Guia Gessulli
06-Mai-2020 09:15
Comentário

Sinais e sintomas de deficiência de proteína na dieta

Poucos nutrientes são tão importantes quanto as proteínas.

A proteína é a base dos músculos, pele, enzimas e hormônios e desempenha um papel essencial em todos os tecidos do corpo.

 

A maioria dos alimentos contém algumas proteínas. Como resultado, a verdadeira deficiência de proteína é rara nos países desenvolvidos. No entanto, algumas pessoas ainda podem estar em risco.

 

A deficiência leva a vários problemas de saúde, enquanto a baixa ingestão de proteínas também pode ser uma preocupação, pois pode causar alterações sutis no seu corpo ao longo do tempo.

 

Agora vamos analisar quais são os sintomas de baixa ingestão ou deficiência de proteínas.

 

Primeiramente, o que é uma deficiência de proteína?

 

A deficiência de proteína é quando sua ingestão é incapaz de atender aos requisitos do seu corpo.

 

Estima-se que um bilhão de pessoas em todo o mundo sofram de ingestão inadequada de proteínas (1).

 

O problema é especialmente grave na África Central e no Sul da Ásia, onde até 30% das crianças recebem pouca proteína de sua dieta (2).

 

Certas pessoas nos países desenvolvidos também estão em risco. Isso inclui pessoas que seguem uma dieta desequilibrada, bem como idosos e pacientes hospitalizados (3, 4).

 

Embora a verdadeira deficiência de proteína seja incomum no mundo ocidental, algumas pessoas obtêm quantidades muito baixas de sua dieta e pouca proteína pode causar alterações na composição corporal que se desenvolvem por um longo período de tempo, como perda de massa muscular.

 

A forma mais grave de deficiência de proteína é conhecida como Kwashiorkor ou desnutrição intermediária e geralmente ocorre em crianças de países em desenvolvimento onde a fome e a dieta desequilibrada são comuns.

 

O nome Kwashiorkor foi originado de um dos idiomas de Gana, país da África, e significa "mal do filho mais velho", pois costuma ocorrer quando a criança era desmamada e alimentada com muito carboidrato e pouca proteína.

 

A deficiência de proteína pode afetar quase todos os aspectos da função corporal. Como resultado, está associado a muitos sintomas.

Alguns desses sintomas podem começar a ocorrer mesmo quando a deficiência de proteína é marginal. Estão listados abaixo, juntamente com alguns sintomas típicos da desnutrição intermediária.

Resumo:

A deficiência de proteína ocorre quando as pessoas não recebem quantidades adequadas de proteína de sua dieta. Kwashiorkor, sua forma mais grave, é mais comum em crianças nos países em desenvolvimento.

1. Edema

O edema, caracterizado por pele inchada e inchada, é um sintoma clássico do Kwashiorkor.

Os cientistas acreditam que é causada por baixas quantidades de albumina sérica humana, que é a proteína mais abundante na parte líquida do sangue ou plasma sanguíneo (5).

Uma das principais funções da albumina é manter a pressão oncótica - uma força que atrai fluido para a circulação sanguínea. Dessa maneira, a albumina impede que quantidades excessivas de líquido se acumulem nos tecidos ou em outros compartimentos do corpo.

Devido à redução dos níveis séricos de albumina no ser humano, a grave deficiência de proteína leva a uma menor pressão oncótica. Como resultado, o líquido se acumula nos tecidos, causando inchaço.

Pelo mesmo motivo, a deficiência de proteína pode levar ao acúmulo de líquidos dentro da cavidade abdominal. Uma barriga inchada é um sinal característico do Kwashiorkor.

Lembre-se de que o edema é um sintoma de grave deficiência de proteína, o que dificilmente ocorrerá em países desenvolvidos.

Resumo:

Os principais sintomas do Kwashiorkor são edema e abdome inchado.

2. Fígado gordo

Outro sintoma comum do Kwashiorkor é um fígado gordo, ou acúmulo de gordura nas células hepáticas (6).

Se não tratada, a condição pode evoluir para doença hepática gordurosa, causando inflamação, cicatrizes hepáticas e potencialmente insuficiência hepática.

O fígado gordo é uma condição comum em pessoas obesas, bem como naquelas que consomem muito álcool (7, 8).

Por que isso ocorre nos casos de deficiência de proteína não está claro, mas estudos sugerem que uma síntese prejudicada de proteínas transportadoras de gordura, conhecidas como lipoproteínas, pode contribuir para a condição (9).

Resumo:

O fígado gordo é um dos sintomas do Kwashiorkor em crianças. Nos piores cenários, pode levar à insuficiência hepática.

3. Problemas de pele, cabelos e unhas

A deficiência de proteínas geralmente deixa sua marca na pele, cabelos e unhas, que são em grande parte feitos de proteínas.

A deficiência severa de proteínas pode afetar sua pele, causando vermelhidão, pele escamosa e despigmentação.

No entanto, é improvável que esses sintomas apareçam, a menos que você tenha uma grave deficiência de proteína.

A queda de cabelo, a cor desbotada do cabelo, a perda de cabelo (alopecia) e as unhas quebradiças são os sintomas mais comuns (10, 11).

As proteínas mantêm o cabelo saudável e em fase de crescimento.

Isso porque o cabelo - e os folículos que os sustentam - são feitos de proteína e a falta dessas moléculas os enfraquece.

Essa é uma das razões pelas quais os cabelos de pessoas que fazem dietas com baixo teor proteico tendem a crescer mais lentamente. E, em casos extremos, pode ocorrer queda dos fios.

Assim como o cabelo, as unhas e a pele também dependem das proteínas para se regenerar.

A pele é composta por três tipos de proteínas: colágeno, elastina e queratina e níveis baixos dessas proteínas causam rugas e deixam a pele mais fina.

Resumo:

A deficiência severa de proteínas pode afetar sua pele, causando vermelhidão, pele escamosa e despigmentação. Também pode causar unhas quebradiças e perda de cabelo.

4. Perda de massa muscular

Seus músculos são o maior reservatório de proteínas do seu corpo.

Quando a proteína da dieta é escassa, o corpo tende a receber proteína dos músculos esqueléticos para preservar tecidos e funções corporais mais importantes. Como resultado, a falta de proteína leva à perda de massa muscular ao longo do tempo.

Mesmo a insuficiência proteica moderada pode causar perda de massa muscular, principalmente em idosos.

O aminoácido leucina preserva a massa muscular e a leucina é mais encontrada em alimentos de origem animal, como carne bovina, cordeiro, carne de porco, frango, peixe, ovos ou laticínios.

Um estudo em homens e mulheres idosos constatou que a perda muscular era maior entre aqueles que consumiam as menores quantidades de proteína (12).

Isso foi confirmado por outros estudos que mostram que um aumento da ingestão de proteínas pode retardar a degeneração muscular que ocorre com a idade avançada (13).

Resumo:

A proteína é essencial para o crescimento e manutenção muscular. A perda de massa muscular é um dos primeiros sinais de ingestão inadequada de proteínas.

5. Maior risco de fraturas ósseas

Músculos não são os únicos tecidos afetados pela baixa ingestão de proteínas.

Seus ossos também estão em risco. Não consumir proteína suficiente pode enfraquecer seus ossos e aumentar o risco de fraturas (14, 15, 16)

Um estudo em mulheres na pós-menopausa constatou que uma maior ingestão de proteínas estava associada a um menor risco de fraturas de quadril. A ingestão mais alta estava ligada a um risco reduzido em 69%, e a proteína de origem animal parecia ter os maiores benefícios (17).

Resumo:

A proteína ajuda a manter a força e a densidade dos ossos. A ingestão insuficiente de proteínas tem sido associada a uma menor densidade mineral óssea e a um risco aumentado de fraturas.

6. Crescimento atrofiado em crianças

A proteína não apenas ajuda a manter a massa muscular e óssea, mas também é essencial para o crescimento do corpo.

Assim, a deficiência ou insuficiência é especialmente prejudicial para as crianças cujos corpos em crescimento exigem um suprimento constante.

De fato, a nanismo é o sinal mais comum de desnutrição infantil.

Estudos observacionais mostram uma forte associação entre baixa ingestão de proteínas e crescimento prejudicado (18, 19).

Resumo:

A ingestão insuficiente de proteínas pode atrasar ou impedir o crescimento em crianças.

7. Maior gravidade de infecções

Um déficit de proteína também pode afetar seu sistema imunológico. É impossível para o sistema imunológico funcionar sem proteínas. Até porque os anticorpos são estruturas formadas por proteínas.

A função imune prejudicada pode aumentar o risco ou a gravidade das infecções, um sintoma comum de grave deficiência de proteína (20, 21).

Mesmo uma ingestão marginalmente baixa de proteínas pode prejudicar a função imunológica. Um pequeno estudo em mulheres mais velhas mostrou que seguir uma dieta pobre em proteínas por nove semanas reduziu significativamente sua resposta imune (22).

Resumo:

Comer muito pouca proteína pode prejudicar a capacidade do seu corpo de combater infecções, como o resfriado comum.

8. Maior apetite e ingestão de calorias

Embora o falta de apetite seja um dos sintomas de deficiência proteica grave, o oposto parece ser verdadeiro para formas mais leves de deficiência.

Quando sua ingestão de proteínas é inadequada, seu corpo tenta restaurar seu status proteico, aumentando o apetite, incentivando-o a encontrar algo para comer (23, 24)

Como resultado, a baixa ingestão de proteínas pode levar ao ganho de peso e à obesidade, uma ideia conhecida como hipótese de alavancagem proteica (25), que dispõe que a proteína é claramente mais saciante do que carboidratos e gordura (26, 27).

Isso é parte da razão pela qual o aumento da ingestão de proteínas pode reduzir a ingestão calórica geral e promover a perda de peso (28, 29).

Se você estiver com fome o tempo todo e tiver dificuldades em controlar sua ingestão de calorias, tente adicionar fontes de proteínas animais a cada refeição (ovos, carne bovina, carne suína, aves etc).

Resumo:

A baixa ingestão de proteínas pode aumentar o apetite. Embora um apetite maior seja benéfico em períodos de escassez de alimentos, pode promover ganho de peso e obesidade quando a comida é abundante, como é nos dias de hoje.

Conclusão:

A proteína é encontrada em todo o corpo. Seus músculos, pele, cabelos, ossos e sangue são em grande parte feitos de proteínas.

Por esse motivo, a deficiência de proteína apresenta uma ampla gama de sintomas.

Grave deficiência de proteína pode causar edema, fígado gorduroso, degeneração da pele, aumentar a gravidade das infecções e afetar o crescimento de crianças etc.

Embora a verdadeira deficiência seja rara nos países desenvolvidos, a baixa ingestão pode causar perda de massa muscular e aumentar o risco de fraturas ósseas.

 

Algumas evidências até sugerem que a ingestão de pouca proteína pode aumentar o apetite e promover excessos e obesidade.

Para saber se sua alimentação apresenta déficit de proteínas, você pode ficar atento a alguns sintomas como: fragilidade e perda de cabelo, linhas nas unhas (mãos e pés), pigmentação reduzida no couro cabeludo, pele escamosa, dores musculares, má cicatrização de feridas e edema (acúmulo anormal de líquido).

Para uma saúde ideal, inclua alimentos ricos em proteínas em todas as refeições, tais como carnes, ovos e laticínios, já que as proteínas dos alimentos de origem animal são mais biodisponíveis que as fontes vegetais e são as formas mais eficazes de se obter proteínas.

 

(1) https://www.ncbi.nlm.nih.gov/pubmed/25123207

(2) https://www.ncbi.nlm.nih.gov/pubmed/25376888

(3) https://www.ncbi.nlm.nih.gov/pubmed/20882714

(4) https://www.ncbi.nlm.nih.gov/pubmed/20731602

(5) https://www.ncbi.nlm.nih.gov/pubmed/25223408

(6) https://www.ncbi.nlm.nih.gov/pubmed/1471885

(7) https://www.ncbi.nlm.nih.gov/pubmed/16287793

(8) https://www.ncbi.nlm.nih.gov/pubmed/15670660

(9) https://www.ncbi.nlm.nih.gov/pubmed/15883438

(10) https://www.ncbi.nlm.nih.gov/pubmed/12190640

(11) https://www.ncbi.nlm.nih.gov/pubmed/13963281

(12) https://www.ncbi.nlm.nih.gov/pubmed/12122158

(13) https://www.ncbi.nlm.nih.gov/pubmed/11584034

(14) https://www.ncbi.nlm.nih.gov/pubmed/12612169

(15) https://www.ncbi.nlm.nih.gov/pubmed/8777079

(16) https://www.ncbi.nlm.nih.gov/pubmed/8951734

(17) https://www.ncbi.nlm.nih.gov/pubmed/9599191

(18) https://www.ncbi.nlm.nih.gov/pubmed/12183721

(19) https://www.ncbi.nlm.nih.gov/pubmed/3369307

(20) https://www.ncbi.nlm.nih.gov/pubmed/17403271

(21) https://link.springer.com/chapter/10.1007/978-1-59259-709-3_16

(22) https://www.ncbi.nlm.nih.gov/pubmed/7598064

(23) https://www.ncbi.nlm.nih.gov/pubmed/24588967

(24) https://www.ncbi.nlm.nih.gov/pubmed/17513410

(25) https://www.ncbi.nlm.nih.gov/pubmed/15836464

(26) https://www.ncbi.nlm.nih.gov/pubmed/22158729

(27) https://www.ncbi.nlm.nih.gov/pubmed/25926512

(28) https://www.ncbi.nlm.nih.gov/pubmed/12144197

Redação AI/SI

Jade Soller

Jade Soller é proponente e adepta do carnivorismo como estilo alimentar e  Embaixadora da Dieta Carnívora no Brasil - jadesoller.com.br

 

Deixe seu Recado