Guia Gessulli
Peste Suína Africana AveSui Inside Cooperativas Agroindústrias Bem - Estar Animal América Latina Comentário Suíno Economia Empresas Exportação Eventos e Cursos Genética Geral Insumos Manejo Meio Ambiente Mercado Externo Mercado Interno Nutrição Piscicultura Pesquisa e Desenvolvimento Processamento de Carne Sanidade Sustentabilidade Saúde Animal Tecnologia Revista Todos os Vídeos TV Gessulli no YouTube Edições Revista Digital Anuncie
Saúde animal

Saúde Animal fecha com resultado positivo, mas empresas devem "enxugar" portfólios em 2021

O principal motivo é o aumento nos custos durante a pandemia. Por outro lado, levantamento do Sindan indica quase 50% das empresas atingiram seus objetivos traçados para o ano e quase 10% indicaram que obtiveram resultados ainda melhores do que o esperado

Redação SI
04-Jan-2021 10:00

O setor de Saúde Animal irá fechar 2020 com um faturamento próximo dos US$ 7 bilhões, o que representa um crescimento em torno de 7% no comparativo com o ano passado. O número é uma estimativa preliminar do Sindicato das Indústrias de Produtos para Saúde Animal (Sindan). O avanço se deu em um ano de extremos desafios, causados principalmente pela pandemia de Covid-19, que dificultou a aquisição de ativos e insumos importados para a fabricação de vacinas e medicamentos.

O surto de Covid-19 também gerou uma série de novos custos relacionados as medidas protetivas dos colaboradores das indústrias, além das que envolvem a distribuição logística de todos os produtos. Outro impacto importante foi a alta do dólar, que encareceu desde embalagens até a aquisição dos insumos no mercado internacional, já que boa parte tem origem na Ásia.

“Sendo uma atividade essencial, tivemos o benefício de continuar operando nossas unidades fabris, o que fizemos com eficiência, tanto que não houve falta de produto veterinário no mercado em nenhum momento, só que ainda precisamos apurar qual foi o custo total para que o setor se mantivesse funcionando, pois todas as medidas adotadas encareceram nossas operações”, comenta Emílio Carlos Salani, vice-presidente executivo do Sindan.

Mesmo diante deste cenário desafiador, uma pesquisa realizada pela entidade junto a seus associados demonstrou otimismo com metas atingidas e até superadas ao final deste ano. O levantamento “Termômetro da Indústria de Saúde Animal” apontou que os impactos na indústria veterinária tendem a ser menores do que se imaginava há alguns meses.

Para 48,6% dos respondentes, os objetivos traçados no início de 2020 serão plenamente alcançados, enquanto 8,6% indicam que as metas não só serão atingidas, mas superadas neste ano. “Isto tudo é um bom indicativo para o fechamento do ano, mas não podemos esquecer que todo o cenário de desafios vividos exerceu uma pressão grande sobre os portfólios das empresas, cujas margens são pequenas e com pouca flexibilidade”, explica Salani.

Neste contexto, o próximo ano deve ser marcado por um “enxugamento” nas linhas de produtos das empresas, seja biológicos ou medicamentosos, visando exatamente otimizar os processos fabris e de distribuição no mercado. De acordo com Salani, este é um processo natural do mercado, que constantemente reavalia seus perfis de embalagens ou até mesmo produtos, mas que tende a ser um pouco mais intenso no próximo ano devido ao contexto econômico.

“As indústrias devem promover reestruturações internas visando melhorias de ganhos ao deixar de comercializar o produto em embalagens com menor demanda no mercado, ou até mesmo de eficiência no frete ao adotar caixas coletivas com bulário dentro, por exemplo”, explica o executivo.

Continue lendo gratuitamente na revista digital...

Utilizamos cookies para que você tenha a melhor experiência de navegação, para medir o tráfego, e para fins de marketing. Para mais informações, por favor visite nossa política de privacidade. Política de Privacidade