AveSui2021
Peste Suína Africana AveSui Inside Cooperativas Agroindústrias Bem - Estar Animal América Latina Comentário Suíno Economia Empresas Exportação Eventos e Cursos Genética Geral Insumos Manejo Meio Ambiente Mercado Externo Mercado Interno Nutrição Piscicultura Pesquisa e Desenvolvimento Processamento de Carne Sanidade Sustentabilidade Saúde Animal Tecnologia Revista Todos os Vídeos TV Gessulli no YouTube Edições Assine a Revista Revista Digital Anuncie
Mercado

Sem tradição em suínos, província argentina aposta no setor devido à demanda

Alternativa que vem ganhando espaço devido ao aumento do consumo de carne suína no mercado local

02-Dez-2020 12:06 - Atualizado em 02/12/2020 12:37

A recuperação da atividade suinícola nos últimos meses, impulsionada pelas exportações de carnes e pelo aumento do consumo interno, tem voltado a fazer da suinocultura a uma produção lucrativa. E além da distância das áreas de produção agrícola, Corrientes pode se tornar uma importante área produtiva de ciclo completo para suprir a demanda interna e externa.

Embora a província não tenha uma grande tradição como província suína, o aumento do consumo de carne suína e a recuperação que o preço do suíno vivo teve, nos últimos meses, tornam esta atividade uma alternativa válida.

Neste caso, a Compañía Porcina, uma granja de suínos de ciclo completo localizada na região de El Sombrero, é um exemplo disso. Atualmente com cerca de 250 matrizers em produção permanente, a empresa acaba fechando suínos exclusivamente para abastecer as gôndolas de uma rede de supermercados com filiais na cidade de Corrientes.

Ernesto Barbero é o dono da Compañía Porcina e também dono da rede de supermercados onde vende a carne suína que produz em El Sombrero. Ele conta que o projeto nasceu para abastecer esses pontos de venda. “Estamos produzindo tudo o que vendemos”, disse o empresário.

Barbero comentou que a produção começou há cerca de 8 anos com uma dezena de matrizes e que aos poucos foi crescendo. Hoje eles têm 250 matrizes em produção intensiva, e no mesmo estabelecimento fazem ração para os porcos, com matéria-prima trazida do Chaco, no caso do milho, e farinha de soja da região de Rosário.

“Temos um fornecedor de milho muito bom no Chaco, e temos um transporte próprio, com o qual trazemos o milho de lá. Já a farinha de soja é usada, que é um pouco mais complicada, porque é trazida de Rosário. Mas a gente faz toda a ração aqui para que o custo seja menor ”, explica Barbero

AveSui2021_dentro

Os alimentos são armazenados nos silos que o estabelecimento possui, e distribuídos nos diferentes galpões, de acordo com a ração estabelecida para cada categoria, que tem seus locais estabelecidos dentro das instalações, localizadas ao lado da Rota Nacional 12.

Com o trabalho realizado em uma fábrica localizada a poucos quilômetros daquele local e a distribuição nas filiais da rede de supermercados do mesmo grupo empresarial, o ciclo da Compañía Porcina se fecha apenas em Corrientes, além da matéria-prima para alimentos, que eles trazem de outras províncias.

“Hoje o resultado é satisfatório; mas é preciso lembrar que chegamos há quatro meses com o porco com um preço muito baixo, onde realmente não economizamos nas despesas ”, comentou Barbero.

Nesse sentido, o problema sanitário da China, onde foi detectada peste suína africana e milhões de porcos tiveram que ser abatidos, somada ao aumento do consumo interno de carne suína, fez com que o preço do animal vivo hoje se iguale ao valor da carne bovina. Com um custo de alimentação reduzido pela metade. “Neste momento, a produção de suínos é lucrativa”, disse o chefe da Compañía Porcina.

 

Obstáculos vs. potencial

Um dos obstáculos para a viabilização da produção de suínos em Corrientes é a disponibilidade de alimentação animal, que no caso desta província deve ser encontrada em outro lugar. Até a alta que o milho apresentou nos últimos meses, onde subiu para 80% por conta de fatores internos e externos, tem impacto direto na atividade.

“No porco, a subida do animal vivo acompanhou um pouco o aumento do milho. Outra coisa que tem muito a ver com o farelo de soja, que também está em alta. Isso ajusta um pouco, mas ainda dá lucro”, disse Ernesto Barbero.

AveSui2021_dentro

Questionado sobre a viabilidade de produzir suínos em Corrientes nessa escala, Barbero explicou que “o sistema tem custos muito altos, tem que fazer, mas tem custos altos. Começamos com 140 mães há alguns anos e só agora começamos a crescer um pouco. A capacidade do nosso galpão de gestação é para 320 mães. Mas se você crescer como mãe, você tem que crescer nos outros elos da cadeia produtiva e isso tem seus custos”, explicou.

Porém, o empresário comentou que “a ideia é continuar com essas 250 matrizes, mas no próximo ano, se continuar bem, completar a capacidade do incubatório, com 320 matrizes em produção”.

O consumo de carne de porco está crescendo rapidamente. Há alguns anos falava-se em 3 quilos por habitante ao ano, enquanto hoje o consumo está próximo a 20. “A carne bovina foi substituída um pouco por porco e frango; mas sem dúvida a carne de porco está se posicionando muito bem ”, comentou Barbero.

E o fato de que apenas este estabelecimento com 250 matrizes em produção permanente abastece exclusivamente uma única rede de supermercados em Corrientes, abre um leque de possibilidades e alternativas em torno do porco.