de ativos e insumos importados para a fabricação de vacinas e medicamentos.

O surto de Covid-19 também gerou uma série de novos custos relacionados as medidas protetivas dos colaboradores das indústrias, além das que envolvem a distribuição logística de todos os produtos. Outro impacto importante foi a alta do dólar, que encareceu desde embalagens até a aquisição dos insumos no mercado internacional, já que boa parte tem origem na Ásia.

“Sendo uma atividade essencial, tivemos o benefício de continuar operando nossas unidades fabris, o que fizemos com eficiência, tanto que não houve falta de produto veterinário no mercado em nenhum momento, só que ainda precisamos apurar qual foi o custo total para que o setor se mantivesse funcionando, pois todas as medidas adotadas encareceram nossas operações”, comenta Emílio Carlos Salani, vice-presidente executivo do Sindan.

Mesmo diante deste cenário desafiador, uma pesquisa realizada pela entidade junto a seus associados demonstrou otimismo com metas atingidas e até superadas ao final deste ano. O levantamento “Termômetro da Indústria de Saúde Animal” apontou que os impactos na indústria veterinária tendem a ser menores do que se imaginava há alguns meses.

Para 48,6% dos respondentes, os objetivos traçados no início de 2020 serão plenamente alcançados, enquanto 8,6% indicam que as metas não só serão atingidas, mas superadas neste ano. “Isto tudo é um bom indicativo para o fechamento do ano, mas não podemos esquecer que todo o cenário de desafios vividos exerceu uma pressão grande sobre os portfólios das empresas, cujas margens são pequenas e com pouca flexibilidade”, explica Salani.

AveSui2021_dentro

Neste contexto, o próximo ano deve ser marcado por um “enxugamento” nas linhas de produtos das empresas, seja biológicos ou medicamentosos, visando exatamente otimizar os processos fabris e de distribuição no mercado. De acordo com Salani, este é um processo natural do mercado, que constantemente reavalia seus perfis de embalagens ou até mesmo produtos, mas que tende a ser um pouco mais intenso no próximo ano devido ao contexto econômico.

“As indústrias devem promover reestruturações internas visando melhorias de ganhos ao deixar de comercializar o produto em embalagens com menor demanda no mercado, ou até mesmo de eficiência no frete ao adotar caixas coletivas com bulário dentro, por exemplo”, explica o executivo.

Continue lendo gratuitamente na revista digital...