Alltech SI
Peste Suína Africana AveSui Inside Cooperativas Agroindústrias Bem - Estar Animal América Latina Comentário Suíno Economia Empresas Exportação Eventos e Cursos Genética Geral Insumos Manejo Meio Ambiente Mercado Externo Mercado Interno Nutrição Piscicultura Pesquisa e Desenvolvimento Processamento de Carne Sanidade Sustentabilidade Saúde Animal Tecnologia Revista Todos os Vídeos TV Gessulli no YouTube Edições Revista Digital Anuncie
Bem-estar animal

Suinocultura brasileira aguarda por publicação de IN que impulsionaria o setor

Nesta semana, a ABCS e a Abegs protocolaram junto ao Mapa uma manifestação de apoio para a publicação da normativa

Anderson Oliveira / Redação SI
16-Jul-2020 09:25

suinocultura, fotos atualizadas , Divulgação
Norma orienta o uso de baias para a gestação coletivaDivulgação

O setor suinícola brasileiro espera há dois anos pela publicação da Instrução Normativa de bem-estar animal (BEA) em suínos. A minuta da norma, segundo a Associação Brasileira dos Criadores de Suínos (ABCS), já passou por consulta pública de todo o setor e ainda da sociedade. De acordo com a diretoria técnica da entidade, Charli Ludtke, a normativa já deveria estar em vigência. “A consulta pública finalizou em 2018 e no momento estamos aguardando o trâmite final para sua publicação”, diz. Nesta semana, a ABCS e a Associação Brasileira das Empresas de Genética de Suínos (Abegs) protocolaram junto ao Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento (Mapa) uma manifestação de apoio para a publicação da IN.

A suinocultura brasileira ocupa importante posição no mercado mundial e diversos países já se posicionaram de forma proativa adequando os seus sistemas de produção, assim como estabelecendo legislações, explica a diretora técnica da ABCS. “No caso do Brasil, estamos caminhando para o mesmo sentido com essa Minuta de Instrução Normativa”, conta.

Segundo Charli, o fato de o Brasil ainda não ter uma norma de bem-estar e boas práticas na suinocultura traz insegurança jurídica à produção nacional e a dificuldade de alinhar e ajustar os procedimentos executados nas propriedades rurais. “Uma norma traz avanços e diminui as incongruências, já que temos diferentes realidades em nível nacional independente da cadeia produtiva”, afirma a diretora, assegurando que a futura IN não é impositiva, mas voluntária.

A IN deve contribuir principalmente para projetos novos do setor suinícola sejam já construídos atendendo a elementos importantes do bem-estar animal. É o caso do não uso de gaiolas individuais para a gestação coletiva, além da adoção de melhores práticas no manejo com enriquecimento ambiental. Em relação às granjas mais antigas, haveria prazo para realizarem a transição para esse novo sistema.

“Acredito que este ponto será o que irá requerer maior investimento financeiro, já os demais são ajustes que se referem ao manejo e à densidade nas baias, não impactando diretamente em investimentos financeiros”, ressalta Charli. Para ela, o Brasil possui um papel fundamental em atuar de maneira proativa e decisiva na evolução de sua cadeia produtiva a partir da adoção e inovação constante das boas práticas de produção com elevado padrão de bem-estar animal, saúde do rebanho e segurança do alimento.

 

UMA DEMANDA MUNDIAL

A publicação e adoção das práticas previstas na futura IN de bem-estar animal na suinocultura traria impactos positivos tanto para no mercado interno quanto no externo, avalia Charli Ludtke. Isso porque, em um mercado globalizado e competitivo, práticas de bem-estar animal e sustentabilidade consolidaria o Brasil nas relações comerciais e são demandas cada vez mais exigidas pelos consumidores, ela acrescenta.

“Temos que entender que, melhorando o bem-estar dos animais, melhoramos também a saúde, os índices de produtividade, assim como a imagem da cadeia produtiva quanto às demandas da sociedade”, considera. A adoção de um sistema com um melhor grau de bem-estar aos animais não significa custo, mas sim uma oportunidade de se tornar competitivo às necessidades.

Para a diretora técnica da ABCS, no mercado interno não é diferente. “Trabalhando com as redes de varejo globais e que adotam padrões de exigências para os fornecedores de alimentos, a preocupação é constante com o bem-estar animal, a preservação do ambiente, a segurança do alimento e o uso de antibióticos”, conclui.

 

Assuntos do Momento

População da Coreia do sul paga 20% a mais pela carne suína em meio ao aumento dos custos dos grãos
23 de Maio de 2022
Mercado Externo

População da Coreia do sul paga 20% a mais pela carne suína em meio ao aumento dos custos dos grãos

A inflação ao consumidor da Coreia do Sul acelerou muito mais do que o previsto e atingiu uma alta de mais de 13 anos em abril

Exportações de carne suína somam US$ 78,4 mil na parcial de maio
20 de Maio de 2022
Balança Comercial

Exportações de carne suína somam US$ 78,4 mil na parcial de maio

Em comparação com o mesmo período de 2021 valor por média diária é 30,8% menor. Valor pago por tonelada embarcada também apresenta queda

Em Honduras, importação de carne suína aumenta mais de 50%
25 de Maio de 2022
Mercado Externo

Em Honduras, importação de carne suína aumenta mais de 50%

A indústria de transformação e os fabricantes de embutidos preveem alta de preços para o segundo semestre devido ao aumento dos custos de produção

Média de preço da carne suína na parcial de maio está acima da de abril
26 de Maio de 2022
Mercado Interno

Média de preço da carne suína na parcial de maio está acima da de abril

Segundo pesquisadores do Cepea, no geral, os valores do produto negociado no atacado da Grande São Paulo iniciaram este mês em forte elevação, influenciados pelas aquecidas demandas interna e externa

Bacon e frango não ficarão mais baratos tão cedo
23 de Maio de 2022
Mercado Global

Bacon e frango não ficarão mais baratos tão cedo

Produtores em todo o mundo com mais de 40 bilhões de porcos, vacas, búfalos, ovelhas, cabras e aves enfrentam preços quase recordes para ração animal

25 de Maio de 2022
Mercado Externo

Produção de carne suína da União Europeia cai no início de 2022

Nos dois primeiros meses do ano, o bloco produziu 3,8 milhões de toneladas de carne suína, 3% menos do que no ano anterior, com 40,5 milhões de suínos abatidos, uma queda de 2%

Mais assuntos do momento
Utilizamos cookies para que você tenha a melhor experiência de navegação, para medir o tráfego, e para fins de marketing. Para mais informações, por favor visite nossa política de privacidade. Política de Privacidade