Peste Suína Africana AveSui Inside Cooperativas Agroindústrias Bem - Estar Animal América Latina Comentário Suíno Economia Empresas Exportação Eventos e Cursos Genética Geral Insumos Manejo Meio Ambiente Mercado Externo Mercado Interno Nutrição Piscicultura Pesquisa e Desenvolvimento Processamento de Carne Sanidade Sustentabilidade Saúde Animal Tecnologia Revista Todos os Vídeos TV Gessulli no YouTube Edições Revista Digital Anuncie
Mercado Externo

Vendas de carne vegetal caem nos EUA

Com a volta de atividades presenciais, vendas começam a cair

Redação com informações de Valor Econômico
02-Dez-2021 08:17 - Atualizado em 03/12/2021 10:29

A carne de origem vegetal está perdendo seu apelo nos Estados Unidos. O declínio das vendas coloca em dúvida a perspectiva de essa nova categoria abocanhar de fato uma parte do mercado de proteína animal.

Nas quatro semanas até 3 de outubro, as vendas das proteínas à base de plantas nos EUA caíram 1,8% em comparação com o mesmo período do ano passado, segundo a empresa americana de dados de varejo SPINS. Em 2021, a queda acumulada é de 0,6%.

O forte aumento das vendas de carne à base de plantas no começo da pandemia, em 2020, estabeleceu um grande desafio para a manutenção do crescimento neste ano, mas esse não é o único fator para a queda. A demanda também começou a cair porque, com o fim gradual das restrições de circulação, os consumidores passaram a comer menos em casa. Além disso, em virtude de problemas nas cadeias de abastecimento, alguns produtos começaram a faltar nas lojas, segundo a SPINS. Em outras partes do mundo, a chegada de novos produtos ao mercado aumentou a competição pela preferência dos consumidores.

Os EUA são o maior mercado para as “novas” carnes vegetais que simulam a carne de verdade em sabor e textura. A notícia sobre a queda das vendas surge depois da divulgação de números fracos de receita da Beyond Meat e do grupo canadense Maple Leaf Foods nas últimas semanas. A Maple Leaf é dona da Green Leaf, empresa especializada em proteínas à base de plantas.

“Nos últimos seis meses, houve inesperadamente uma rápida desaceleração nas taxas de crescimento da categoria de proteínas à base de plantas”, afirmou a analistas, em novembro, o presidente executivo da Maple Leaf, Michael McCain. O executivo creditou a queda de 6,6% das vendas de proteínas à base de plantas da companhia ao declínio em toda a categoria que vai de alimentos refrigerados a serviços de alimentação. Segundo ele, a empresa está analisando as causas para tentar entender as mudanças no mercado.

A Maple Leaf superou as expectativas de receita com um aumento das vendas de 13,4% em sua divisão de carne de verdade. Analistas da BMO acreditam que a análise do mercado de proteínas à base de plantas levará a uma redução dos investimentos e gastos com marketing, o que deverá melhorar os resultados no ano que vem.

As ações da Beyond Meat caíram desde que ela divulgou vendas de US$ 106 milhões para o terceiro trimestre. A projeção anterior era de vendas de US$ 120 milhões a US$ 140 milhões.

Ethan Brown, presidente executivo da empresa, disse que a queda deveu-se ao fato de os consumidores estarem fazendo menos viagens e se mostrarem menos abertos a experimentar novos produtos, além de estarem menos interessados em opções saudáveis. Ele também mencionou as oportunidades menores de amostragem de produtos, uma vez que a disseminação da variante Delta do coronavírus limitou a exposição dos produtos aos consumidores.

A queda nas vendas acontece no momento em que mais startups e empresas de alimentos oferecem novos produtos à base de plantas. Os concorrentes mais novos estão oferecendo “cortes” realistas de carnes com o uso de tecnologias como a impressão 3D.

Bahige El-Rayes, da consultoria Bain, disse que com as carnes à base de plantas ainda custando de 30% a 40% mais que a carne verdadeira, e com a necessidade de melhorar os sabores e texturas, a categoria precisa, para continuar crescendo, aumentar a capacidade de produção, o que reduziria os custos, e investir mais em pesquisa e desenvolvimento.

As preocupações com o impacto ambiental da pecuária e com o bem-estar animal na cadeia de produção de carne estimularam os investimentos em proteínas alternativas nos últimos anos. Em 2020, startups de proteínas alternativas levantaram um recorde de US$ 3,1 bilhões em capital, dos quais as carnes, laticínios e ovos à base de plantas ficaram com US$ 2,1 bilhões. Os investidores parecem otimistas com a categoria. A Impossible Foods anunciou neste mês que fechou uma rodada de financiamento de US$ 500 milhões, o que elevou para quase US$ 2 bilhões o montante dos aportes desde que ela foi fundada, em 2011.

Alguns executivos acreditam que a queda das vendas é temporária. Steven Cahillane, presidente executivo da Kellogg, que controla a marca MorningStar Farms de produtos à base de plantas, disse que uma pesquisa da empresa com consumidores mostrou que “ainda há muito entusiasmo e empolgação” com as alternativas vegetais à carne.

Assuntos do Momento

Colheita de soja na Argentina alcança 64,9% da área apta; de milho atinge 25,8%
13 de Maio de 2022
América Latina

Colheita de soja na Argentina alcança 64,9% da área apta; de milho atinge 25,8%

O rendimento médio nacional está em 3.010 quilos por hectare, e a estimativa de produção foi mantida em 42 milhões de toneladas. 

Com a chegada da frente fria, valor do milho sobe e deixa produtores em alerta no Brasil
16 de Maio de 2022
Insumos

Com a chegada da frente fria, valor do milho sobe e deixa produtores em alerta no Brasil

Os valores do milho voltaram a subir na semana passada, interrompendo, portanto, o movimento de queda diária consecutiva que vinha sendo verificado desde o encerramento de abril

Estimativa da Anec para exportação de soja em maio aumenta para 11,4 mi de toneladas e de milho para 1,2 mi de toneladas
18 de Maio de 2022
Insumos

Estimativa da Anec para exportação de soja em maio aumenta para 11,4 mi de toneladas e de milho para 1,2 mi de toneladas

A previsão é de que sejam enviados 11,483 milhões de toneladas de soja em grãos, ante as 10,615 milhões de toneladas projetadas na semana passada. 

Exportação da soja paraense cresce 124%; alimentação de suínos na China é principal destino
17 de Maio de 2022
Exportações

Exportação da soja paraense cresce 124%; alimentação de suínos na China é principal destino

Percentual de crescimento é um comparativo do período de janeiro abril de 2022 ao mesmo quadrimestre do ano passado

Valorização do dólar aumenta preço da soja no Brasil
16 de Maio de 2022
Insumos

Valorização do dólar aumenta preço da soja no Brasil

Segundo pesquisadores do Cepea, a valorização do dólar frente ao Real atraiu importadores para o Brasil, resultando em aumentos no prêmio de exportação e nos preços domésticos da soja

BRF lança projeto piloto para reaproveitamento de resíduos em filiais de grãos
12 de Maio de 2022
ESG

BRF lança projeto piloto para reaproveitamento de resíduos em filiais de grãos

Iniciativa está em sintonia com a agenda ESG da Companhia e com seu compromisso de gestão sustentável da cadeia

Mais assuntos do momento
Utilizamos cookies para que você tenha a melhor experiência de navegação, para medir o tráfego, e para fins de marketing. Para mais informações, por favor visite nossa política de privacidade. Política de Privacidade