Rainha da Paz
Peste Suína Africana AveSui Inside Cooperativas Agroindústrias Bem - Estar Animal América Latina Comentário Suíno Economia Empresas Exportação Eventos e Cursos Genética Geral Insumos Manejo Meio Ambiente Mercado Externo Mercado Interno Nutrição Piscicultura Pesquisa e Desenvolvimento Processamento de Carne Sanidade Sustentabilidade Saúde Animal Tecnologia Revista Todos os Vídeos TV Gessulli no YouTube Edições Revista Digital Anuncie
Argentina

Setor de suínos foi o mais dinâmico da economia argentina na última década

Exportações do setor de suínos em 2020 atingiram novo recorde em volumes

Redação com informações de tradenews
30-Abr-2021 09:23 - Atualizado em 30/04/2021 09:43

No ano passado foi o décimo aumento consecutivo na produção de carne suína (foi alcançada uma taxa média de crescimento anual de 8% na última década), número que torna o setor o mais dinâmico da economia argentina.

Segundo dados da  IES Consultores , as exportações do setor de suínos em 2020 atingiram novo recorde em volumes e valores, impulsionadas pela demanda da China.

No primeiro bimestre de 2021, as vendas externas mantiveram o forte impulso que perduram desde 2016, e cresceram 75,1% em valor (US $ 12,8 milhões) e 43,7% em quantidades (6.600 toneladas).

Relatório da IES Consultores explica que a Argentina era tradicionalmente importadora de subprodutos suínos, já que a produção local era insuficiente para abastecer o mercado interno.

A partir de 2018, a abertura do mercado chinês à carne suína argentina permitiu dinamizar as vendas externas.

No primeiro bimestre de 2021, foram importadas 6.100 toneladas (53% a mais em relação ao mesmo período de 2020), enquanto, em valores, as compras somaram US $ 16 milhões (o que significa um aumento de 32,5% em relação ao mesmo período de 2019).

Registro produtivo

Após o recorde de produção de 2020, no primeiro bimestre de 2021 a expansão da produção de carne suína continuou, com aumento de 5,1% na produção (101,1 mil toneladas) e aumento de 2% no abate.

A expansão setorial é explicada pela maior demanda interna (consumo recorde em 2020) e pelo aumento robusto das exportações de suínos devido à forte demanda da China.

No entanto, apesar do aumento da produção no primeiro bimestre de 2021, o nível de produção em fevereiro foi 14,7% menor que em dezembro, o que acende um sinal de alerta, pois se permanecer nos níveis atuais, poderá haver desaceleração do setor no setor próximos meses, alerta o trabalho da IES Consultores.

Alejandro Ovando, Diretor da IES Consultores Consultores, explicou que “o consumo interno está diminuindo e, apesar de ter uma relação favorável de preços com relação à carne bovina, a perda de poder aquisitivo representa um limite para que ela continue crescendo no ano”.

Consumo

Favorecido pela evolução dos preços relativos das carnes substitutas, o consumo aparente de carne suína (cortes in natura e embutidos) atingiu, no ano passado, um máximo de 636,5 mil toneladas, enquanto medido por habitante atingiu um recorde.

No primeiro bimestre de 2021, o consumo total apresentou avanço de 5,3%, totalizando 100,7 mil toneladas.

O consumo per capita foi de 14,1 quilos no acumulado até fevereiro.

O consumo interno de carne suína apresentou crescimento sustentado entre 2009 e 2020.

A melhora na relação entre o preço da carne suína e o da carne bovina foi fundamental para favorecer o crescimento do consumo interno em substituição ao consumo de carne bovina, em um contexto de fragilidade do poder aquisitivo da população. Enquanto a demanda doméstica robusta incentivou o aumento da produção de carne suína.

Efeito pandêmico

O trabalho mostra que, dependendo do impacto do novo confinamento, o setor continuaria crescendo, mas a um ritmo mais lento.

O achatamento do consumo interno em 2021 (apesar dos preços relativos favoráveis) se tornará um fator que desacelerará o crescimento neste ano.

A demanda externa continuará impulsionando a produção, embora sua participação ainda seja baixa para impulsionar o setor.

A produção no início de 2021 está em níveis inferiores aos do final de 2020 e seu crescimento deverá desacelerar nos próximos meses, pois não há fatores que impulsionem a demanda, acrescenta o relatório.

Utilizamos cookies para que você tenha a melhor experiência de navegação, para medir o tráfego, e para fins de marketing. Para mais informações, por favor visite nossa política de privacidade. Política de Privacidade