Guia Gessulli
Peste Suína Africana AveSui Inside Cooperativas Agroindústrias Bem - Estar Animal América Latina Comentário Suíno Economia Empresas Exportação Eventos e Cursos Genética Geral Insumos Manejo Meio Ambiente Mercado Externo Mercado Interno Nutrição Piscicultura Pesquisa e Desenvolvimento Processamento de Carne Sanidade Sustentabilidade Saúde Animal Tecnologia Revista Todos os Vídeos TV Gessulli no YouTube Edições Revista Digital Anuncie
PSA

Uruguai reforça controle contra Peste Suína Africana em portos e aeroportos

A PSA não representa perigo para a saúde humana, mas mata porcos domésticos e selvagens

Redação com informações de Caras y Caretas
12-Ago-2021 08:59 - Atualizado em 12/08/2021 10:25

A PSA não representa perigo para a saúde humana, mas mata porcos domésticos e selvagens. Não existe vacina contra esta doença, o vírus é altamente resistente no meio ambiente e em produtos suínos contaminados. Comportamentos imprudentes podem espalhar isso.

A chegada da Peste Suína Africana (PSA) ao continente americano, após ser confirmada na República Dominicana, o gerente do Sistema Inteligente de Biossegurança Agroalimentar na Fronteira - Barreiras Sanitárias (Sibaf), Andrés Salvo, informou que o Uruguai vai reforçar todos medidas para maximizar o atendimento em todas as fronteiras e mitigar possíveis entradas, especialmente em aeroportos e portos internacionais.

A PSA não representa perigo para a saúde humana, mas mata porcos domésticos e selvagens.]

Não existe vacina contra esta doença. O vírus é altamente resistente no meio ambiente e em produtos suínos contaminados. Comportamentos imprudentes podem espalhar a doença.

Além dos controles habituais que são realizados, tanto diretamente quanto por meio de scanners para detectar quem tenta inserir produtos e subprodutos que possam conter o vírus, a população é solicitada a colaborar para evitar a entrada com tais produtos, o que pode posteriormente espalhar o vírus entre animais domésticos ou selvagens.

Medidas preventivas estritas devem ser tomadas nas áreas rurais e nos mercados para proteger os próprios suínos e seus vizinhos.

Depois de 40 anos livre desta doença, que é devastadora para a produção suíça, a propagação pelo continente e a entrada no Uruguai podem ter um impacto produtivo e econômico extremamente importante.

Algumas das medidas aplicadas foram o lançamento de uma campanha de conscientização para viajantes, produtores e população em geral para que os controles sobre os produtos derivados de origem suína sejam extremos. Da mesma forma, estão sendo destruídos os “catering” que entram em voos internacionais e todos os resíduos orgânicos dos navios que chegam ao Uruguai.

O QUE É A FEBRE SUÍNA AFRICANA E O QUE A CAUSA?

A ASF é uma doença viral altamente contagiosa de suínos. O vírus geralmente é encontrado apenas na África, mas surtos ocorreram na Europa, América do Sul e Caribe. A ASF foi erradicada do Hemisfério Ocidental e nunca surgiu nos Estados Unidos. A doença tem sérias consequências na saúde animal e na economia, incluindo restrições à exportação. Limitação de movimentos, despovoamento e medidas rígidas de controle serão necessárias para erradicar a doença.

QUE ANIMAIS TÊM FEBRE SUÍNA AFRICANA?

A peste suína africana afeta membros da família dos porcos, incluindo o porco doméstico, javalis europeus, porcos do rio, porcos do mato, javalis gigantes e queixadas.

COMO PODE MEU ANIMAL OBTER FEBRE SUÍNA AFRICANA?

A peste suína africana frequentemente entra nos rebanhos através de sua alimentação com sobras de alimentos crus ou mal cozidos (lixo) contendo produtos suínos contaminados (por via oral). Uma vez infectado, o vírus é facilmente disseminado entre suínos por contato direto ou indireto por contato com objetos contaminados, como veículos, equipamentos, calçados ou roupas. Algumas espécies de carrapatos (vetores) podem transmitir o vírus. Outros insetos ou moscas sugadoras de sangue também podem transmitir o vírus entre porcos.

COMO A FEBRE SUÍNA AFRICANA PODE AFETAR MEU ANIMAL?

Os sintomas da PSA podem ser variáveis, mas geralmente incluem febre alta, diminuição do apetite e fraqueza. A pele pode ficar vermelha, manchada ou mostrar lesões de cor escura. Os porcos infectados também podem apresentar diarreia, vômito, tosse e problemas respiratórios. Mulheres grávidas frequentemente abortam. A morte geralmente ocorre 7 a 10 dias após o início dos sintomas da doença; no entanto, a morte súbita sem sinais de doença é possível em rebanhos que são expostos ao vírus pela primeira vez. Animais que se recuperam da doença podem carregar o vírus por vários meses.

POSSO OBTER FEBRE SUÍNA AFRICANA?

Não. Os humanos não são suscetíveis ao vírus da peste suína africana.

A peste suína africana é uma doença viral altamente contagiosa de suínos que tem graves consequências econômicas.

QUEM DEVO CONTATO SE SUSPEITO DE FEBRE SUÍNA AFRICANA?

Contate seu veterinário imediatamente. A peste suína africana não é encontrada atualmente nos Estados Unidos; a suspeita da doença requer atenção imediata.

COMO POSSO PROTEGER OS MEUS ANIMAIS DA FEBRE SUÍNA AFRICANA?

A peste suína africana é altamente contagiosa. Porcos saudáveis ??não devem entrar em contato com porcos selvagens ou domésticos sob suspeita de terem a doença. Os novos suínos que entram ou voltam ao estabelecimento devem ser isolados por várias semanas antes de ingressar no rebanho. Os porcos não devem ser alimentados com sobras cruas. Todos os restos de comida fornecidos aos suínos devem ser aquecidos a pelo menos 70 ° C por 30 minutos. O controle dos carrapatos com acaricidas e o controle das moscas também ajudam a prevenir a transmissão da peste suína africana. O controle da PSA exigirá quarentena e despovoamento dos animais afetados para prevenir a propagação da doença. Não existe vacina ou tratamento para PSA. (MGAP).

Assuntos do Momento

Mais assuntos do momento
Utilizamos cookies para que você tenha a melhor experiência de navegação, para medir o tráfego, e para fins de marketing. Para mais informações, por favor visite nossa política de privacidade. Política de Privacidade