Guia Gessulli
Peste Suína Africana AveSui Inside Cooperativas Agroindústrias Bem - Estar Animal América Latina Comentário Suíno Economia Empresas Exportação Eventos e Cursos Genética Geral Insumos Manejo Meio Ambiente Mercado Externo Mercado Interno Nutrição Piscicultura Pesquisa e Desenvolvimento Processamento de Carne Sanidade Sustentabilidade Saúde Animal Tecnologia Revista Todos os Vídeos TV Gessulli no YouTube Edições Revista Digital Anuncie
Projeção

Sindirações prevê aumento de 2,3% da produção de ração em 2021

No ano passado, com crescimento de 5%, volume chegou a 81,5 milhões de toneladas, afirma entidade

Redação
30-Mar-2021 08:57 - Atualizado em 30/03/2021 13:26

A produção de ração no Brasil deverá crescer 2,3% em 2021, para 83,4 milhões de toneladas, segundo estimativa divulgada pelo Sindicato Nacional da Indústria de Alimentação Animal (Sindirações) nesta segunda-feira. No ano passado, a produção no país cresceu 5%, para 81,5 milhões de toneladas.

“O Sindirações não descarta a possibilidade de uma guinada na produção, assim como ocorreu em 2020, mas tem uma projeção de crescimento mais conservadora para 2021”, afirmou o sindicato, em nota. A entidade atribuiu a projeção mais comedida a fatores como o cenário macroeconômico estagnado, à alta do dólar, à demora nas reformas administrativa e tributária e aos preços elevados de milho e soja.

Outras questões que devem dificultar o crescimento do segmento são o desemprego e redução da renda das famílias. Somados ao recrudescimento da pandemia e à falta de imunizantes, esses fatores “eliminam a convicção otimista da rápida recuperação econômica e devem reduzir o desempenho registrado no ano passado”.

Considerando apenas rações, a produção deverá alcançar 79,6 milhões de toneladas em 2021, crescimento de 2,1% em relação aos 77,9 milhões de toneladas de 2020. Já para o sal mineral, a projeção é de aumento de 6%, para 3,78 milhões de toneladas.

Na pecuária, o avanço mais expressivo deverá ocorrer no segmento de bovinos de corte, que deverá crescer 4,5%, para 5,73 milhões de toneladas. Para a bovinocultura de leite, o crescimento estimado é de 2,1%, para 6,6 milhões de toneladas.

Para suínos, a projeção do sindicato é de aumento de 3%, para 19,3 milhões de toneladas. Já para os frangos de corte, a previsão é de alta de 1%, para 34,6 milhões de toneladas.

 

Utilizamos cookies para que você tenha a melhor experiência de navegação, para medir o tráfego, e para fins de marketing. Para mais informações, por favor visite nossa política de privacidade. Política de Privacidade