AveSui2021
Peste Suína Africana AveSui Inside Cooperativas Agroindústrias Bem - Estar Animal América Latina Comentário Suíno Economia Empresas Exportação Eventos e Cursos Genética Geral Insumos Manejo Meio Ambiente Mercado Externo Mercado Interno Nutrição Piscicultura Pesquisa e Desenvolvimento Processamento de Carne Sanidade Sustentabilidade Saúde Animal Tecnologia Revista Todos os Vídeos TV Gessulli no YouTube Edições Revista Digital Anuncie
Tecnologia

Transformação digital na Suinocultura - Uma visão de negócios

Por Débora Bernardes Oliveira dos Santos, médica veterinária e especialista em Gestão de Marketing pela ESALQ-USP, atual Gerente de Marketing da MS Schippers Brasil.

Débora Bernardes

Médica veterinária e especialista em Gestão de Marketing pela ESALQ-USP, atual Gerente de Marketing da MS Schippers Brasil

03-Fev-2021 10:14 - Atualizado em 04/02/2021 12:00

Quando falamos em “transformação digital”, você entende o que isso significa? É muito provável que, cedo ou tarde, todos nós que trabalhamos na suinocultura vivenciaremos direta ou indiretamente essa mudança. Entender o que é a transformação digital como conceito é muito importante para que possamos utilizá-la a nossa favor e melhorar diversos processos a nível de granja.  

Em primeiro lugar, transformação digital é o que nós todos estamos vivendo desde os anos 90, quando o acesso à internet se tornou popular. Tomemos como exemplo que atualmente podemos pagar contas no banco através do computador. Parece simples, mas há muito pouco tempo atrás isso só era possível se você se deslocasse até a agência do banco. No âmbito rural, hoje podemos comprar insumos, participar de leilões, controlar finanças, estoque, e gerenciar a produção animal de forma digital, acelerando tomadas de decisão que trazem mais lucro e crescimento em um menor espaço de tempo. Isso significa desburocratizar processos para que todos (funcionários, clientes, parceiros de negócio e gestores) tenham uma melhor experiência de trabalho e consumo. 

“No agronegócio já sabemos trabalhar com transformação digital” – Será?

Drones, semeadoras com GPS, colheitadeiras com piloto automático. A chamada agricultura de precisão é um exemplo claro de como estamos evoluindo com a tecnologia no campo, mas será que isso acontece a nível de processos internos? Mais ainda, será que na produção de suínos estamos pensando de forma clara e organizada ao implementar novas tecnologias? Ou será que estamos vivendo um “boom” de novas máquinas e sistemas, enquanto muitos processos manuais ainda geram horas de trabalho extra? Essa é uma reflexão para gestores de granja e produtores rurais em geral.  

AveSui2021_dentro

Os gestores precisam refletir sobre quais processos existem hoje numa granja, unidade, ou cooperativa, cuja realização “toma mais tempo que o necessário” ou é feita “pelas pessoas erradas”. Levantar esse tipo de informação é o primeiro passo rumo a um bom processo de transformação digital, pois torna-se possível entender quais mudanças são necessárias na base da gestão, e quais contribuições reais cada tecnologia ofertada trará no curto e longo prazo. 

O que quero dizer com tudo isso é: a transformação digital deve ser encarada como estratégia de negócio e não como um desejo de “modernizar a granja”, muito menos ser imposta de qualquer maneira aos produtores por empresas do ramo. Um gestor precisa de tempo e energia para analisar números. Esse tempo, energia e números vêm dos processos que ele ou ela consegue otimizar na rotina de trabalho de todos os envolvidos no negócio, desde o responsável pela lavação dos galpões até o responsável técnico da granja. Embora exija investimentos, o digital não é um luxo, e sim uma necessidade para se manter competitivo.

A suinocultura é conservadora? Ou falta gestão e treinamento de pessoas?

Quando o conceito de transformação digital não está claro, surge um receio muito grande por parte de funcionários e até mesmo do corpo técnico das granjas, de que a tecnologia substituirá o trabalho deles. Como citei anteriormente, a tecnologia, na verdade, permite que as pessoas utilizem sua capacidade para realizar atividades menos braçais e mais analíticas, essa é a contribuição principal. A partir do momento em que as granjas estiverem analisando mais dados e compartilhando informações em sistemas que conversam entre si (como a computação em nuvem, por exemplo), será possível associar quais fatores estão mais ou menos relacionados ao desempenho dos animais. 

AveSui2021_dentro

Quando se conhece e acompanha a origem genética, nutrição, biosseguridade, bem-estar, entre outros elementos, é possível trabalhar para uma seleção constante dos melhores fornecedores e produtos finais. Essa já é uma realidade em muitos países desenvolvidos, onde a rastreabilidade de processos e a integração de informações acontece não só entre granjas, mas entre todos os participantes de uma mesma cadeia produtiva. 

No Brasil, alguns obstáculos como o custo e falta de incentivos acabam atrasando a adoção dessas tecnologias, mas o perfil conservador dos produtores rurais em breve deixará de ser considerado um empecilho. Segundo o Censo Agropecuário do IBGE, entre os anos de 2006 e 2017 houve um aumento de 1790% no número de produtores com acesso à internet. Além disso, a 7ª Pesquisa de Hábitos do Produtor Rural realizada pela ABMRA em 2017 mostrou que 61% dos produtores rurais naquele ano já possuíam smartphones, e estavam mais expostos à internet do que aos jornais e revistas impressos, por exemplo. 

É bastante possível, portanto, que o maior gargalo atual para a transformação digital nas granjas não seja o acesso à internet em si ou o perfil conservador dos gestores, mas sim a falta de capacitação das pessoas em temas como esse, bem como em gestão de resultados e desenvolvimento pessoal. Uma vez que isso aconteça, é muito mais fácil explorar novas tecnologias, fazer um bom uso das ferramentas digitais e caminhar para uma evolução constante. Precisamos deixar claro que, embora o agronegócio seja um setor conservador que vem absorvendo tecnologia a passos mais lentos que outras indústrias, o principal obstáculo para a mudança de processos ainda é humano, e isso pode ser encarado como um desafio ou uma oportunidade. 

Assuntos do Momento

Conheça a trajetória de Deborah de Geus, finalista na categoria Mulheres Cooperadas
05 de Março de 2021
Prêmio Quem é Quem

Conheça a trajetória de Deborah de Geus, finalista na categoria Mulheres Cooperadas

Formada em Medicina Veterinária, possui forte participação em entidades de classe e comitês internos da cooperativa Frísia, colaborando com a melhoria da produção de outros associados

Conheça Celsi Sandmann, uma das finalistas da categoria Mulheres Cooperadas
02 de Março de 2021
Prêmio Quem é Quem

Conheça Celsi Sandmann, uma das finalistas da categoria Mulheres Cooperadas

Com uma vida dedicada ao cooperativismo, Celsi sempre batalhou no campo e se tornou associada da Lar em 1982, se tornando inspiração para outras mulheres empreendedoras

AveSui2021_dentro
Dirce Zanatta é finalista na categoria Mulher Cooperada, conheça sua trajetória no cooperativismo
03 de Março de 2021
Prêmio Quem é Quem

Dirce Zanatta é finalista na categoria Mulher Cooperada, conheça sua trajetória no cooperativismo

Associada há dez anos na Coopavel, Dirce agrega um perfil focado em inovar sempre, se adequando às necessidades e regulamentações de sanidade e gestão de sua propriedade

Solcera KGF irá apresentar soluções cerâmicas para o agro e bicos para pulverização e nebulização na AveSui Online 24H/7D
01 de Março de 2021
Tecnologia

Solcera KGF irá apresentar soluções cerâmicas para o agro e bicos para pulverização e nebulização na AveSui Online 24H/7D

A empresa adquiriu a KFG, uma das mais tradicionais no campo de bicos, a qual também dispõe de tecnologias em cabines para nebulização. A Solcera é mais uma empresa confirmada para feira digital da Gessulli Agribusiness

Frimesa é finalista na categoria Varejo com a campanha '1 ano de Mercado Grátis'; conheça o plano de marketing
04 de Março de 2021
Prêmio Quem é Quem

Frimesa é finalista na categoria Varejo com a campanha '1 ano de Mercado Grátis'; conheça o plano de marketing

O projeto de comunicação voltado ao varejo contemplou uma série de ações, contando com a participação da dupla sertaneja Fernando & Sorocaba, além da apresentadora Ana Hickmann

Malásia abaterá 3 mil suínos após descoberta da peste suína africana
01 de Março de 2021
Peste Suína Africana

Malásia abaterá 3 mil suínos após descoberta da peste suína africana

A doença foi detectada em pelo menos 300 porcos em três distritos - Pitas, Kota Marudu e Beluran - após um caso relatado envolvendo a morte de um javali no mês passado

Mais assuntos do momento