AveSui2021
Peste Suína Africana AveSui Inside Cooperativas Agroindústrias Bem - Estar Animal América Latina Comentário Suíno Economia Empresas Exportação Eventos e Cursos Genética Geral Insumos Manejo Meio Ambiente Mercado Externo Mercado Interno Nutrição Piscicultura Pesquisa e Desenvolvimento Processamento de Carne Sanidade Sustentabilidade Saúde Animal Tecnologia Revista Todos os Vídeos TV Gessulli no YouTube Edições Revista Digital Anuncie
Economia

Suíno: rumo a outro recorde, mas com uma "pedra no sapato"

Nesse sentido, para Uccelli, se fosse produzido mais em 2021, esse número de exportações também não representaria um percentual elevado para o número de suínos produzidos no país

La Nacion
05-Fev-2021 13:02 - Atualizado em 08/02/2021 08:54

Depois do boom que 2020 significou para as exportações de suínos , com um total de 42 mil toneladas, o que representou um salto de 66,2% em relação a 2019 , do setor garantem que, se as condições produtivas acompanharem, este ano esse número poderá ser ultrapassado. No entanto, exigem mudanças no regime tributário que estimulem o investimento.

“Vamos continuar exportando mais do que importando. Esse excedente é uma tendência que vai continuar”, disse o consultor Juan Luis Uccelli. E ressaltou que, se todas as condições forem atendidas, em 2021 poderá chegar a 70 mil toneladas: "Se agregassem mais estabelecimentos autorizados a exportar para a China (maior comprador do país), facilmente atingiríamos esse volume".

“O gargalo é dado pela capacidade industrial. Estamos condicionados ao crescimento e temos limites para plantas de abate e decapagem, principalmente a frio, que são habilitadas para o principal mercado, que é o chinês”, acrescentou.

Nesse sentido, para Uccelli, se fosse produzido mais em 2021, esse número de exportações também não representaria um percentual elevado para o número de suínos produzidos no país.

“No ano passado tivemos 790 mil toneladas de produção . Levando em consideração que este ano vamos crescer entre 6 e 7%, mais exportações poderiam ser geradas facilmente, a um preço interessante, com divisas e sem curto no mercado local ", preciso.

IVA: a pedra no sapato

Por sua vez, o presidente da Associação Argentina de Produtores de Suínos (APP), Adolfo Franke, destacou que o crescimento da produção não está necessariamente ligado a maiores investimentos, mas sim à existência de mais animais na mesma fazenda e ao maior peso de abate.

“A realidade é que o setor está crescendo em produção porque os incubatórios estão se tornando mais eficientes. A renovação genética permite que haja mais leitões por mãe e, conseqüentemente, que o ganho de peso diário seja maior e que mais quilos de carne sejam produzidos, mas nas mesmas instalações ", comentou.

Para Franke, a principal "pedra no sapato" para a criação de novos incubatórios é o Imposto sobre Valor Agregado (IVA). “No ano de 2017 o ICMS foi reduzido de 21 para 10,5%. Isso não só gerou um custo adicional de imposto para a produção, mas quando investido não conseguimos recuperar o ICMS, então acaba nos custando 19% a mais ”.

No setor explicam que, dependendo da variação do milho e da soja na participação total nos custos, a alíquota do ICMS pode variar de 11,9% a 12,9%, mas sendo superior a 10,5% da venda. Em tempos bons, as diferenças são compensadas e dão saldos positivos, embora menores. Porém, em momentos ajustados ou de perda, os saldos ficam negativos, o que gera números irrecuperáveis para os produtores .

“Existem empresas que têm um montante significativo de IVA a seu favor, mas para recuperá-lo o Estado exige que nos próximos cinco anos pague um determinado montante de IVA, se não o penalizar . É um desincentivo muito forte para um investimento que todos sabem, mas ninguém resolve”, concluiu Franke.

Assuntos do Momento

Mais assuntos do momento