Agroceres Multimix SI
Peste Suína Africana AveSui Inside Cooperativas Agroindústrias Bem - Estar Animal América Latina Comentário Suíno Economia Empresas Exportação Eventos e Cursos Genética Geral Insumos Manejo Meio Ambiente Mercado Externo Mercado Interno Nutrição Piscicultura Pesquisa e Desenvolvimento Processamento de Carne Sanidade Sustentabilidade Saúde Animal Tecnologia Revista Todos os Vídeos TV Gessulli no YouTube Edições Revista Digital Anuncie
Mercado Externo

Vendas de carne vegetal caem nos EUA

Com a volta de atividades presenciais, vendas começam a cair

Redação com informações de Valor Econômico
02-Dez-2021 08:17 - Atualizado em 03/12/2021 10:29

A carne de origem vegetal está perdendo seu apelo nos Estados Unidos. O declínio das vendas coloca em dúvida a perspectiva de essa nova categoria abocanhar de fato uma parte do mercado de proteína animal.

Nas quatro semanas até 3 de outubro, as vendas das proteínas à base de plantas nos EUA caíram 1,8% em comparação com o mesmo período do ano passado, segundo a empresa americana de dados de varejo SPINS. Em 2021, a queda acumulada é de 0,6%.

O forte aumento das vendas de carne à base de plantas no começo da pandemia, em 2020, estabeleceu um grande desafio para a manutenção do crescimento neste ano, mas esse não é o único fator para a queda. A demanda também começou a cair porque, com o fim gradual das restrições de circulação, os consumidores passaram a comer menos em casa. Além disso, em virtude de problemas nas cadeias de abastecimento, alguns produtos começaram a faltar nas lojas, segundo a SPINS. Em outras partes do mundo, a chegada de novos produtos ao mercado aumentou a competição pela preferência dos consumidores.

Os EUA são o maior mercado para as “novas” carnes vegetais que simulam a carne de verdade em sabor e textura. A notícia sobre a queda das vendas surge depois da divulgação de números fracos de receita da Beyond Meat e do grupo canadense Maple Leaf Foods nas últimas semanas. A Maple Leaf é dona da Green Leaf, empresa especializada em proteínas à base de plantas.

“Nos últimos seis meses, houve inesperadamente uma rápida desaceleração nas taxas de crescimento da categoria de proteínas à base de plantas”, afirmou a analistas, em novembro, o presidente executivo da Maple Leaf, Michael McCain. O executivo creditou a queda de 6,6% das vendas de proteínas à base de plantas da companhia ao declínio em toda a categoria que vai de alimentos refrigerados a serviços de alimentação. Segundo ele, a empresa está analisando as causas para tentar entender as mudanças no mercado.

A Maple Leaf superou as expectativas de receita com um aumento das vendas de 13,4% em sua divisão de carne de verdade. Analistas da BMO acreditam que a análise do mercado de proteínas à base de plantas levará a uma redução dos investimentos e gastos com marketing, o que deverá melhorar os resultados no ano que vem.

As ações da Beyond Meat caíram desde que ela divulgou vendas de US$ 106 milhões para o terceiro trimestre. A projeção anterior era de vendas de US$ 120 milhões a US$ 140 milhões.

Ethan Brown, presidente executivo da empresa, disse que a queda deveu-se ao fato de os consumidores estarem fazendo menos viagens e se mostrarem menos abertos a experimentar novos produtos, além de estarem menos interessados em opções saudáveis. Ele também mencionou as oportunidades menores de amostragem de produtos, uma vez que a disseminação da variante Delta do coronavírus limitou a exposição dos produtos aos consumidores.

A queda nas vendas acontece no momento em que mais startups e empresas de alimentos oferecem novos produtos à base de plantas. Os concorrentes mais novos estão oferecendo “cortes” realistas de carnes com o uso de tecnologias como a impressão 3D.

Bahige El-Rayes, da consultoria Bain, disse que com as carnes à base de plantas ainda custando de 30% a 40% mais que a carne verdadeira, e com a necessidade de melhorar os sabores e texturas, a categoria precisa, para continuar crescendo, aumentar a capacidade de produção, o que reduziria os custos, e investir mais em pesquisa e desenvolvimento.

As preocupações com o impacto ambiental da pecuária e com o bem-estar animal na cadeia de produção de carne estimularam os investimentos em proteínas alternativas nos últimos anos. Em 2020, startups de proteínas alternativas levantaram um recorde de US$ 3,1 bilhões em capital, dos quais as carnes, laticínios e ovos à base de plantas ficaram com US$ 2,1 bilhões. Os investidores parecem otimistas com a categoria. A Impossible Foods anunciou neste mês que fechou uma rodada de financiamento de US$ 500 milhões, o que elevou para quase US$ 2 bilhões o montante dos aportes desde que ela foi fundada, em 2011.

Alguns executivos acreditam que a queda das vendas é temporária. Steven Cahillane, presidente executivo da Kellogg, que controla a marca MorningStar Farms de produtos à base de plantas, disse que uma pesquisa da empresa com consumidores mostrou que “ainda há muito entusiasmo e empolgação” com as alternativas vegetais à carne.

Assuntos do Momento

Ano de 2022 inicia com preço do suíno em queda e custos em alta
20 de Janeiro de 2022
Análise de Mercado

Ano de 2022 inicia com preço do suíno em queda e custos em alta

O presidente da ABCS, Marcelo Lopes, explica que o final do ano de 2021 foi frustrante em relação aos preços pagos ao produtor, e reforçou que o crescimento acelerado da produção de suínos dos últimos anos está apresentando a conta para o setor

Suinocultores pedem socorro
19 de Janeiro de 2022
Comentário Suinícola

Suinocultores pedem socorro

Nesta semana tivemos mais uma baixa no preço pago ao produtor, movimentação que traz uma preocupação muito forte, pois ninguém mais sustenta uma atividade pagando caro para trabalhar

20 de Janeiro de 2022
Mercado Interno

O preço do suíno vivo registra queda intensa neste mês

Motivo da queda foi a combinação de vendas lentas e oferta elevada de animais para abate

Disponible en español Disponible en español
Hong Kong relata surto de peste suína africana
19 de Janeiro de 2022
China

Hong Kong relata surto de peste suína africana

Notícia foi informada pela Organização Mundial de Saúde Animal (OIE) nesta segunda-feira

Com investimentos em alta no Oeste Paranaense, empresas expõem tecnologias em construção de galpões na AveSui
17 de Janeiro de 2022
AveSui América Latina

Com investimentos em alta no Oeste Paranaense, empresas expõem tecnologias em construção de galpões na AveSui

A região é considerada o maior agro cluster da América Latina e vem recebendo fortes investimentos de cooperativas, agroindústrias e empresas ligadas à cadeia produtiva de proteína animal

Ministra Tereza Cristina defende medidas para contenção de PSA
18 de Janeiro de 2022
PSA

Ministra Tereza Cristina defende medidas para contenção de PSA

Foco da doença foi identificado na República Dominicana em novembro, mas Brasil não registra casos desde o fim da década de 1970

Mais assuntos do momento
Utilizamos cookies para que você tenha a melhor experiência de navegação, para medir o tráfego, e para fins de marketing. Para mais informações, por favor visite nossa política de privacidade. Política de Privacidade