Peste Suína Africana AveSui Inside Cooperativas Agroindústrias Bem - Estar Animal América Latina Comentário Suíno Economia Empresas Exportação Eventos e Cursos Genética Geral Insumos Manejo Meio Ambiente Mercado Externo Mercado Interno Nutrição Piscicultura Pesquisa e Desenvolvimento Processamento de Carne Sanidade Sustentabilidade Saúde Animal Tecnologia Revista Todos os Vídeos TV Gessulli no YouTube Edições Revista Digital Anuncie
Commodities

Soja avança e fecha acima de US$ 14 na Bolsa de Chicago

Preços de trigo e milho também encerraram o dia em alta

Redação com informações de Valor Econômico
10-Jan-2022 08:54

Os grãos negociados na bolsa de Chicago fecharam a sexta-feira com alta generalizada. O clima seco na América do Sul impulsionou a soja, e o contrato mais negociado (março) do grão avançou 1,66%, a US$ 14,1025 o bushel. O papel para maio, por sua vez, subiu 1,63%, a US$ 14,17 por bushel.

As intempéries têm afetado regiões produtoras importantes, como o Sul e o Centro-Oeste brasileiros, levando consultorias a reduzirem suas expectativas para a safra local. Ontem, em virtude da estiagem no Sul do país e em Mato Grosso do Sul, a consultoria AgRural cortou sua estimativa para a safra brasileira de soja em 11,3 milhões de toneladas, para 133,4 milhões de toneladas.

Já a AgResource Brasil reduziu em 10 milhões de toneladas sua previsão, para 131 milhões de toneladas. Nos dois casos, o número está abaixo do recorde do ciclo anterior, de 137,3 milhões de toneladas. De acordo com o Commodity Weather Group, choveu no Paraná e no Rio Grande do Sul, e as precipitações devem continuar de maneira leve nos próximos dias.

“As próximas duas semanas provavelmente serão mais úmidas no Sul do Brasil e no Paraguai, embora a chuva provavelmente tenha chegado tarde demais”, disse a empresa à Dow Jones Newswires. A perspectiva não é totalmente positiva, já que 20% da área de soja no Brasil e 35% das regiões de cultivo do Paraguai continuam afetadas pela seca, segundo o CWG.

Raphael Mandarino, diretor da AgResource Brasil, destaca que os modelos meteorológicos indicam chuvas mais significativas no Sul do Brasil e na Argentina entre 17 e 22 de janeiro. Mas, segundo ele, pode ser tarde demais para reverter o quadro em algumas lavouras.

O mercado ficará atento ao relatório do Departamento de Agricultura americano (USDA), que será divulgado na próxima quarta-feira e trará as projeções de oferta e demanda, lembra Dan Hueber, da consultoria The Hueber Report.

Sem grandes novidades em seus fundamentos, os contratos futuros do trigo para março (os mais negociados) avançaram 1,68%, a US$ 7,585 por bushel, e os papéis para maio subiram 1,43%, a US$ 7,605 por bushel. Segundo o analista Paulo Molinari, da Safras & Mercado, o cereal avançou em um movimento de correção técnica, ocorrido após duas quedas consecutivas.

Desde a virada do ano, o cereal de inverno está sob pressão exercida pela expectativa do mercado de que o USDA aumentará sua projeção de oferta global no relatório da semana que vem. “O mercado deve andar de lado até lá”, comenta Molinari.

As exportações americanas de trigo foram fracas na semana encerrada em 30 de dezembro, segundo o USDA. As vendas líquidas do cereal ficaram em 48,6 mil toneladas, queda de 76% na comparação com a semana anterior; o volume ficou 87% abaixo da média móvel de quatro semanas. Outras 2,5 mil toneladas foram vendidas para 2022/23.

O clima nos EUA também está direcionando as cotações. Espera-se chuva no leste do Meio-Oeste do país, onde o trigo de inverno vermelho está hibernando. Apesar disso, o Commodity Weather Group afirma que nas planícies do sul, onde variedades de vermelho duro estão crescendo, o tempo deve continuar seco nas próximas duas semanas. O milho, por sua vez, subiu acompanhando o trigo, segundo Molinari.

Os compromissos para março avançaram 0,5% na bolsa de Chicago, a US$ 6,0675 por bushel. Os papéis para maio subiram 0,54%, a US$ 6,0775 por bushel. Os investidores estão preocupados com a produção de milho na Argentina, onde a previsão é de pouca chuva e muito calor na próxima semana.

Molinari lembra que a safra argentina é a única “exportável” durante o primeiro semestre. Dados fracos de vendas nos EUA na semana encerrada no dia 30 de dezembro limitam os ganhos. O saldo líquido (resultado de novos contratos e cancelamentos) da temporada 2021/22 somou 256,1 mil toneladas, queda de 80% em comparação com a semana anterior e 81% abaixo da média das últimas quatro semanas.

Apesar dos números fracos da última semana de 2021, relatos diários indicam que pode haver uma reação na primeira semana deste ano. “Se a [safra da] Argentina quebra, [isso] ajuda as exportações americanas”, comenta o analista da Safras & Mercado.

Assuntos do Momento

Colheita de soja na Argentina alcança 64,9% da área apta; de milho atinge 25,8%
13 de Maio de 2022
América Latina

Colheita de soja na Argentina alcança 64,9% da área apta; de milho atinge 25,8%

O rendimento médio nacional está em 3.010 quilos por hectare, e a estimativa de produção foi mantida em 42 milhões de toneladas. 

Com a chegada da frente fria, valor do milho sobe e deixa produtores em alerta no Brasil
16 de Maio de 2022
Insumos

Com a chegada da frente fria, valor do milho sobe e deixa produtores em alerta no Brasil

Os valores do milho voltaram a subir na semana passada, interrompendo, portanto, o movimento de queda diária consecutiva que vinha sendo verificado desde o encerramento de abril

Estimativa da Anec para exportação de soja em maio aumenta para 11,4 mi de toneladas e de milho para 1,2 mi de toneladas
18 de Maio de 2022
Insumos

Estimativa da Anec para exportação de soja em maio aumenta para 11,4 mi de toneladas e de milho para 1,2 mi de toneladas

A previsão é de que sejam enviados 11,483 milhões de toneladas de soja em grãos, ante as 10,615 milhões de toneladas projetadas na semana passada. 

Exportação da soja paraense cresce 124%; alimentação de suínos na China é principal destino
17 de Maio de 2022
Exportações

Exportação da soja paraense cresce 124%; alimentação de suínos na China é principal destino

Percentual de crescimento é um comparativo do período de janeiro abril de 2022 ao mesmo quadrimestre do ano passado

Valorização do dólar aumenta preço da soja no Brasil
16 de Maio de 2022
Insumos

Valorização do dólar aumenta preço da soja no Brasil

Segundo pesquisadores do Cepea, a valorização do dólar frente ao Real atraiu importadores para o Brasil, resultando em aumentos no prêmio de exportação e nos preços domésticos da soja

BRF lança projeto piloto para reaproveitamento de resíduos em filiais de grãos
12 de Maio de 2022
ESG

BRF lança projeto piloto para reaproveitamento de resíduos em filiais de grãos

Iniciativa está em sintonia com a agenda ESG da Companhia e com seu compromisso de gestão sustentável da cadeia

Mais assuntos do momento
Utilizamos cookies para que você tenha a melhor experiência de navegação, para medir o tráfego, e para fins de marketing. Para mais informações, por favor visite nossa política de privacidade. Política de Privacidade