AveSui2021
Peste Suína Africana AveSui Inside Cooperativas Agroindústrias Bem - Estar Animal América Latina Comentário Suíno Economia Empresas Exportação Eventos e Cursos Genética Geral Insumos Manejo Meio Ambiente Mercado Externo Mercado Interno Nutrição Piscicultura Pesquisa e Desenvolvimento Processamento de Carne Sanidade Sustentabilidade Saúde Animal Tecnologia Revista Todos os Vídeos TV Gessulli no YouTube Edições Revista Digital Anuncie
Projeção

VBP do agro atinge R$ 1 tri em 2021; crescimento na suinocultura deve ficar em 1,4%

A estimativa divulgada pela Confederação da Agricultura e Pecuária do Brasil (CNA) indica um aumento de 15,8% no VBP, impulsionados pela carne bovina e grãos, como milho e soja

Redação
24-Fev-2021 09:16

O Valor Bruto da Produção (VBP) do agronegócio brasileiro deve crescer 15,8% neste ano, atingindo um montando de R$ 1,142 trilhão. No ano passado, o montante foi de R$ 987,12 bilhões. Os números apontam para um crescimento de 19% na área agrícola e de 9,8% na pecuária. Os dados e as estimativas são da Confederação da Agricultura e Pecuária do Brasil (CNA).

No segmento de proteínas animais, a produção de suínos deve fechar o ano com um VBP 1,4% maior. Já as cadeias produtivas de aves e leite terão um aumento médio de 3%. O grande destaque está em bovinocultura, cujo VBP deve atingir um percentual de crescimento estimado em 18%.

O bom resultado estimado para o ano, segundo análises da CNA, é causado pela boa expectativa da safra de grãos, que deve representar 51,4% na participação do VBP. Destaques para os aumentos dos preços reais, até janeiro, da soja, milho, arroz, caroço de algodão, (25,5%, 23,6%, 8% e 28,7% respectivamente).

A CNA aponta ainda que, embora o faturamento do setor agropecuário deva se consolidar como um dos maiores da história, é importante lembrar que, no caso de grãos, a maioria dos agricultores não conseguiram comercializar sua produção com os preços atuais, por conta da negociação antecipada, ainda, a desvalorização cambial elevou os preços dos insumos agropecuários, pressionando as margens. Para os pecuaristas, mesmo com os preços recordes da carne bovina, os preços dos grãos pressionaram pela elevação do preço da ração, além disso, os animais de reposição – bezerro e boi magro – também estão em patamares historicamente altos, pressionando a margem do pecuarista.

,
Fonte: CNA

Utilizamos cookies para que você tenha a melhor experiência de navegação, para medir o tráfego, e para fins de marketing. Para mais informações, por favor visite nossa política de privacidade. Política de Privacidade